perspectivas

Domingo, 7 Fevereiro 2016

O que pretendem os subscritores do manifesto a favor da eutanásia

Filed under: Esta gente vota — O. Braga @ 2:20 am
Tags: , ,

 

1/ A agenda política dos defensores da legalização da eutanásia é simples:

  • Primeiro, pretendem pelo menos conseguir um referendo para casos de eutanásia de doença terminal; e mesmo perdendo o referendo e estando em minoria, essa minoria justificaria a despenalização da eutanásia (a descriminalização).
  • Depois, através do “progresso da opinião pública” por intermédio do doutrinamento dos me®dia, legalizar a eutanásia a pedido do cliente, sob pretexto de que “há muita gente já a pratica”. Mais uma fez, o facto vai criar o Direito.
  • E, finalmente, impôr coerciva- e involuntariamente a eutanásia aos extractos populacionais mais vulneráveis.

Esta é, em suma, a agenda política dos psicopatas que assinaram este manifesto.

2/ Na Bélgica, a eutanásia foi legalizada em 2002 para aplicação exclusiva em casos de doença terminal. Mais tarde passou a ser eutanásia a pedido do freguês (doenças psíquicas e outras); e recentemente, a lei da eutanásia foi extensiva a crianças. Este é o “progresso da opinião pública” defendido pelos psicopatas que assinaram aquele manifesto.

3/ Há dias, na Bélgica, o governo chegou à conclusão de que a lei da eutanásia não estava em ordem e que, por isso, tinha que ser revista — em função do caso de uma cidadã de 38 anos, de seu nome Tine Nys, que foi eutanasiada “a pedido” por sofrimento psicológico devido ao seu divórcio. A família dela alegou que os médicos decidiram matá-la rapidamente, e sem lhe propôr qualquer tratamento.

Em função deste caso, a classe política belga decidiu que a lei teria que ser revista — depois de ter morrido gente!. Para os filhos-de-puta que legalizaram a eutanásia, casos como o de Tine Nys são meros danos colaterais que legitimam a deificação do seu estatuto ontológico elitista.

4/ Basta que consideremos a experiência e os factos decorrentes das leis da eutanásia na Holanda e na Bélgica — em que já matam pessoas que não pediram para morrer — para que não tenhamos qualquer dúvida de classificar os subscritores do dito manifesto como um grupo de filhos-de-putas (incluindo o Rui Rio).

Obviamente que esses sociopatas irão dizer que “em Portugal será diferente da Bélgica e da Holanda” — como se a filha-da-putice portuguesa se distinguisse da dos seus congéneres holandeses ou belgas. E vão dizer que “a recusa da eutanásia é matéria religiosa”, como se a experiência laica da lei da eutanásia naqueles dois países supracitados pudesse sustentar um argumento tão miserável quanto esse.

eutanasia-cadeiras

5/ A defesa da eutanásia é uma manifestação pura de utilitarismo, de recusa de se gastar dinheiro com a protecção e preservação dos mais fracos. Por isso é que os subscritores daquele manifesto são uma plêiade de filhos-de-puta.

Em vez da eutanásia — cujo corolário lógico se pode verificar através do que se passa hoje na Holanda e na Bélgica —, a sociedade deve investir dinheiro em cuidados de saúde, em geral, e nos cuidados paliativos em particular. E os psicopatas que assinaram aquele manifesto devem ser monitorizados cuidadosamente pela sociedade.

Anúncios

Deixe um Comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.