perspectivas

Segunda-feira, 4 Julho 2016

Os liberais que vieram da extrema-esquerda.

Filed under: Esta gente vota — O. Braga @ 12:27 pm
Tags: ,

 

Não seria justo que nos recriminássemos pelos devaneios utópicos da nossa juventude, no tempo em que acreditávamos que podíamos construir um Mundo Melhor e o Homem Novo do futuro. Eu nunca acreditei nisso: sempre fui naturalmente reaccionário e céptico; sou um reaccionário inato; mas reconheço que não somos todos iguais.

O Mundo Melhor do Homem Novo, que a estupidez imberbe proclama, não é baseada no passado — como aconteceu com o Renascimento, que se baseou no regresso ao passado: o Mundo Melhor do Homem Novo actual projecta-se absurdamente em um futuro que é impossível conhecer. Portanto, o Mundo Melhor dos “progressistas” não é baseado em nenhuma experiência histórica, mesmo que revestida de alguns mitos como aconteceu no Renascimento.

Em suma, ninguém está livre de ter sido um estúpido na sua juventude.

Porém, quando a estupidez do efebo se desvanece e se adopta o ideário do liberalismo político, é suposto que os princípios básicos da democracia prevaleçam no nosso pensamento. E “democracia” significa “representação popular”.

O que eu não consigo perceber é como um dito “liberal” apoia a construção de um leviatão europeu, em que decisões políticas fundamentais são tomadas à revelia da representação dos povos da Europa, e em que o parlamento europeu não tem poder real de decisão; e ao mesmo tempo que apoia uma instituição não-democrática, critica quem defende o princípio da democracia no Reino Unido; mas diz-se de si mesmo “liberal”!

Ninguém está livre de ter sido um estúpido na sua juventude; mas, quem mal começa, tarde ou nunca se endireita.

8 comentários »

  1. Homem, vc. deve ser completamente imbecil e a imbecis não se deve dar troco. Porém, como vc. insiste, de há uns tempos para cá, em dizer que eu era de esquerda (extrema-esquerda ?) na juventude, isso já constituiu uma ofensa a merecer reparo. Na verdade, se quiser esclarecer alguma coisa a respeito do meu passado remoto (há tipos com fetiches bizarros e vc. deve ser um deles), pergunte a alguns dos seus amigos, que eles poderão informá-lo. Aproveitando o ensejo deste comentário – que se não repetirá – recomendo-lhe que seja mais módico nos disparates e que se informe, por exemplo, sobre o que é, e em que consiste, o procedimento de co-decisão, agora designado por procedimento legislativo ordinário. Se tiver dificuldades em descobrir, pergunte ao Maximilien de Robespierre, o tal que era amigo íntimo do J.-J. Rousseau.

    Comentar por rui a. — Segunda-feira, 4 Julho 2016 @ 4:13 pm | Responder

    • Já que você entrou de chancas, não calço as luvas.

      1/ foi você mesmo que escreveu um verbete no seu blogue em que afirmou que foi simpatizante de Esquerda na sua juventude. Eu tenho boa memória.

      2/ em relação à sugestão que você faz em perguntar ao Robespierre e ao Rousseau, agradeço-a, mas prefiro John Locke.

      Parece que você aprecia as ideias de Rousseau; e por isso não sei como é possível que você seja liberal — mas eu teria que lhe explicar por que razão você é incoerente; porém, penso que a explicação seria improfícua, porque se você não percebeu a sua incoerência até agora, não a irá perceber nunca.

      3/ o liberalismo político — e o Direito Positivo! Pergunte ao Kelsen! — não são possíveis sem a democracia. A democracia não é possível sem o Estado-Nação. Aprenda!

      4/ o parlamento europeu não tem poder político real. ¿Entendeu?! Aquilo não é um parlamento: é uma fantochada para acomodar políticos vendidos ao leviatão.

      Comentar por O. Braga — Segunda-feira, 4 Julho 2016 @ 4:31 pm | Responder

      • Homem, poderia referir esse verbete? É que, já agora, com 14 anos eu era director da Acção Escolar do MIRN-Porto; aos 16, membro da Comissão Política do MN; entre os 14 e os 17, responsável pela Lista B – Independentes de Direita, do D. Manuel II; com 16, fui homenageado com um processo-crime por ter andado à porrada com um tipo do PC no liceu; aos 19, director da Imperium; com 20, director da Universidade e Cultura. Sendo que não tenha de «juventude» a mesma visão das juventudes partidárias, a minha terminou pelos 23, 24. E se vc. quiser confirmar estas informações, por favor, pergunte ao Bruno Oliveira Santos, ou ao Victor Luís, ao Jaime Nogueira Pinto, ao António Marques Bessa, ao Santos Silva, enfim, a quem conheça que tenha vivido esses tempos do PREC. Vc. certamente que andava longe ou ainda não era nascido.

        Comentar por rui a. — Segunda-feira, 4 Julho 2016 @ 5:06 pm

  2. Quanto ao resto, lamento imenso mas não tenho qualquer gosto em debater consigo. Passe bem.

    Comentar por rui a. — Segunda-feira, 4 Julho 2016 @ 5:07 pm | Responder

    • Em primeiro lugar, você não tem estaleca intelectual para “debater” comigo. Se você a tivesse, por exemplo, não seria “liberal” ao mesmo tempo que defende a ideia de um parlamento europeu sem poder político real.

      Em segundo lugar, e dando como verdade que você pertenceu ao MIRN, já se percebe a sua simpatia por Rousseau. Bem me parecia que você tinha tido uma juventude de extremos: só me enganei no lado do extremo.

      Cumprimentos.

      Comentar por O. Braga — Segunda-feira, 4 Julho 2016 @ 5:41 pm | Responder

  3. Homem, o seu problema não é de estaleca intelectual: vc. sabe razoavelmente a vulgata dos livros de filosofia do secundário, mas não passa disso, e isso não me impressiona por aí além. Muitas vezes dá pontapés grotescos nas coisas que lê, confunde e ignora coisas elementares, mas, enfim, se é feliz assim, pois continue. O seu problema é mesmo de seriedade intelectual, que não tem, embora se julgue um tipo extraordinário. Se, por exemplo, vc. tivesse um mínimo de categoria pessoal, já teria apagado os post em que me acusa de ter tido um passado na esquerda, ou acrescentado-lhes um devido pedido de desculpas por se ter enganado. Como vc. não sabe o que isso possa ser e, para si, mentir ou dizer a verdade é igual ao litro (um dia ainda lhe contarei porque é que o Robespierre e o Rousseau não eram amigos íntimos, eheheh), assobiou para o ar com os gays e o Rousseau, e fez de conta que não se passa nada. Vc., no fim de contas, com um comportamento destes, vc. não passa de um pobre diabo. Tem a minha garantia de que foi a primeira e que será a última vez que lhe prestei atenção.

    Comentar por rui a. — Segunda-feira, 4 Julho 2016 @ 5:54 pm | Responder

    • Afinal, você afirmou no seu primeiro comentário que era “único comentário”, mas não cumpriu a sua promessa.

      Na troca de ideias — ou aquilo a que você chama “debater” —, o que interessa são os factos, e não a sua subjectividade. Aquilo que você pensa de mim, não interessa ao debate, porque nem você nem os leitores me conhecem. O ataque ad Hominem revela fraqueza argumentativa. Atenha-se aos factos, e deixe-se de argumentos subjectivos.

      O que está em discussão é o facto de você se dizer “liberal”, por um lado, e por outro lado criticar quem defende a saída do Reino Unido desta União Europeia. Você entra em contradição, porque esta União Europeia não é nitidamente liberal.

      Eu não defendo a saída de Portugal da União Europeia — porque Portugal não pode sair da União Europeia (com uma dívida pública de 130% do PIB, é impossível ou loucura sair do Euro). Mas não critico quem pode sair, como é o caso do Reino Unido.

      Finalmente: você parece ser um daqueles burros, que pululam amiúde por aí, que tem um alvará de inteligência. Se lhe tirassem o alvará, ficava-lhe apenas a burrice.

      Comentar por O. Braga — Segunda-feira, 4 Julho 2016 @ 6:09 pm | Responder

  4. Também não entendo esses pseudo.liberais… acho que nem o próprio Hayek que eles tanto admiram concordaria com eles. O Farage tem dito que depois do advento da globalização o Reino Unido perdeu toda a razão de estar na União Europeia. Até havia grupos(talvez fundados pelo camarada Soros) de anarquistas que queriam permanecer na UE… a onde a demência chega. Um liberal é sempre contra o intervencionismo estatal e contra a burocratização, mas pior ainda, John Keynes é o economista mais conceituado nesse meio, se eles gostam tanto do Hayek porque é que adoram tanto a UE? Sr. Rui A. POR FAVOR deixe de ser besta.

    Comentar por Eu Mesmo — Segunda-feira, 4 Julho 2016 @ 7:41 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

site na WordPress.com.