perspectivas

Sexta-feira, 13 Março 2015

O maniqueísmo do Partido Socialista e do Partido Social Democrata acerca dos pobres e reformados

Filed under: Política,Portugal — O. Braga @ 12:41 pm
Tags: ,

 

Vamos tentar analisar este texto (aqui, em PDF).

Diz-se, no texto, que é preferível a ajuda em géneros (comida) aos pobres e reformados (defendida pelo Partido Social Democrata de Passos Coelho, e aparentemente também pelo CDS/PP de Paulo Portas), do que a ajuda através de prestações pecuniárias (em dinheiro), dadas aos mesmos pobres e reformados, pela SS (Segurança Social) — posição esta defendida pelo Partido Socialista de António Costa.

A posição do Partido Social Democrata é a de que a ajuda em géneros (comida) é mais justa e mais protectora dos pobres e reformados, quando comparada com a posição do Partido Socialista — em um contexto de gestão da pobreza que, alegadamente, decorre de escassez de recursos financeiros do país.

Ambas as posições partem do princípio de que pobreza é sinónimo de miséria, no sentido em que o pobre é aquele que vive apenas para não passar fome; nenhuma das posições reconhece ao cidadão (neste caso pobre e/ou reformado) qualquer potencialidade que possa ser útil à sociedade. Em ambas as posições, o pobre ou/e reformado é tratado como algo que poderia perfeitamente ser dispensável pela sociedade, como uma espécie de “imobilizado” contabilístico cuja despesa poderia ter sido evitada.

 

trabalho_comunitario

Eu, que tento seguir os conceitos da Doutrina Social da Igreja Católica, vejo o problema de outra maneira: as ajudas aos pobres e/ou reformados são positivas, mas estes não devem ser concebidos como um imobilizado contabilístico: é preciso que as ajudas, tanto em géneros como em dinheiro, confiram ao pobre uma dignidade enquanto pessoa.

É preciso que as pessoas que recebem essas ajudas (géneros e dinheiro) possam sentir-se gratificadas com qualquer contributo concreto que possam dar à  sociedade, no sentido em que se sintam “úteis” (no bom sentido da palavra) à  comunidade.

trabalho_comunitario-2É preciso pôr os Centros de Emprego e a SS (Segurança Social) a trabalhar (aquela gente trabalha pouco); é preciso maior criatividade por parte da máquina do Estado, no sentido em que, por exemplo, um reformado pobre possa dar, segundo as suas possibilidades específicas e características individuais, um qualquer contributo para a comunidade que justifique não só a ajuda em géneros, mas também a ajuda pecuniária do Estado (as duas coisas juntas).

Quando um pobre ou reformado contribui — de qualquer modo e à  sua medida — para a sociedade, passa a merecer não só a ajuda em géneros (do Partido Social Democrata) mas também a ajuda pecuniária (do Partido Socialista). Acaba-se assim com a dicotomia maniqueísta do utilitarismo do Partido Socialista e do Partido Social Democrata.

O que é preciso é colocar o Estado  lisboeta a trabalhar no sentido de identificar as possibilidades de  contributo individuais de trabalho comunitário dos pobres e reformados. 

Nota: por esta dicotomia maniqueísta e utilitarista se pode ver que estes dois partidos políticos não servem, e têm sido a desgraça do nosso país.

Anúncios

2 comentários »

  1. Tire-se o Estado da assistência social. A Cáritas (e as outras organizações religiosas) fazem mais com menos. E melhor.

    E evitam-se pobres crónicos com BMW.

    Gostar

    Comentar por Francisco Miguel Colaço — Sábado, 14 Março 2015 @ 9:26 pm | Responder

    • O meu ponto não é esse; não é o de quem faz mais ou menos, até porque fazer mais ou menos depende de uma boa ou má organização. Se o Estado estiver bem organizado também faz muita coisa bem feita (veja-se, por mau exemplo, a organização do Estado nazi, que foi diabolicamente eficiente).

      A ideia segundo a qual o Estado gere sempre — sublinho: sempre — pior do que o privado é um sofisma também ele politicamente correcto.

      O meu ponto é que os pobres e reformados não devem ser tratados todos da mesma maneira. Ele há pobres e reformados, e pobres e reformados. Não são todos iguais. Não têm que encaixar todos em uma mesma categoria ou classificação.

      Se um indivíduo que se encontra em uma situação de pobreza pode retribuir, com algum trabalho útil à sociedade, os apoios que recebe do Estado, não sei por que razão não o deva fazer em troca de apoio em géneros (Partido Social Democrata) e apoio pecuniário (Partido Socialista). Não sei por que razão há-de ser uma coisa ou outra, e não uma coisa e outra.

      Não temos que tratar os pobres e reformados todos da mesma forma, como se fossem párias da sociedade.

      Gostar

      Comentar por O. Braga — Domingo, 15 Março 2015 @ 1:04 am | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: