perspectivas

Terça-feira, 5 Março 2013

Roger Scruton e a análise do partido conservador inglês

O filósofo inglês Roger Scruton escreve aqui um artigo acerca da tentativa dos conservadores ingleses em reformar o partido conservador, alegadamente para “resolver um problema de imagem em relação ao público pós-moderno”, e “acompanhar a mudança social”. No fundo, o que Roger Scruton critica é a tentativa de transformar o partido conservador inglês em um partido de esquerda, tornando a política inglesa num feudo do pensamento único esquerdista e politicamente correcto.

roger scruton daguerre webOs ideólogos da reforma do partido conservador inglês — tal como acontece aqui com os “submarinos” no CDS/PP de Paulo Portas — colocam a religião de parte e subestimam a soberania do país, ou seja, seguem à letra dois princípios fundamentais da acção política de esquerda. Na cultura antropológica, os “conservadores” ingleses seguem a estratégia política de fractura social, por exemplo, com o apoio ao “casamento” gay. Ou seja, as diferenças fundamentais e tradicionais entre o partido conservador e o partido trabalhista esbatem-se, abrindo espaço político para uma maior radicalização da esquerda inglesa.

Contra a postura dos reformadores do partido conservador, como é o caso, por exemplo, de David Cameron, Roger Scruton identifica o conceito de “modernização” com o conceito de “presentismo”; “modernização”, segundo a cultura intelectual actual, parece significar a eliminação da História e do passado histórico. E se o partido conservador se moderniza segundo este conceito, perderá o seu apoio social e será extinto.

Por outro lado, Scruton constata que o partido conservador não soube lidar com a retórica da igualdade, que caracteriza a esquerda. A retórica da igualdade não tem nada a ver com a verdade na política, mas apenas com sofismas, com a manipulação emocional e com o populismo de esquerda. A retórica da igualdade é a premissa de todo e de qualquer argumento da esquerda. O argumento da igualdade transformou-se na condição de qualquer proposição política de esquerda, a que se juntou a retórica esquerdista da liberdade — sendo que as duas retóricas esquerdistas, a da igualdade e da liberdade, são contraditórias, porque a partir do momento em que a liberdade é efectiva, esta entra em conflito invariavelmente com a igualdade.

A actual retórica política de esquerda é — nas palavras de Scruton — “simples, persuasiva e falsa”: é a prevalência cultural da doxa que Platão denunciou nos sofistas gregos, em detrimento do episteme da teoria do conhecimento que “já não consegue silenciar os gritos da retórica esquerdista do igualitarismo a qualquer custo”. A falácia esquerdista da “soma-zero”, que diz que a razão por que alguns são ricos é porque outros são pobres, já não pode ser destruída pelas teorias económicas da escola austríaca. A retórica sentimental esquerdista e simplista da “compaixão” destrói e corrói o conceito de justiça da lei comum, segundo Burke, e corrompe a defesa de Hegel em relação à família natural e às corporações da sociedade civil. A batalha política actual trava-se entre o sentimento da esquerda e a razão da direita.

Na medida em que modernização se identifica com presentismo, a retórica de esquerda incute no cidadão comum a ideia de Carpe Diem: “o que interessa é viver o dia de hoje, porque amanhã estaremos todos mortos”. Modernizar significa esquecer o passado e ignorar o futuro. “Nenhum de nós pagará pela desbunda dos empréstimos e gastos do Estado e pelos desregramentos na economia, e portanto, vamos gozar o presente porque a morte é certa. E quem vier atrás de nós que feche a porta.” Perante esta retórica esquerdista — diz Scruton —, os conservadores perderam a batalha, porque não têm nenhum argumento, que seja popular, contra ela. Na medida em que a retórica se relaciona com as aparências (doxa) e não com a verdade (episteme), qualquer argumento que contrarie a lógica “carpe Diem” epicurista da esquerda, está condenado ao fracasso.

Em nome da igualdade esquerdista, uma geração inteira de jovens ingleses vulgariza-se e perde qualidade. A modernização identificada com o presentismo e com a retórica carpe Diem, reduziu o nível de poupança das famílias inglesas a quase zero e o aumentou astronomicamente o nível de endividamento das famílias. Há 25 anos, as três profissões mais desejadas pelos jovens ingleses eram as de professor, economista e médico; hoje, as três profissões mais desejadas pelos jovens ingleses são as de futebolista, estrela rock e actor de telenovela. A decadência actual da sociedade inglesa não é uma mera “teoria da conspiração da direita”: antes, baseia-se em factos culturais concretos e em indicadores económicos objectivos e científicos.

Associada à retórica política populista de esquerda, está a desconstrução esquerdista de um ideal de sociedade e da sua ordem, e que dividiu o povo para poder reinar. A História inglesa foi desconstruída e passou a ser uma razão para se ter vergonha de ser inglês. Conclui Scruton que o conservadorismo inglês actual está morto. E concluo eu — e não Scruton — que a Europa, e não só a Inglaterra, está numa encruzilhada entre dois tipos de regimes políticos: ou um totalitarismo europeísta à esquerda que se agiganta a nossos olhos, ou um autoritarismo nacionalista à direita que seja um obstáculo seguro a esse totalitarismo.

2 comentários »

  1. Reblogged this on Filipe Liepkan.

    Gostar

    Comentar por Filipe Liepkan — Terça-feira, 5 Março 2013 @ 2:11 pm | Responder

  2. Análise fabulosa, talvez a melhor que já li.

    Gostar

    Comentar por Marcelo R. Rodrigues — Terça-feira, 5 Março 2013 @ 3:54 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: