perspectivas

Quarta-feira, 2 Março 2016

O ataque ad Hominem a Vladimir Putin

 

Temos aqui um texto enviesado. Aliás, a “técnica” utilizada é comum: pega-se num texto escrito em uma língua estrangeira e apenas se trata uma parte dele; e quem não sabe inglês fica restringido a uma informação tratada parcialmente. Chama-se a isso sub-informação.

putin-obama

Vamos lá ver alguns argumentos do textículo brasileiro supracitado:

Vladimir Putin fez parte do Partido Comunista da ex-União Soviética.

O próprio Vladimir Putin nunca escondeu esse facto. Aliás, é raro o cidadão russo com mais de 50 anos de idade que não tivesse tido qualquer tipo de ligação com o Partido Comunista da ex-União Soviética. Mas não só. Por exemplo, Olavo de Carvalho também foi comunista na sua juventude e não escondeu esse facto. As pessoas mudam. Hayek foi socialista enquanto jovem; Karl Popper também foi socialista; o próprio Leo Strauss foi socialista na sua juventude.

Outro exemplo: Viktor Orbán, primeiro-ministro da Hungria, pertenceu ao Partido Comunista. Mas só um estúpido poderá dizer que ele é hoje comunista!

Segue-se, daquele texto brasileiro, que o corolário lógico para a Rússia actual seria o de proibir todos os cidadãos com mais de 50 anos de exercer qualquer cargo político — porque a esmagadora maioria desses cidadãos tiveram uma qualquer ligação orgânica com o Partido Comunista da ex-União Soviética. Se isto não vos parece absurdo, lamento imenso.

Vladimir Putin tem orgulho da sua história pessoal.

Qualquer pessoa que não seja um invertebrado moral tem orgulho da sua história pessoal, tendo porém consciência de que o ser humano não é perfeito, e que terá cometido erros.

galao-cb-mp-webPor exemplo, eu fui Comandante de Bandeira na Mocidade Portuguesa que, alegadamente, era considerada uma organização “faxista”. O meu destino, enquanto infante português do Estado Novo, estava indissociavelmente ligado à Mocidade Portuguesa: milhões de portugueses jovens pertenceram a essa organização. Portanto, se toda essa juventude daquele tempo é hoje considerada “faxista”, estamos em presença de uma tentativa de humilhação histórica e pessoal de toda uma geração. É o que a actual Esquerda faz.

A tentativa de humilhar o passado histórico de um país ou de uma nação é uma característica de Esquerda — e é comum, por exemplo, hoje nos Estados Unidos através da reconstrução da História. Segundo a Esquerda, o passado (a História) é má e deve ser apagada, e o que importa é a construção dos “amanhãs que cantam”. Como diz o reaccionário Nicolás Gómez Dávila:

“Criticar o presente em nome do passado pode ser fútil, mas criticá-lo em nome do futuro pode tornar-se risível quando o futuro chegar”.

A Esquerda propriamente dita — o chamado politicamente correcto ou marxismo cultural — critica o passado e o presente em nome do futuro. Isto passa-se hoje nos Estados Unidos e em Inglaterra, e por influência cultural destes países, na maioria dos países da Europa ocidental. Pretendem que as nações tenham vergonha das suas respectivas histórias — como se passa hoje também no Brasil na crítica à colonização portuguesa. Podem criticar à vontade, porque eu tenho orgulho na História e na colonização portuguesas.

Vladimir Putin guarda o cartão de pertença ao Partido Comunista da ex-União Soviética

Imaginem que Olavo de Carvalho queimasse os textos que escreveu na sua juventude, quando ele era comunista. É claro que, provavelmente, ele os guarda; mas isso não significa que hoje ele seja comunista. Eu próprio guardo as insígnias da Mocidade Portuguesa, o que não significa que hoje eu concordasse com a existência dessa organização. ¿Se eu tenho orgulho em ter pertencido à Mocidade Portuguesa? Tenho. ¿A Mocidade Portuguesa faz sentido no Portugal actual? Não. Ter orgulho crítico — sublinho: crítico — da nossa experiência de vida pessoal é um bem, e não um mal.

Vladimir Putin diz que os ideais socialistas são bons.

Este argumento, invocado no texto brasileiro, é parcial, porque no texto original em inglês está escrito o seguinte:

« “The Code proclaims very good ideas: equality, brotherhood, happiness”, the president said.

"But practical realization of these remarkable ideas in country was far from what utopian Socialists had been setting out. Our country did not resemble Sun City," said the Russian head of state. »

Esta parte do texto original em inglês foi escamoteada pelo texto brasileiro (sub-informação). Eu vou traduzir as palavras de Putin:

“O código [socialista] proclama muito boas ideias: igualdade, fraternidade, felicidade. Mas a realização prática destas boas ideias no nosso país estiveram longe do que os socialistas utópicos tinham programado. O nosso país não se parece com a Cidade do Sol”.

Se isto não é uma crítica velada ao comunismo, não sei o que seja. O que Vladimir Putin pretende dizer, por outras palavras, é o seguinte: “eu gostava de ter um paraíso na terra, mas isso é impossível”. ¿E quem não gostaria de ter um paraíso na terra? As “boas ideias”, muitas vezes, são utópicas, ou seja, não têm realização prática possível.

Finalmente: não devemos fazer ataques ad Hominem seja a quem for. Quando se ataca Putin ad Hominem, quem o faz já perdeu o debate. Deve-se atacar Putin, se for caso disso, pelas suas acções e pelas consequências dessas acções.

3 comentários »

  1. Parabéns pela coragem em criticar determinadas posições de Olavo e da chamada “nova direita” brasileira. Se você fosse brasileiro já tinha sido ostracizado.

    Comentar por R. Teixeira — Quarta-feira, 2 Março 2016 @ 12:26 pm | Responder

  2. “Um homem que não seja um socialista aos 20 anos não tem coração. Um homem que ainda seja um socialista aos 40 não tem cabeça” Já dizia o velho Clemenceau.
    O Papa Bento XVI foi acusado por muitos de ter pertencido a Juventude Hitlerista: mas quem não foi naquela época?
    Os norte americanos (que Olavo tanto idolatra) quando inevitavelmente topam com uma pessoa desmaiada na rua, evitam a todo custo tocar nela, e, instintivamente discam 911, a Grande Providência Divina! Em três minutos a providência responde ao chamado do crente, que então, está livre de qualquer pecado, e processo judiciais. Este grande povo, não passa de antricristãos que repelem seu semelhante e idolatram o Estado, muito mais que os russos, que sobreviveram ao Stalin e outros mentecaptos, a custa de grandes sofrimentos.
    Os “chicanos“, como hackers desta “sociedade de solitários”, saqueiam seus apartamentos em plena luz do dia, apenas com caminhões de entrega: Nenhum vizinho lhes pergunta nada, o que acontece com o outro não é da sua conta. Não é a toa que tantos psicopatas transitam entre eles sem serem notados.
    Eis uma sociedade individualista e narcisista, pronta para ser degustada pelo maior dos tiranos que está por vir. Quem tem medo dos russos?

    Comentar por Giovani Marinho — Quinta-feira, 3 Março 2016 @ 3:04 am | Responder

    • Duvido que os norte americanos do Estado da Virgínia(os que o Olavo tanto venera) sejam tão individualistas como você diz.

      Comentar por Eu Mesmo — Sexta-feira, 4 Março 2016 @ 11:34 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.