perspectivas

Quarta-feira, 23 Setembro 2015

Aqui não concordo com Olavo de Carvalho

Filed under: ética,Política,politicamente correcto — O. Braga @ 11:53 am
Tags:

 

“Já expliquei mil vezes: NUNCA critiquem alguém por ser homossexual. Nem por ser adúltero, masturbador, sado-masoquista ou qualquer outra coisa pelo género. Isso é moralmente errado, legalmente punível e politicamente um tiro no pé.

Você pode dizer, como eu mesmo digo, mil coisas horríveis contra o movimento gayzista, mas nunca ataque pessoas pela sua conduta sexual. Sobretudo não faça isso dando a impressão de falar em meu nome. Eu NUNCA fiz nem faria nem poderia aprovar ataques desse tipo.”

Olavo de Carvalho

oc-gayzismo

Um pedófilo é enviado para a cadeia. A pedofilia é também uma “conduta sexual”; é ilegal, mas nada nos garante que não passe a ser legal. Seguindo o raciocínio do Olavo de Carvalho, é moralmente errado criticar o comportamento sexual do referido pedófilo: podemos criticar a pedofilia, mas não a conduta do pedófilo. Esta é, aliás, a tese do “papa Francisco” contra S. Paulo.

Ora, o conceito de “pedofilia” não existe em abstracto: não existe pedofilia sem pedófilos. Os pedófilos são concretos, reais; a pedofilia é um conceito que se baseia no comportamento sexual (em geral) dos pedófilos. E segue-se que se não criticamos os pedófilos, também não é possível criticar a pedofilia.

O que Olavo de Carvalho propõe é uma espécie de suspensão de juízo moral em relação ao comportamento sexual, por um lado, e por outro lado a redução da crítica social à política: “¿Crítica ao movimento político gayzista? Sim! ¿Crítica ao comportamento sexual de um indivíduo? Não!”. Ou seja, Olavo de Carvalho, como aliás a maioria das pessoas, coloca a política antes da ética; a prioridade é política.

A redução da ética à política — assim como a redução da política à economia, que também está na moda — é um erro.

Em ética, “criticar” não é a mesma coisa que “condenar”. “Crítica” vem do grego Krinein, que significa “discernir”, “seleccionar”.

Uma coisa é “criticar”, outra coisa, bem diferente, é “xingar”. Uma crítica é sempre racional e é uma análise de fundamentos. Quando criticamos, por exemplo, o comportamento sexual de um determinado pedófilo, utilizamos argumentos racionais. Proibir a crítica moral individualizada é proibir a moral — o que é uma impossibilidade: a proibição da crítica moral extensível ao indivíduo é uma Moral em si mesma; em ética, não existe neutralidade.

Foi o que fez S. Paulo: « passiones ignominiae », « usum contra naturam » et « turpitudinem operantes » (Romanos 1, 26-27). S. Paulo fez uma crítica, não ao movimento político gayzista (que não existia naquela época), mas uma crítica moral a um determinado comportamento sexual, crítica essa que era logicamente extensível a todas as pessoas (indivíduos) que tinham esse comportamento.

7 comentários »

  1. Às vezes desconfio que esta página do Olavo seja administrada por terceiros, outras, que o nobre filósofo esteja ficando senil. Há algum tempo, Olavo tornou-se viral quando atacou Luiz Mott, um pederasta que se gabava, dentre outras perversões, de ter feito sexo com 500 homens: http://zip.net/bnr3TB

    Gostar

    Comentar por Giovani Marinho — Quinta-feira, 24 Setembro 2015 @ 1:18 am | Responder

    • A estratégia de Olavo de Carvalho mudou, porque a situação política no Brasil mudou. Não tem nada a ver com “senilidade”. Olavo de Carvalho teve uma formação hegeliana e “joga” em dialéctica. Ora, é essa redução da ética à política que é própria de um político, e não de um filósofo.

      Gostar

      Comentar por O. Braga — Quinta-feira, 24 Setembro 2015 @ 11:10 am | Responder

  2. Olha mais num tipico pensador metonímico de dois neurônios. pró ou contra.
    Onde no texto onde o Olavo fala que temos que combater o gayzismo esse panaca não entendeu? Claro que Luiz Mott não se encaixa porque ele não é um mero homossexual, mas um gayzista militante, e quanto aos pedófilos, a pedofilia é crime, ao contrário do homossexualismo entre adultos. Onde ele se refere á pedofilia? Ou foi voce quem introduziu no texto dele?
    Putz mas como tem idiotas neste mundo!

    Gostar

    Comentar por Andre Chilano — Quinta-feira, 24 Setembro 2015 @ 8:38 am | Responder

    • O André Chilano faz lembrar os marxistas: entra com ad Hominem, porque pensa que insultando “tomaticamente” tem razão.

      A pedofilia é crime, mas não é isso que está em análise (falácia do espantalho): o que está em questão é a “conduta sexual” desviante de um qualquer indivíduo que, neste caso, é pedófilo.

      Em algumas sociedades islâmicas, a pedofilia não é crime; e a pederastia ou efebofilia não foi sempre crime. Portanto, não é a lei do Direito Positivo que está em causa: o Direito Positivo pode não obedecer a princípios éticos basilares, como aconteceu por exemplo com o nazismo.

      Da próxima vez que você insulte e descure a argumentação racional, não volta a comentar aqui.

      Gostar

      Comentar por O. Braga — Quinta-feira, 24 Setembro 2015 @ 11:25 am | Responder

    • Onde foi que eu comentei especificamente o texto do Olavo? Eu comentei sobre a mudança de comportamento que ele vem apresentando nos últimos tempos, que segundo o blogueiro, trata-se de “uma postura estratégica etc.”.
      Sobre a pedofilia, pensei que citar o nome de Mott fosse o bastante, já que é quase impossível apartar a pedofilia de seu nome; o termo “dentre outras perversões” faz alusão a isto, Luiz Mott foi autor e defensor ardente do projeto de Lei “Pedofilia Já”, e seu “Museu de Arte Erótica” é um grande apelo à pedofilia, das mais depravadas.
      Sobre a idiotice e os números de neurônios …me perdoe o blogueiro por rebaixar seu blog a condição de “réplica de post facebookiano”: eu estudei Física, mas isto não me transforma em Faraday, assim como, as aulas do Olavo não o transformarão num mestre das ofensas filosóficas. Olavo é como um mestre de Kung fu, que sabe o ponto certo onde bater, sair por ai como um adolescente de “Karatê Kid” a distribuir “idiota” em qualquer um que encontra na esquina só faz envergonhar seu mestre, francamente… A propósito, idiotice, na atualidade, é pôr seus dados pessoais em perfis de facebook…

      Gostar

      Comentar por Giovani Marinho — Sexta-feira, 25 Setembro 2015 @ 1:52 am | Responder

  3. […] Alguém colocou o seguinte comentário sobre um verbete que aborda uma opinião de Olavo de Carvalho: […]

    Gostar

    Pingback por A diabolização da metonímia | perspectivas — Domingo, 27 Setembro 2015 @ 9:00 am | Responder

  4. O. Braga, não sei se entendi bem mas acho que você fez uma pequena confusão quando disse que o Olavo fala para não criticar o comportamento sexual mas criticar o homossexualismo. A verdade é que ele NUNCA disse isso até onde eu sei, o que ele diz é para criticar o “gayzismo” que é um movimento político que, baseado na luta de classes marxista, coopta homossexuais e os usa politicamente, fingindo ser defensor do homossexualismo mesmo sabendo que o comunismo é contra homossexuais e já prendeu, torturou e assassinou muitos.

    Gostar

    Comentar por Ricardo De Almeida — Quarta-feira, 30 Dezembro 2015 @ 12:49 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: