perspectivas

Sexta-feira, 30 Novembro 2012

A Suécia e bonecas para os meninos

Top Toy, a maior produtora de brinquedos da Suécia, encarregada da franquia Toys R Us nesse país, viu-se «obrigada» a publicar no seu catálogo publicitário imagens de meninas com brinquedos de armas e meninos com bonecas para não ser acusada de «discriminação de género».

via Famílias Portuguesas: Bonecas para rapazes para «evitar discriminação de género» na Suécia.

O liberalismo de Esquerda — marxismo cultural ou politicamente correcto —, na senda por exemplo de Wilhelm Reich e Herbert Marcuse, argumenta que as distinções sexuais existem porque foram criadas pelo grupo dominante — o homem — como um meio de estabelecer um estatuto de privilégio em relação a um grupo dominado (a mulher). Por isso é que o liberalismo de esquerda diz que as distinções sexuais são construções sociais. Está bem patente aqui não só a noção de “domínio”, do marxismo cultural, como também a noção de “tolerância repressiva” em relação ao “domínio”.

Partindo do princípio de “domínio”, o liberalismo de Esquerda conclui então que o modo de ser masculino é privilegiado e que as mulheres devem, por isso, participar desse modo de ser. É nisto que consiste, grosso modo, a ideologia de género: a admissão subreptícia da superioridade do modo de ser masculino. Existe, portanto, uma contradição insanável na ideologia de género: por um lado, admite-se que o modo de ser masculino é superior ao feminino (o que não é verdade!), e por outro lado, pretende-se combater culturalmente o modo de ser masculino no homem (o que é utopia delirante porque estão a combater a biologia).


Um pedo-psiquiatra honesto pode explicar por que razão este raciocínio é enviesado. O processo de desenvolvimento e de formação da identidade masculina não é igual ao processo de formação da identidade feminina: não é preciso ser-se “freudiano” ou “lacaniano” para se perceber que, sendo o ser humano sexuado (ou seja, produto da união dos dois sexos), deverá renunciar a ser aquilo que é na sua origem: uma união das diferenças dos dois sexos. Ele não encontrará a sua identidade senão identificando-se com aquele que, na origem, é como ele; e renunciando a identificar-se com aquele que não é como ele e que, no entanto, também está na sua origem.

Quando este processo de desenvolvimento da identidade masculina não ocorre ou é truncado, normalmente ouvimos os psiquiatras falar em “complexo de Édipo”, que pressupõe um adulto esquizóide, com uma existência fragmentada, entregue a pulsões, onde o sujeito é uma “máquina desejante” — por outras palavras, um tarado.

Ao contrário da feminilidade, a masculinidade precisa de ser confirmada — porque a masculinidade é um “valor acrescentado” — a todos os níveis da personalidade: psíquico, corporal e espiritual. E isto porque, ao contrário da menina que nasce do corpo de uma mulher e portanto, do mesmo sexo do dela, o menino nasce do corpo de um ser do sexo oposto ao dele (a mulher e mãe).

Talvez não seja por acaso que fenómenos aberrantes como de Anders Behring Breivik começam a aparecer nos países nórdicos. Se queremos dominar a natureza, acabamos sempre por ser derrotados.

4 comentários »

  1. Meu caro Orlando; sem querer suscitar qualquer polémica, gostaria de saber como é possível conciliar na mesma ideologia, o que está neste verbete e o exemplo que publicou sob o título indicado abaixo ?

    ‘Aquela despesa que a bovinotecnia esconde, ou a confusão intencional entre “frugalidade” e “pobreza”
    by O. Braga’

    Gostar

    Comentar por Eduardo Guerra — Sexta-feira, 30 Novembro 2012 @ 12:41 pm | Responder

    • O link para o tal verbete referido acima:

      http://goo.gl/ABcrz

      Pergunto: ¿onde está a contradição — ou contradições — entre o conteúdo ideológico deste verbete, por um lado, e o conteúdo ideológico daquele verbete ( http://goo.gl/ABcrz ), por outro lado?

      Se eu entro em contradição, não me cabe a mim dizer que entrei em contradição: em vez disso, cabe a quem diz que eu entrei em contradição apontar a contradição.

      Porém, sempre vou dizendo que não vislumbro qualquer contradição entre os dois verbetes — o que não significa que eu afirme que seja incólume a contradições: ninguém é.

      Gostar

      Comentar por O. Braga — Sexta-feira, 30 Novembro 2012 @ 1:19 pm | Responder

    • Adenda:

      Outras perguntas: ¿uma pessoa honesta tem que ser necessariamente de Esquerda? ¿Estaline era honesto? ¿Salazar era desonesto? ¿ Estaline, por ser de esquerda, era automaticamente mais honesto do que Salazar que era de direita?

      Um ministro honesto em relação à coisa pública não significa que não esteja errado em outras áreas da política. Salazar morreu pobre, e foi honesto: mas nem por isso podemos afirmar que ele tenha agido correctamente em outras áreas da política.

      Portanto, você não criou polémica nenhuma, como se vê.

      Gostar

      Comentar por O. Braga — Sexta-feira, 30 Novembro 2012 @ 1:26 pm | Responder

  2. […] a insanidade sueca.  Primeiro do blogue União das Famílias Portuguesas e o segundo do blogue Perspectivas. Top Toy, a maior produtora de brinquedos da Suécia, encarregada da franquia Toys R Us nesse […]

    Gostar

    Pingback por Engenharia social sueca | Ensino Dicas - Blog de dicas, Como fazer, O que é — Domingo, 4 Outubro 2015 @ 4:40 am | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s