perspectivas

Quarta-feira, 28 Agosto 2013

O jornal Público e o conceito de “normalidade”

O pasquim Público conta a história da cidadã sérvia Bojana Danilovic (na imagem), que vê o mundo ao contrário (ver ficheiro PDF da notícia). E no fim da notícia, o pasquim arremata com a seguinte frase:

« Segundo o “New York Daily News”, Bojana sofre desta perturbação desde nascença, pelo que é “completamente normal”. “É apenas a forma como vejo o mundo.”»

Bojana-Danilovic-300-web.jpg Ou seja – segundo o pasquim Público que apela para uma autoridade de direito de um outro pasquim – uma pessoa que sofra de uma qualquer perturbação, desde que seja de nascença, é “completamente normal”. Note-se que o pasquim Púbico é conhecido por considerar o comportamento gay “completamente normal” – talvez por seguir o mesmo critério segundo o qual “os gays já nasceram assim”.

“Normal” vem de “norma“, que em latim significa “esquadro”. E norma é toda a regra em relação à qual se pode emitir um juízo de valor. O que é normal está conforme a norma que, por sua vez, é o critério ou o princípio aos quais nos referimos para fazer um juízo de valor. Sem uma norma de uma coisa não possível emitir juízos de valor sobre essa coisa. Uma norma é instituída em referência a uma medida em relação à qual são medidos os desvios.

Sem uma norma não pode existir o anormal; e se o anormal não existe porque tudo é “completamente normal”, então ficamos sem saber como podemos dizer que uma coisa é normal ou não. E se não podemos dizer se uma coisa é normal ou não, então também não podemos dizer que essa coisa é “completamente normal”.

O que jornal púbico quer dizer com a classificação de “completamente normal”, é que um desvio é a norma. E se a norma é o desvio, o desvio passa a ser normal e a norma não existe. E se a norma não existe, tudo passa a ser normal e deixa de existir qualquer possibilidade de medir o mundo porque deixa de existir um qualquer paradigma e tudo passa a ser anomalia.

gauss-curve-web.png

A Curva de Gauss

A “normalidade” é atribuída à norma matemática da curva de Gauss em forma de sino, em cujo interior se situam as maiores probabilidades estatísticas da “normalidade”. Neste contexto, é impossível que seja “normal” aquilo que é “anormal”: é objectivamente impossível que uma anormalidade seja normalizada sem que a noção de normalidade seja erradicada e a curva de Gauss seja mandada às malvas.

Neste caso concreto de Bojana, estamos a falar de uma anomalia genética, e não de um desvio comportamental. Mas nem por isso podemos dizer que a Bojana Danilovic é normal. Quando se trata de uma anomalia genética, a anormalidade não é necessariamente condenável porque não depende da vontade da pessoa que tem essa anomalia – por exemplo, Albert Einstein tinha uma malformação congénita no lóbulo cerebral esquerdo, e nem por isso deixou de ser uma pessoa consentânea com um comportamento normal.

Mas quando se trata de um comportamento anormal, este é quase sempre desviante. E não devemos tentar justificar os nossos comportamentos desviantes invocando uma qualquer putativa malformação congénita – seria como se o assassino dissesse ao juiz: “Eu não tenho culpa de ter assassinado uma pessoa: a culpa é dos meus genes”.

Anúncios

Deixe um Comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.