perspectivas

Quarta-feira, 28 Março 2012

O descarte da pessoa, isolada, face ao leviatão

Filed under: A vida custa,ética,cultura,globalização,Sociedade — O. Braga @ 8:22 am

“O Homem actual não vive no espaço e no tempo; em vez disso, vive na geometria e nos cronómetros.”
— Nicolás Gómez Dávila

Num dos últimos programas “Avenida da Liberdade” na RTPN, Bagão Félix chamou à atenção para o fenómeno da extrema efemeridade dos acontecimentos, e a tal ponto que factos e eventos de relevo são esquecidos a uma velocidade estonteante. Na década de 70 do século findo, Alvin Toffler já nos tinha precavido deste fenómeno emergente da velocidade dos acontecimentos, mas nunca o americano poderia ter previsto o carácter de extrema radicalidade da vertigem dos factos e, sobretudo, as consequências dessa radicalidade não só para a cultura antropológica e intelectual, mas também e essencialmente para a organização da vida em sociedade.

No seu livro “O Choque do Futuro”, publicado em início da década de 70, Alvin Toffler fez uma comparação que se tornou célebre: a do cidadão actual que faz uma viagem de avião e que, entre aeroportos, se cruza com mais pessoas e em um só dia, do que um aldeão do princípio do século XX em toda a sua vida. Não só os factos se tornaram efémeros na memória, mas as pessoas — que não são factos — tornaram-se descartáveis. Ora, este fenómeno de “descarte da pessoa” não é apenas característico do pós-modernismo: ele teve a sua origem no próprio modernismo com o niilismo ideológico activo das elites, sendo que, com o pós-modernismo, o niilismo activo da elite sofreu um efeito de Trickle-down e transferiu-se para o cidadão anónimo sob a forma de “niilismo cansado”, segundo o conceito de Nietzsche.

“O ruído é uma invenção moderna. O ruído moderno ensurdece a alma.” — Nicolás Gómez Dávila

O cidadão que vivia em comunidade, mesmo nos bairros das grandes cidades há apenas 60 anos, passou a viver em rede social a partir da década de 60, e paulatinamente passou a viver em um quase-anonimato. A família natural tem vindo a ser destruída e os laços familiares tornaram-se efémeros. Com a democracia, a sociedade dividiu-se em uma série de religiões políticas que se opõem, muitas vezes de uma forma irracional e feroz; pais opõem-se a filhos, e irmãos a irmãos; amigos de infância desencontram-se para toda a vida em função de diferenças ideológicas; passamos a viver em uma Babel das Ideias.

O custo da vertigem do tempo subjectivo e da voragem dos factos, é a morte progressiva da sociedade em que vivemos; é a sua destruição por dentro. Naturalmente que ninguém de bom-senso pode pretender voltar atrás no tempo e/ou eliminar o ruído da modernidade; mas podemos combater o descarte da pessoa, equilibrar e racionalizar o nosso tempo subjectivo, voltar à comunidade do bairro através do associativismo activo, das comunidades e instituições da sociedade civil — e fazer com que os acontecimentos passem à velocidade que nós queremos, apesar de sermos por isso criticados pelos apologistas “progressistas” e apocalípticos do trans-humanismo.

Deixe um Comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: