perspectivas

Terça-feira, 12 Julho 2016

Os judeus e o Cristianismo

Filed under: A vida custa,cultura — O. Braga @ 7:57 pm
Tags: ,

logo-montepio

¿O leitor sabe qual é a origem do nome do Banco Montepio? Já lá vamos. Antes vamos analisar as asneiras escritas aqui, segundo as quais o Cristianismo foi um instrumento utilizado pelos judeus para derrubar o império romano.


Todo aquele que resiste ao Poder (político do império romano), resiste a Deus.” – S. Paulo, Romanos, XIII, 2

O Cristianismo, por sua própria natureza, defende a submissão do cristão ao Poder político; esta ideia de submissão ao Poder só foi ligeiramente alterada século XIII através de S. Tomás de Aquino que dizia que uma lei injusta não chega a ser lei, e por isso o cristão não tem que obedecer. Mas, nos primórdios do Cristianismo, S. Paulo era o paradigma. Por isso, não faz sentido alguém dizer que “o Cristianismo minou o Poder do império romano”. Quem escreveu aquilo não tem noção da História da Antiguidade Tardia.

A queda do império romano tem razões exógenas e endógenas. As exógenas têm a ver com os movimentos dos povos bárbaros do norte da Europa, acossados pelos mongóis. Qualquer pessoa com um mínimo de conhecimento de História sabe disto; e por isso fico surpreendido como alguém que se diz licenciado em História parece ignorar esse facto. As razões endógenas têm a ver com a decadência da cultura antropológica da Roma dos imperadores, que já pouco tinha a ver com a cultura saudável da república romana de Catão.

Infelizmente, os cristãos sempre foram contra os judeus. Uma característica do Cristianismo — seja católico ou luterano — foi o anti-semitismo. Isto é um facto histórico tão inelutável que até arrepia que alguém que se diz “licenciado em História” não reconheça.

Para além dos muçulmanos, os principais inimigos da humanidade — segundo os cristãos da Idade Média — era as bruxas e os usurários. Desde Santo Ambrósio, no século V, até S. Bernardo, no século XV, que os pregadores cristãos insistiam em que ser usurário era um meio de hostilidade e uma ofensa contra a caridade para com o próximo. Ora, os judeus não faziam outra coisa senão praticar a usura.

No século XV, para combater a usura dos judeus, os frades católicos italianos fundaram uma instituição bancária de nome Monti di Pietá, que abriu várias sucursais em cidades italianas. É da instituição italiana Monti di Pietá que adveio o nome do Banco Montepio. Diziam os frades italianos que, uma coisa é uma pessoa particular emprestar dinheiro a juros a outra (o que envolve uma relação entre indivíduos), e outra coisa, diferente, é a criação de uma instituição financeira (os Monti di Pietá) impessoal, destinada a financiar a economia em geral e em termos impessoais. Vemos esta tendência contra a usura, por exemplo, em Shakespeare e no “Mercador de Veneza”: levar qualquer coisa a mais em troca de um empréstimo era um golpe na amizade.

Em toda a Idade Média, de todos os que eram mais considerados, pelos cristãos, como pertencendo à categoria dos inimigos da raça humana, eram os judeus. A diferença de atitude para com os judeus e para com os muçulmanos é inconfundível, e não se pode atribuir à existência, no primeiro caso, e à ausência, no segundo caso, de fortes poderes de retaliação. Os judeus não eram uma classe, mas antes eram um povo; e se estavam frequentemente ligados à usura e à cobrança de impostos, essa era a consequência de um antagonismo antigo. Cristãos e judeus nunca se deram bem, desde S. Paulo.

Os judeus foram os primeiros inimigos de Cristo, autores da crucificação e morte, e ficaram maculados, assim como os seus filhos, pelo sangue de Jesus. Era assim que o cristão da Idade Média via os judeus. Para as comunidades judaicas, agrupadas em torno das suas sinagogas, desde Sevilha a Frankfurt, por mais certas que de que estivessem da benevolência dos reis, o tempo da Páscoa cristã era sempre perigoso. No carnaval, em Roma, os judeus eram obrigados a exibirem-se publicamente como um instrumento do diabo, a fazerem corridas nas ruas debaixo de insultos ou chicotadas, e a manterem-se em cena como alvo de troça e zombaria. Em Espanha e na Idade Média, era vulgar que, durante a Semana Santa, se realizasse um qualquer ataque ao bairro judeu. Depois da Reforma, na Alemanha, era comum que fosse tabu qualquer contacto físico com judeus (considerado pecaminoso). O tabu também abrangia as prostitutas, considerando-se que era económico e sensato — por exemplo, em Frankfurt — situar os bordéis nos bairros dos judeus.

Neste estado de emoção pública, a reacção imediata a um qualquer sinal de ira divina, em qualquer cidade com judeus, era atacá-los e fazer a depuração, expulsando-os, queimando-os ou matando-os. A passagem da Peste Negra na Alemanha deixou um rasto de destruição entre as comunidades judaicas. Na península ibérica, o problema dos judeus foi resolvido de forma diferente: em vez de uma política de perseguição ou de exterminação, adoptou-se uma política de conversão compulsiva ao Cristianismo — transformando-se assim um problema de judeus, em um problema de hereges, o que levou a persegui-los durante mais de um século.

O que é espantoso é que um licenciado em História diga que o Cristianismo era aliado dos judeus. Eu, que já sou avô, pergunto-me sobre o que se ensina hoje nas universidades.

1 Comentário »

  1. Por esse artigo, o pseudo~historiador João Nobre merece o Óscar de besta quadrada do ano. Através de lógica(dessincronizada com a realidade), da retórica e da ignorância alheia, consegue convencer pessoas que “a neve é preta”. Devia arranjar um lugar na Escola de Frankfurt e fazer o papel de refazer a história à maneira revolucionária sobretudo jogando com estereótipos.

    Comentar por Eu Mesmo — Terça-feira, 12 Julho 2016 @ 11:03 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.