perspectivas

Quinta-feira, 18 Julho 2013

O Papa Francisco I e as indulgências através do Twitter

Ontem passou uma notícia nos me®dia segundo a qual o Papa Francisco I concedia indulgências a quem seguisse a JMJ pelo Twitter. Veio-me à memória a querela das indulgências do século XVI que alimentou a sanha de Lutero e dos príncipes alemães, embora naquela época a indulgência servisse para sacar dinheiro para construir, por exemplo, a capela Sistina.

O Vaticano já veio corrigir a notícia dos me®dia. Mas corrigiu mal, porque mantém o essencial da concessão das indulgências, acrescentando apenas que o que conta, para receber a indulgência, é que os tuites que o Papa envie do Brasil ou as fotos da JMJ produzam um efeito espiritual autêntico no coração de todos.

Ou seja, para Francisco I, o pecado é subjectivo, e é essa implícita subjectividade do pecado que permite a indulgência “por atacado”. Este Papa não “funciona” na linha de S. Tomás de Aquino e na tradição da influência de Aristóteles na escolástica medieval. Pelo contrário, é um Papa puramente neoplatónico, na linha dos Fraticelli franciscanos da Alta Idade Média, na linha de Bernardo de Claraval, de Abelardo, de Robert Greathead, etc. – ou seja, na linha que mais tarde alimentou ideologicamente o movimento revolucionário.

Deixe um Comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: