perspectivas

Domingo, 14 Fevereiro 2016

Um médico não é um deus

Filed under: A vida custa — O. Braga @ 12:38 pm
Tags: ,

 

O Quim escreve aqui sobre aquilo a que ele chama “continuásia”. E dá como exemplo o caso de Ariel Sharon. A pergunta que se deve fazer é a seguinte:

Se não tivessem retirado a nutrição e (alimentação e água), e sem outras ajudas médicas, ¿será que Ariel Sharon teria sobrevivido todo o tempo que esteve em coma?

Se a continuásia é não deixar que a Natureza siga o seu curso, o Quim tem razão; se a continuásia é retirar ao doente em coma os seus meios de nutrição, então o Quim não tem razão.

Ou seja, o ser humano não tem o direito de se arvorar em deus, e decidir quem tem direito à vida e quem está condenado à morte.

Existem casos de pessoas que estão em coma durante anos a fio e que “voltam à vida”; e se lhe retirassem os meios de nutrição, teriam sido literalmente assassinadas. Se eu fosse médico, e por muito que me custasse a emoção dessas situações humanas, nunca correria o risco de me considerar um deus.

Deixe um Comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.