perspectivas

Quinta-feira, 8 Março 2018

O CDS de Assunção Cristas é um partido de Esquerda

 

Concordo com a maior parte do que foi escrito aqui acerca do CDS da Assunção Cristas.

asscristas-mesquita1-web

A sorte dos “partidos do regime” é a reputação do PNR (Partido Nacional Renovador) granjeada à custa dos “cabeças rapadas”: se observarmos os partidos europeus da Direita, como por exemplo, o UKIP (United Kingdom Independent Party), ou o AfD (Alternative für Deutschland), ou a Forza Itália, entre outros, não existe neles um histórico de “cabeças rapadas”. Nem na Front Nationale de Marine Le Pen (já não digo o mesmo da Front Nationale do seu pai) há um histórico “skin head”.

Porém, há que ter em consideração que, em política, não há memória que dure; e é possível que o PNR “limpe” o seu histórico e que cative uma nova geração de portugueses. Ou é possível que surja um outro partido político anti-sistema, como aconteceu em Itália com a LEGA NORD.


Os dois grandes problemas da afirmação de qualquer partido político em Portugal são:

1/ a influência medonha da maçonaria em tudo o que mexe;

2/ e — também conotada com a maçonaria — a agenda política globalista (que é aliada da Esquerda, como podemos ver com o bilionário e judeu George Soros, por exemplo) que controla os me®dia. ASSCRIS-WEB

Em Portugal, é impossível o mínimo sucesso político sem a aquiescência da maçonaria que, por sua vez, dá aos me®dia a luz verde para a cobertura informativa.

Com algum espanto vejo o CDS de Assunção Cristas a querer roubar algum espaço político do Partido Socialista de António Costa, por exemplo quando Assunção Cristas adopta algumas posições políticas próprias do marxismo cultural.

Tal como prevejo para o Partido Social Democrata de Rui Rio, o CDS de Assunção Cristas não tem grande futuro. Grosso modo: a Assunção Cristas entrou em competição com a Catarina Martins.

Vemos em baixo um vídeo de uma conferência dada em 1978 por Milton Friedman acerca da chamada “flat tax” (imposto único e universal). Friedman demonstrou que a percentagem da taxa única não compromete as receitas do Estado, e que a complicação do sistema de impostos apenas serve o carreirismo da classe política – trata-se de uma “classe”, e não de um “escol”, porque “um escol é uma colecção de indivíduos” (Fernando Pessoa).

 

 

Quando um partido político português defender o Imposto Único e Universal (‘flat tax’), ao mesmo tempo que defende os valores da família nuclear antropológica e a sua autonomia face ao Estado, por um lado, e por outro lado defenda a existência e o desenvolvimento de instituições de intermediação entre o indivíduo e o Estado (por exemplo, a afirmação da Igreja Católica, entre outras confissões religiosas cristãs) — então teremos um partido de Direita em Portugal.

Ora, esse partido não é seguramente o CDS de Assunção Cristas, que compete com a Esquerda na agenda política da “nacionalização da família” e da atomização do indivíduo face a um Estado plenipotenciário.

Anúncios

Deixe um Comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: