perspectivas

Domingo, 29 Abril 2012

A ética e a moral não podem ser definidas ou determinadas pela ciência

A ética e a moral não podem ser definidas ou determinadas pela ciência.

A ideia de “responsabilidade moral” reside na experiência subjectiva, enquanto que a ciência só concebe acções determinadas por leis da natureza, e não concebe autonomia, nem sujeito, nem consciência e nem responsabilidade. A noção de “responsabilidade” é não-científica. A ética e a moral pertencem ao domínio da metafísica que se caracteriza pela falta de “bases objectivas” — aqui entendidas no sentido naturalista [naturalismo cientifismo metodológico].

Para tentar contornar esta realidade objectiva e insofismável que consiste no facto de a ciência não poder determinar a ética, a ciência transformou-se, ela própria, em uma forma de metafísica [evolucionismo, naturalismo e neo-ateísmo], para assim poder obter a legitimidade para opinar sobre a ética e sobre a moral. É assim que surgem as “teorias científicas” não refutáveis na sua essência, como por exemplo, a teoria do Multiverso, ou as teorias evolucionistas em geral [por exemplo, a teoria do epifenomenalismo de Thomas Huxley, que ainda hoje subsiste entre os darwinistas, evolucionistas e naturalistas].

Entrando pela metafísica adentro, a ciência — feita por cientistas que são, eles próprios, sujeitos — pretendeu redefinir a ética e a moral segundo princípios deterministas que “varriam” o sujeito, e estabelecendo apenas determinações, leis e estruturas [estruturalismo]. Neste sentido, a ciência pretende ser uma espécie de nova religião [imanente e política], cuja classe dos novos sacerdotes é composta principalmente pela classe dos cientistas.

É este o fundamento do declínio da civilização ocidental e para o qual a própria comunidade científica contribuiu de forma activa [a “traição dos intelectuais”]:

Este naturalismo errado devassou a cultura intelectual do século XX, mas é no dealbar do século XXI que nos deparamos com o auge da “doença da ciência” na cultura antropológica [a criação massiva de zômbis em circulação na nossa sociedade]. Estamos em presença da “traição dos intelectuais” [segundo o conceito de Julien Benda]. Quando o naturalismo [ou cientifismo metodológico] foi erroneamente aplicado ao sujeito [humano], seja por exemplo por Durkheim ou por Freud, iniciou-se todo um processo de degradação humana através da degradação da ética e da moral na sociedade ocidental.

Na medida em que 1) o cientista deve procurar a objectividade; 2) em que a objectividade requer um despojamento de valores; 3) e em que o cientista é um sujeito [um ser humano] e a comunidade científica é composta por seres humanos [sujeitos] — a ciência [e sobretudo as ciências sociais] só muito raramente consegue libertar-se das valorações [éticas] da sua própria camada social, de modo a poder estabelecer uma independência valorativa e objectiva.

Em consequência, surgiu no século XX um fenómeno massivo de “liquidação do sujeito”, imposto por uma elite cientificista e neognóstica [gnosticismo moderno: ver Eric Voegelin], e que se traduziu na emergência das religiões políticas totalitárias [por exemplo, o eugenismo característico dos “progressistas”, evolucionistas e socialistas; o nazismo e o comunismo]. Este processo neognóstico e cientificista de “liquidação do sujeito” levou a uma dissociação mental extrema entre a comunidade científica, e a uma inversão da moral [ver Olavo de Carvalho].

O marxismo é um exemplo dessa dissociação mental extrema e da inversão da moral: por um lado, o marxista liquida a ética e a moral [e também toda a filosofia], classificando-a de “subjectiva” e idealista, ao mesmo tempo que denuncia os tabus tradicionais e históricos; e por outro lado, entrega-se a um excesso ético [por exemplo, o puritanismo de Francisco Louçã] que denuncia toda a oposição e crítica como um embuste, e estabelecendo simultaneamente novos tabus contrapostos aos tabus tradicionais [por exemplo, a substituição do tabu do aborto pelo novo tabu que proíbe as corridas de touros]. O marxismo — que se diz, dele próprio, científico — faz a crítica da moral tradicional de uma forma extremamente moralizante, mas moralmente invertida e até contra-natura.

[este verbete é dedicado aos leitores do blogue Rerum Natura]

9 comentários »

  1. Meu caro. Excelente texto filosófico. Todavia discordo em parte. Antes de mais diferenciar ética de moral. A primeira define-se por uma componente mais racional e científica enquanto a segunda por uma vertente cultural e subjetiva. Admito, concordando consigo então em parte, que a moral não é definida pela ciência. Denoto todavia ainda no seu texto uma ortodoxia de pensamento, que tange a cegueira, quando critica o evolucionismo. As teorias evolucionistas não têm nada de ético, ou moral, puro determinismo, atestado pela descoberta dos genes e do ADN. Sou Cristão, e encaro os Génesis como uma Matéfora. Se concordei plenamente com o teor do texto, perdeu toda a credibilidade quando criticou as teorias evolucionistas. Concordo ainda que no domínio da psique, das questões fraturantes dos nossos tempos, sim, a ciência tornou-se uma arma de arremesso que balança consoante as ideologias. Saudações e que Deus o abençoe.

    Gostar

    Comentar por João Pimentel Ferreira — Sexta-feira, 1 Novembro 2013 @ 8:36 am | Responder

    • 1/

      Por exemplo, em Espinoza, a “Ética” é simultaneamente a exposição de uma moral e um Tratado de metafísica. Na linguagem comum, e para que toda a gente entenda, eu não faço a distinção entre ética e moral. Recordo que isto é um blogue que é lido por gente dos 7 aos 77 anos (como o Tintin ).

      Para se explicar a diferença entre uma coisa e outra, podemos dizer que “a ética está para a moral como a musicologia (e o musicólogo) está para a música”. Mas em termos de blogue, e para não complicar mais aquilo que por si mesmo já é complicado, não faço essa diferença. Portanto, é propositado, e não um lapso.

      2/

      “Denoto todavia ainda no seu texto uma ortodoxia de pensamento, que tange a cegueira, quando critica o evolucionismo.”

      Criticar o evolucionismo não pode ser considerado, por si só, como “cegueira”, a não ser que a condenação da crítica ao evolucionismo seja, em si mesma, uma cegueira e uma forma de afirmação de um novo e moderno dogma.

      “As teorias evolucionistas não têm nada de ético, ou moral, puro determinismo, atestado pela descoberta dos genes e do ADN.”

      Leia um qualquer livro de Richard Dawkins, e depois venha aqui repetir o que você escreveu. Mas repita com honestidade intelectual!.

      Se entendermos a evolução (no sentido de evolucionismo) como o processo mediante o qual o insondável ou Causa Primeira (Deus) se apresenta na dimensão do espaço e do tempo, então, a afirmação de que o espírito, a alma e a razão são produtos da evolução não representa qualquer problema para um espírito inteligente, e nem para o cristão.

      Porém, se a evolução for entendida simplesmente em termos materialistas, a realidade da autoconsciência e do acesso ao domínio das verdades perenes arrebenta com o quadro evolucionário da ciência. Será que me soube explicar?

      Gostar

      Comentar por O. Braga — Sexta-feira, 1 Novembro 2013 @ 9:08 am | Responder

      • ok, mea culpa. Pensei que criticava as teorias evolutivas de Darwin e da evoluçâo através dos primatas, pois como sabe há ainda muita gente que acha que o Homem veio de Adão e Eva. Obviamente que existe um causa Primeira, Deus, que sucedeu há 14 mil milhões de anos, e desde então Ele expande a Sua obra através do Cosmos.

        Gostar

        Comentar por João Pimentel Ferreira — Sexta-feira, 1 Novembro 2013 @ 12:07 pm

  2. Você falou em “teorias evolutivas”. Repito: teorias. ¿O que é uma teoria?

    Para quem não sabe o que é uma teoria, por favor consultar o seguinte sítio:

    http://sofos.wikidot.com/teoria

    Gostar

    Comentar por O. Braga — Sexta-feira, 1 Novembro 2013 @ 2:47 pm | Responder

    • Ok, foi um termo coloquial, referia-me às provas que atestam que a teoria evolucionista é verdadeira.

      Gostar

      Comentar por João Pimentel Ferreira — Sexta-feira, 1 Novembro 2013 @ 3:22 pm | Responder

      • Também existem provas de que o evolucionismo — no sentido de macro-evolução — é uma impossibilidade objectiva. Por favor ler o livro “A Caixa Negra de Darwin”, do bioquímico americano Michael Behe, que está à venda em qualquer boa livraria.

        Gostar

        Comentar por O. Braga — Sexta-feira, 1 Novembro 2013 @ 3:30 pm

    • A metafísica não é o transcendente, é o TODO, o vísivel e o invisível. Se for tão puritano assim na aceitação do que é uma prova como consta no artigo, poderá questionar-se até da sua própria existência. Talvez Decartes tenha resposta.

      Gostar

      Comentar por João Pimentel Ferreira — Sexta-feira, 1 Novembro 2013 @ 3:29 pm | Responder

      • Isso é assunto muito complicado para ser abordado num comentário.

        Gostar

        Comentar por O. Braga — Sexta-feira, 1 Novembro 2013 @ 3:33 pm

  3. […] que a ciência não determina a ética; mas não pode deixar de ser tida em consideração pelos eticistas. Ignorar a ciência é […]

    Gostar

    Pingback por A epigenética e a adopção de crianças por pares de invertidos | perspectivas — Terça-feira, 5 Janeiro 2016 @ 12:07 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma Resposta para João Pimentel Ferreira Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: