perspectivas

Sábado, 6 Fevereiro 2016

Os defensores da eutanásia deveriam imediatamente eutanasiados

 

A mesma elite política que legalizou o "casamento" gay e a adopção de crianças por pares de invertidos à revelia da vontade do povo português, irá certamente legalizar a eutanásia.

Estamos perante a adopção da filosofia da “República” de Platão, em que uma elite se arroga no direito de definir o destino de toda a sociedade sem a consultar.

Quaisquer argumentos racionais contra a legalização da eutanásia, não irão adiantar absolutamente nada, porque a decisão já foi tomada nas lojas maçónicas e nas sedes dos partidos políticos jacobinos. O parlamento português está sitiado e condicionado; a classe política está controlada. O debate está inquinado à partida, e qualquer discussão pública sobre o assunto é prolixa.

Das duas, uma: ou o povo baixa os braços; ou reage com violência física — por exemplo, dando à Paula Teixeira da Cruz, desde já, a eutanásia que ela defende. Todos os defensores da eutanásia deveriam imediatamente eutanasiados, para que a sociedade possa manter a sua salubridade ética e cultural.

11 comentários »

  1. Tenho seguido este blog e lido com cuidado o que publicam, mas desta vez precisavam de ter sido menos sensacionalistas, quer no título quer na incrível frase que escolheram destacar a negrito, misturando águas e subitamente mostrando a vossa opinião sobre assuntos que dizem respeito a liberdade, igualdade e dignidade humana. Se vão falar de elites, maçonaria, governos condicionados, falem! Não misturam água e azeite, porque não resulta. Cuidado que eles têm opinião: vocês têm e escrevem para pessoas com opinião. Lembrem-se disso. Reportei o post.

    Comentar por Gonçalo Julião — Sábado, 6 Fevereiro 2016 @ 12:39 pm | Responder

    • Você não considerou nem comentou a verdade ou a falsidade do conteúdo do verbete. Apenas se preocupou com a censura do dito, o que me dá razão: você faz parte da minoria que quer impôr à sociedade uma determinada agenda política à revelia do povo.

      Quando uma minoria se arroga no direito de ditar unilateral- e coercivamente as leis que regem a sociedade, só resta ao povo tomar a justiça pelas suas próprias mãos.

      Reitero aquilo que escrevi. Não retiro nem uma letra.

      Comentar por O. Braga — Sábado, 6 Fevereiro 2016 @ 12:50 pm | Responder

      • Faça o favor de fazer. A revelia do povo português? Ou a sua opinião contrária? O presente Presidente da República foi eleito, mas não fui eu que o pus lá. Afirmo que deva morrer? Não. A sua insensatez é o pior, nem é a sua opinião, que tem e deve ter e faz o que quiser com ela. Não tente agora virar a mesa acusando-me de ser uma elite de alguma coisa contra os interesses de uma população que não o representa. Eu também quero muita coisa, não vejo publicar no worpress mais lixo inconsequente. Quando à verdade ou falsidade do lixo de verbete que publicou: sim, este país cheio de mentiras é controlado, e bem. O que está ou vai o senhor fazer para alterar isso? Ser o comandante do batalhão que derrubará o governo pela força, como os Nazis na Europa de Leste? Não lhe tenho simpatia nenhuma por ter opinião, se não sabe usá-la. Replique o que quiser, no fundo desta questão vem a sua débil análise. Bom dia.

        Comentar por Gonçalo Julião — Sábado, 6 Fevereiro 2016 @ 12:59 pm

  2. ¿Houve algum referendo acerca do “casamento” gay?

    ¿Houve algum referendo acerca da adopção de crianças por pares de invertidos?

    ¿Qual é a legitimidade democrática dessa escumalha para legislar em matéria de costumes sem consulta popular? Será que eles se consideram “deuses”?

    Perante a tirania autocrática, há dois caminhos: ou baixar os braços, ou tomar medidas drásticas. Você, escolha o seu. Parece que você escolheu baixar os braços, por razões inconfessáveis talvez.

    Perante factos, você abriga-se na retórica da “paz dos escravos”.

    Comentar por O. Braga — Sábado, 6 Fevereiro 2016 @ 1:07 pm | Responder

    • Sou bem confessado naquilo em que acredito e não me escondo por nada, deixo-o para os que falam na tasca e na verdade nada fazem. Não se envergonhe.
      Não baixo os braços quanto à justiça, e concordo que não nos é dada a hipótese de participar na tomada de decisões. Por outro lado, os costumes não têm nada que interferir. Costumes, os que nos ditaram a religião e os tempos de medos inconcebíveis à modernidade, são para o senhor e quem os quiser os manter. De certo que há alguma lei ou aprovação do que quer que seja que lhe serviu bem e se esqueceu de apontar. O seu mal é ser parcial. A sua paz descansa na privação de paz dos outros. Ponha-se no lugar da humildade e não da de me apontar ou a mim ou alguém mais lugares comuns como a paz dos escravos, porque eu não como do seu pão, caro senhor, e de certeza que dorme descansado à noite na sua selecta ignorância. Retórica não é para quem quer manipular, é para quem quer debater. Se quer tomar medidas drásticas, enfrente a opinião pública.

      Comentar por Gonçalo Julião — Sábado, 6 Fevereiro 2016 @ 1:23 pm | Responder

      • Quando você entra pelo ataque ad Hominem revela aos leitores a sua verdadeira natureza; ela fala por si; não são necessários mais considerandos.

        Você é contra os costumes, desde que estes não se coadunem com a sua ideia de “costume”. A sua ideia de “costume” é boa!; acontece que, nalguns casos, há costumes maus que são aqueles com os quais você não concorda. E são os costumes com que você não concorda que devem ser erradicados.

        Esse não acordo, da sua parte, não é fundamentado racionalmente: faz parte da moda, do espírito do tempo; fica bem!

        Você não consegue separar a ética (filosofia), por um lado, da religião, por outro lado — e de certa forma você tem razão: você não faz a mínima ideia do que é ética, senão daquilo que lê nos pasquins do sistema político vigente.

        Quando eu defendo referendos, você acusa-me de ser parcial. Você é o dono da democracia, tal como a escumalha que você defende. Les bons esprits se rencontrent…

        Se você quer ser escravo — ou se quer a escravidão para os outros —, é problema seu. Não se revolte contra quem não quer ser escravo.

        Comentar por O. Braga — Sábado, 6 Fevereiro 2016 @ 1:37 pm

      • Mais um peixe, mais sal da terra.

        Comentar por Gonçalo Julião — Sábado, 6 Fevereiro 2016 @ 1:41 pm

      • Como diz o Dr.Michael Savage “liberalism is a mental disorder”: o esquerdismo é uma doença mental. Um homem sábio definiu inferno como um lugar onde não existe raciocínio, com os seus comentários ilógicos você acabou por arrastar o Sr.Orlando até ao inferno.

        Comentar por Eu Mesmo — Sábado, 6 Fevereiro 2016 @ 5:20 pm

      • Caro amigo: ele nem sequer leu tudo o que eu escrevi no verbete! Só lhe interessou ler uma parte.

        Comentar por O. Braga — Sábado, 6 Fevereiro 2016 @ 5:25 pm

  3. No pasarán !

    Comentar por O. Braga — Sábado, 6 Fevereiro 2016 @ 1:46 pm | Responder

  4. De acordo !

    Comentar por vileite — Domingo, 21 Fevereiro 2016 @ 7:50 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

site na WordPress.com.