perspectivas

Quarta-feira, 21 Janeiro 2015

O nominalismo e o delírio

Filed under: ética,filosofia,Política,politicamente correcto,Portugal — O. Braga @ 4:33 pm
Tags:

 

nominalismo

O nominalismo é uma teoria segunda a qual “nada há de universal no mundo para além das denominações, porque as coisas nomeadas são todas individuais e singulares”. O nominalismo nega a existência dos géneros e das espécies que, alegadamente, não existiriam senão em nome.

Ou seja, o nominalismo defende a ideia segundo a qual as coisas ou objectos da experiência não têm realidade intrínseca fora da linguagem que as descreve. Se eu quiser afirmar que “uma baleia é um cão”, esta minha afirmação é legítima — segundo o nominalismo — porque os dois objectos (a baleia e o cão) não têm realidade intrínseca fora da linguagem que utilizemos. Por isso, para o nominalismo, uma baleia pode perfeitamente ser um cão.

O nominalismo está mais próximo do idealismo moderno (Fichte, Hegel, etc.) do que do racionalismo kantiano, e opõe-se totalmente ao platonismo. Outra característica do nominalismo é a de que tem uma grande dificuldade em reconhecer a noção de juízo universal — o que é uma das características do politicamente correcto.

O politicamente correcto é a expressão máxima possível do nominalismo: a verdade, entendida em si mesma, não existe: a verdade é criada pelo ser humano ao sabor das modas de cada tempo. Para o nominalismo só existem “situações particulares”, e por isso não existe nem bem nem mal, não existe ordem, não existe civilização, não existe natureza humana, nem verdade universal: apenas existe a “necessidade” de alguma coisa.

A realidade concreta não só não existe, como é produto de pura convenção. A realidade inteira é reduzida a uma “construção” arbitrária humana; as ideias não têm qualquer carácter durável e universal: o nominalismo recusa aceitar a intersubjectividade que subjaz ao universal, e reduz todo e qualquer aspecto da realidade a um qualquer signo convencionado (a um nome) que pode ter outro nome diferente já amanhã.

A realidade é vista de uma forma fragmentada, mas essa fragmentação da realidade é intencional — não decorre da natural dificuldade da definição de “realidade”. Aliás, o nominalismo detesta definições; a pior coisa que se pode fazer em relação ao nominalismo é definir o que quer que seja. Não existe “natureza humana” enquanto tal; não existem instituições sociais; não existe ordem política no sentido intersubjectivo e universal; a política está atomizada: o ser humano é um átomo. Não existe verdade política, mas apenas uma corrente da História que não é outra coisa senão “a modificação constante da natureza humana”.

Quando vemos aquela notícia em epígrafe, temos um resumo do nominalismo. Uma imagem vale mais do que mil palavras.

11 comentários »

  1. […] primeira vez na história da Igreja católica temos um papa que defende claramente o nominalismo. O tipo de linguagem deste papa não se distingue da de Francisco […]

    Gostar

    Pingback por A linguagem politicamente radical do papa Bergoglio | perspectivas — Sexta-feira, 23 Janeiro 2015 @ 7:21 pm | Responder

  2. […] primeira vez na história da Igreja católica temos um papa que defende claramente o nominalismo. O tipo de linguagem deste papa não se distingue da de Francisco […]

    Gostar

    Pingback por A linguagem politicamente radical do papa Bergoglio | Bordoadas — Sexta-feira, 23 Janeiro 2015 @ 7:22 pm | Responder

  3. […] aceitar a categoria universal de ser humano — o que não significa que se tenha que ceder ao nominalismo que o papa Bergoglio adopta em nome de […]

    Gostar

    Pingback por O papa Bergoglio considera-se acima de Jesus Cristo | perspectivas — Quarta-feira, 28 Janeiro 2015 @ 1:36 pm | Responder

  4. […] aceitar a categoria universal de ser humano — o que não significa que se tenha que ceder ao nominalismo que o papa Bergoglio adopta em nome de […]

    Gostar

    Pingback por O papa Bergoglio considera-se acima de Jesus Cristo | Bordoadas — Quarta-feira, 28 Janeiro 2015 @ 1:37 pm | Responder

  5. […] os universais, Avicena tem um conceito que destrói o nominalismo: os universais são simultaneamente antes das coisas, nas coisas, e depois das coisas; são antes […]

    Gostar

    Pingback por A Forma: Platão, Aristóteles e Avicena | Bordoadas — Sexta-feira, 1 Maio 2015 @ 6:26 pm | Responder

  6. […] os universais, Avicena tem um conceito que destrói o nominalismo: os universais são simultaneamente antes das coisas, nas coisas, e depois das coisas; são antes […]

    Gostar

    Pingback por A Forma: Platão, Aristóteles e Avicena | perspectivas — Sexta-feira, 1 Maio 2015 @ 6:26 pm | Responder

  7. […] Galvão é a de que propositadamente destrói a noção de juízo universal: é um caso extremo de nominalismo, embora consciente. Ora, um caso extremo de nominalismo é desprovido de lógica, porque a lógica […]

    Gostar

    Pingback por Pedro Galvão e o aborto | Bordoadas — Terça-feira, 5 Maio 2015 @ 12:44 pm | Responder

  8. […] Galvão é a de que propositadamente destrói a noção de juízo universal: é um caso extremo de nominalismo, embora consciente. Ora, um caso extremo de nominalismo é desprovido de lógica, porque a lógica […]

    Gostar

    Pingback por Pedro Galvão e o aborto | perspectivas — Terça-feira, 5 Maio 2015 @ 12:45 pm | Responder

  9. […] o nominalismo é uma forma de ver o mundo segundo a qual este é compreendido como sendo composto exclusivamente […]

    Gostar

    Pingback por Por detrás do nominalismo radical “de género” do Bloco de Esquerda está uma religião política totalitária | Bordoadas — Quinta-feira, 14 Maio 2015 @ 11:59 am | Responder

  10. […] o nominalismo é uma forma de ver o mundo segundo a qual este é compreendido como sendo composto exclusivamente […]

    Gostar

    Pingback por Por detrás do nominalismo radical “de género” do Bloco de Esquerda está uma religião política totalitária | perspectivas — Quinta-feira, 14 Maio 2015 @ 11:59 am | Responder

  11. […] enorme. Atribuir ao “conservadorismo clássico” (o que quer que isto signifique) a adopção do nominalismo como mundividência, é o contrário da […]

    Gostar

    Pingback por O nominalismo do Quim | perspectivas — Domingo, 22 Novembro 2015 @ 9:15 am | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: