perspectivas

Sábado, 28 Maio 2016

O Anselmo Borges reduz o Cristianismo à política

 

“Jesus, na iminência da condenação à morte, ofereceu uma ceia, a Última Ceia. Nela, abençoando o pão e o vinho, que significam a entrega da sua pessoa por amor a todos, disse: "Fazei isto em memória de mim." Os primeiros cristãos reuniam-se e, recordando (recordar é uma palavra muito rica, pois significa voltar a passar pelo coração) essa Ceia, o que Jesus fez e é, celebravam um ágape, o "partir do pão", uma refeição festiva e fraterna em sua memória, abertos a um futuro novo de Vida. E aconteceu o que constituiu talvez a maior revolução do mundo: se algum senhor se tinha convertido à fé cristã, sentava-se agora à mesma mesa que os seus escravos, em fraternidade”.

Anselmo Borges

A interpretação de Anselmo Borges da Eucaristia não corresponde à da iniciação mística cristã, por exemplo, em S. Paulo.

Anselmo Borges reduz a uma estrutura colectiva, exterior ao indivíduo, um comportamento ético que, a não ser que seja interior ao indivíduo, não é nada. O clero “progressista” — por exemplo, o Anselmo Borges — defende a ideia segundo a qual há uma reforma social capaz de branquear as consequências do pecado (o que é uma influência do Romantismo do século XVIII, mormente em Rousseau, que voltou a estar na moda na actual Esquerda depois da queda do muro).

No cristianismo primitivo (Mircea Eliade, por exemplo), o convívio fraternal entre o senhor e o servo não eliminava as categorias sociais dos dois — como parece defender Anselmo Borges.

S. Paulo defendeu que o senhor de escravos deve tratar os seus escravos com o respeito devido à sua humanidade (Direito Natural), mas nunca defendeu a igualdade social entre o senhor e os seus escravos (Direito Positivo); não o podia fazer porque isso seria misturar a religião com política — que é o faz o Anselmo Borges.

A tentativa de desconstrução do símbolo do sacrifício da Eucaristia, feita pelo Anselmo Borges, é delirante, chegando ao ponto de ligar (negativamente) o celibato, por um lado, ao sacrifício eucarístico, por outro lado — quando sabemos que o celibato era apenas e só uma característica dos discípulos de Cristo Jesus que foi seguida pelos apóstolos e bispos dos primeiros séculos da nossa Era (há uma diferença entre “discípulo” e “apóstolo”).

A visão que Anselmo Borges tem da religião cristã é uma visão estritamente política. Refutar aquele texto do Anselmo Borges daria tanto trabalho que teria eu que escrever um texto com o triplo da quantidade de palavras que ele utilizou no dele; mas já não há pachorra.

Deixe um Comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

site na WordPress.com.