perspectivas

Sábado, 31 Agosto 2013

A piropofobia da Adriana Lopera e a psicologia do piropo

O jornal Púbico publica algumas frases de Adriana Lopera, a piropófoba do Bloco de Esquerda , como segue:

“O assédio verbal é uma frase que um homem diz a uma mulher no espaço público, na rua. Por exemplo, num metro cheio, ninguém diz nada porque sabe que está a fazer algo de errado. O piropo, algo bonito, que um amigo ou um companheiro nos diz baseia-se numa relação humana“,

“Está a falar do nosso corpo, da nossa estrutura física, é sobre nós, vindo de um estranho e nós não pedimos opinião. Isso é agressão verbal“.

Há pessoas muito amargas e amargadas pela vida, e não há nada mais a fazer senão tentar compreender essa amargura. Parece ser este também o caso de Adriana Lopera, feminista encardida do Bloco de Esquerda. Vamos desconstruir os seus (dela) pseudo-argumentos.

1/ O piropo é um fenómeno de grupo (masculino ou feminino).piropo-masculino-300-web.jpg

É raríssimo vermos um piropo vindo de um homem isolado em relação a uma mulher (a não ser que ele seja um tarado sexual). Por isso é que no Metro, onde normalmente as pessoas viajam sós, é raro ouvir um piropo. Mas se entrar um grupo animado de jovens homens no Metro, o piropo pode acontecer a qualquer momento, se for caso disso.

O mesmo acontece com grupos de mulheres. Quando em grupo, não é tão invulgar como se possa pensar que aconteça um piropo feminino em relação a um homem. A diferença é que o piropo feminino é mais dissimulado e indirecto; mas eu próprio já fui testemunha de piropos de mulheres em grupo em relação a homens “estranhos”.

2/ Sobre o argumento do “assédio”.

“Assédio” significa (segundo o dicionário): “cerco”; “sítio”; em sentido figurado: “insistência”, “importunar”.

Se o dicionário está certo – e a Adriana Lopera não o quiser alterar através do Bloco de Esquerda -, um piropo não é um “cerco” a uma pessoa, nem “sitia” alguém, porque é apenas uma frase passageira que se diz e não passa disso mesmo; o piropo não é “insistente” porque é passageiro. E só “importuna” quem tem um trauma psicológico qualquer.

Naturalmente que há piropos “baixos”, que utilizam calão ou mesmo linguagem obscena; mas neste caso não é legítimo que se condene o piropo em si mesmo, mas antes que se critique a má educação da pessoa que o profere. O piropo não tem culpa de existirem pessoas mal educadas.

3/ O argumento do “corpo é meu, ninguém tem nada a ver com isso e estou a ser agredida verbalmente”.piropo-mulher-300-web.jpg

É um contra-senso que se diga que a expressão de uma opinião sobre o Belo possa ser uma agressão verbal. Essa opinião pode ser menos ou mais polida e civilizada, dependendo da pessoa que a emite: mas é um absurdo que se diga dela que é uma agressão.

Um homem é livre de apreciar a beleza numa mulher e de expressar a sua opinião de um modo polido e civilizado (ou vice-versa, de uma mulher em relação a um homem). Dizer a uma mulher, por exemplo, que ela é bonita não é insultuoso: pelo contrário, trata-se de uma valorização estética. Dizer que uma valorização estética – ou um juízo de valor sobre a beleza – é insultuosa, só pode vir de uma pessoa com um arquétipo mental distorcido e retorcido.

4/ O argumento da pessoa “estranha”.

A palavra “estranho” significa, neste contexto, “pessoa desconhecida”, “ser humano que não se conhece pessoalmente”. O facto de não se ter um conhecimento pessoal e directo de determinado ser humano, não significa que esse ser humano não viva na mesma sociedade.

O argumento da “pessoa desconhecida” não deve ser invocado para se evitar uma qualquer interacção social ou comunicacional (desde que seja civilizada) – porque, de outro modo, viveríamos em uma sociedade de robôs. O nosso mundo social não pode ser reduzido ao nosso pequeno grupo de pessoas de confiança pessoal: quem defende esta mundividência e esta forma de convivência social, restrita e restritiva, é de uma tacanhez mental sem medida.

Deixe um Comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: