perspectivas

Sábado, 5 Março 2016

O sofisma naturalista do Anselmo Borges

 

Este texto do Anselmo Borges ia bem, até ao final, quando ele fala em sexo. Os padres e freiras têm a “sexualidade distorcida”, diz ele. A cumbersa é sempre a mesma.

falacia-naturalistaEm primeiro lugar, ninguém é obrigado a ser padre ou freira. Ninguém lhes aponta a pistola do celibato. São padres e madres porque querem ser, e como em todas as instituições, há que os que reúnem as condições para estar dentro do clero católico, e os que não têm essas condições.

Claro que o argumento seguinte é o da “falta de padres e freiras”. Então que a Igreja Católica forme mais diáconos e diaconisas, que estes podem casar, se quiserem. Mas deixem o sacerdócio e a clausura em paz!


O argumento do Anselmo Borges contra o celibato católico não é racional: baseia-se em um sofisma naturalista: por exemplo, “se os homens têm naturalmente barba, todos os homens devem deixar crescer a barba”.

De modo semelhante: “se os homens têm naturalmente um órgão sexual, todos devem ter sexo” — é este o sofisma naturalista do Anselmo Borges.

Desde G E Moore que sabemos que não é possível deduzir valores e normas a partir de factos — e quem o faz incorre em um sofisma naturalista. Os factos não fundamentam quaisquer normas, embora as normas possam criar factos.

Deixe um Comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

site na WordPress.com.