perspectivas

Sábado, 7 Maio 2016

O problema do Anselmo Borges é o sexo e a política, e não a religião

 

O Anselmo Borges diz aqui que a Igreja Católica deve colocar-se contra o capitalismo, e que o papa deve passar a ser um Bispo como outro qualquer. E depois diz que a Igreja Católica se deve transformar em um partido político cuja ideologia defende “um mundo mais justo”. E a seguir diz que os homens católicos casados e as mulheres “quase não tem voz” no interior da Igreja Católica.

E conclui o Anselmo Borges que a Igreja Católica deve mudar por forma a transformar-se em um partido político anti-capitalista, deve acabar-se com o papado e dissolver a sua autoridade pelos bispos, retirar ao clero a sua característica do celibato, e talvez eleger uma papisa Joana. E diz o Anselmo Borges que esta seria a verdadeira Igreja Católica democrática e que pertenceria ao povo.

O que o Anselmo Borges defende pode ser facilmente aceite por um analfabeto funcional. Aliás, ele dirige-se aos analfabetos; os populistas escolhem sempre os ignaros como alvo da sua propaganda. Mas, para uma pessoa avisada, o que o Anselmo Borges pretende é acabar com a Igreja Católica.


Convém que se informe os leitores menos familiarizados com as diversas confissões cristãs, o seguinte:

A tradição luterana parte exclusivamente da consciência do indivíduo (qualquer que seja, ignaro e bruto que seja), como última instância no reconhecimento, não só dos dogmas, mas também da própria doutrina, e de uma maneira completamente independente do carácter lógico que lhes possa ser atribuído. Isto permite a liberdade evangélica, o que implica também uma teologia diferente em cada púlpito (cada sacerdote ou pastor prega a doutrina que quiser).

Na Igreja Católica, sublinha-se a doutrina e os dogmas como uma função da constituição de uma comunidade. A verdade religiosa é entendida de uma maneira análoga a uma verdade factual objectiva. A comunidade da Igreja Católica deve ser reforçada através da sua uniformidade em questões doutrinais e dogmáticas.

A Igreja Ortodoxa opta pelo meio-termo; nega a possibilidade de um magistério infalível. Os dignitários — o clero —, os teólogos e os concílios são convocados para apresentar propostas sobre questões doutrinais, mas a decisão sobre a rejeição ou aprovação realiza-se através do processo de recepção por parte dos crentes, através do qual uma tese formulada ganha vida em toda a Igreja Ortodoxa. Sem esta recepção popular dos verdadeiros crentes e frequentadores da Igreja Ortodoxa, as decisões do clero sobre a doutrina e os dogmas permanecem mortas.


O que o Anselmo Borges defende é que se utilize a força de uma nova gerontocracia clerical “progressista”, representada pelo papa Chiquinho, para transformar a Igreja Católica em uma igreja luterana. Ele pretende que a infalibilidade do papa e a autoridade do clero católico sejam utilizadas unilateralmente para transformar a Igreja Católica em uma confissão protestante, sem ouvir o povo católico. É isto que o Anselmo Borges pretende.

Se o Anselmo Borges defendesse uma aproximação ao método da Igreja Ortodoxa, eu estaria disponível para o ouvir. Mas o facto de a Igreja Ortodoxa também ter um clero celibatário e de as mulheres não poderem ser bispos, impede-o de defender esta aproximação. O problema do Anselmo Borges é o sexo e a política, e não a religião.

Deixe um Comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.