perspectivas

Sexta-feira, 12 Julho 2019

Não devemos confundir “indivíduo” e “pessoa moral”

Filed under: Cuidado que esta gente tem opinião!,liberalismo — O. Braga @ 10:49 pm

Já não bastava o espírito anticientífico que ilumina a actual Esquerda, e vem agora alguém que se diz da Direita tentar eliminar as categorias da Realidade e, (tal como faz o Bloco de Esquerda), reduzindo toda a Realidade a um nominalismo radical.

liberalismoÉ esta “direitinha” que alimenta o progresso da Esquerda.

A ideia estúpida, dita “liberal”, segundo a qual “a acção individual é totalmente independente do colectivo” (nominalismo radical) conduziu-nos (não só, mas também) ao actual estertor do liberalismo político.

A defesa — feita pelo Bloco de Esquerda e afins — da anomia e do isolamento do indivíduo face ao Estado (o nominalismo aplicado à política: ver "Vontade Geral" de Rousseau) é corroborado por “liberais” que tratam de enterrar o liberalismo político com o mesmo afã com que o fazem os inimigos da liberdade. Só que estes ditos “liberais” são os idiotas úteis do processo político totalitarizante.

Muita merda se tem dito e escrito acerca do “liberalismo” — incluindo a Fátima Bonifácio, que também contribuiu bastamente para a escatologia —, e uma das merdas é a confusão que se faz aqui entre o conceito de “super-estruturas” de Karl Marx, por um lado, e, por outro lado, as diferentes categorias sociais marcadas pelas diferenças culturais e étnicas, que são reais e que condicionam fundamentalmente a acção dos indivíduos.

Tal como fazem os radicais de esquerda, os ditos “liberais” escamoteiam os factos que caracterizam a realidade social, e em nome de uma ideologia.


O que é preciso dizer aos ditos “liberais” é que não devemos confundir “indivíduo”, por um lado, e “pessoa moral”, por outro lado. Só um burro ou uma avantesma do Bloco de Esquerda faz essa confusão.

Enquanto a noção de “individualidade” remete, em primeiro lugar, para a unidade fisiológica ou biológica — já o princípio da “pessoa moral” é a identidade consciente e voluntária; e quando se fala de um determinado “indivíduo”, colocamos o acento tónico nas particularidades ou nas diferenças que o distinguem de qualquer outro — mas as pessoas morais, pelo contrário, são fundamentalmente parecidas pela Razão, pelo Ser e pela faculdade de comunicar.

Anúncios

1 Comentário »

  1. Republicou isto em Escólios.

    Gostar

    Comentar por O. Braga — Sexta-feira, 12 Julho 2019 @ 10:50 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: