perspectivas

Segunda-feira, 19 Setembro 2011

Caros ateístas: a negação de uma metafísica é sempre uma metafísica!

«1. Só aceito algo como verdadeiro se tiver provas disso.
2. Não é possível provar uma negativa, por isso o ónus é de quem afirma que Deus existe.
3. Não existem provas da existência de Deus.
Logo sou ateu!»

Estas premissas foram escritas em um blogue ateísta conduzido por professores universitários portugueses. Por aqui se pode constatar o grau de indigência intelectual dos professores universitários portugueses e, portanto, da mediocridade do ensino universitário em Portugal.

Do ponto de vista do método científico (positivismo/naturalismo):

Desde quando “não é possível provar uma negativa”?! Ou, traduzindo por outras palavras: desde quando não é possível provar, em ciência e segundo o “método”, que uma teoria é falsa?! O que é necessário, à partida, é que essa teoria seja falsificável (o que não é o caso, por exemplo, do neodarwinismo que é a crença religiosa que os naturalistas professam) — o que é coisa diferente do que afirmar peremptoriamente que “não é possível provar uma negativa”. É claro que se eu afirmo que determinada teoria é falsa, é porque chego a essa conclusão, por via da lógica e do método científico, em função a priori do princípio da falsicabilidade (de Karl Popper).

Do ponto de vista metafísico (filosofia):

A prova empírica é útil ao ser humano para se mover no seu habitat (macrocosmos), mas o empirismo não produz mais nada senão provas empíricas. Ou, melhor dizendo: a prova empírica faz parte do “realismo ingénuo”, segundo o qual acreditamos (trata-se de uma crença) que as coisas existem e são conforme as percepcionamos subjectivamente através dos nossos sentidos.

Karl Popper chamou ao realismo ingénuo a “teoria do balde” que ele refuta: para que seja possível compreender uma percepção sensorial no nosso campo de percepção, esta tem que ser “compreendida” através de uma teoria que já existe na nossa cabeça (Kant tinha razão!), porque a nossa consciência não é uma câmara escura com uma abertura através da qual é reproduzido o “mundo objectivo” — a nossa consciência não é um balde onde os nossos sentidos deitam imagens de objectos.

Com professores universitários destes, para quê gastar dinheiro com o ensino universitário? Começo a concordar com o actual Ministro da Educação: é preciso cortar despesas do Estado através da erradicação da incompetência.

H/T: Neo-Ateísmo, a Treta

Adenda: resposta a isto? [http://www.ateismo.net/2011/09/25/humpty-dumpty/]Aqui!

Adenda 2: Estudo científico indicia que os ateus sofrem de autismo

9 comentários »

  1. cadê o original para as premissas que “foram escritas em um blogue ateísta conduzido por professores universitários portugueses” ?

    ora lê lá outra vez o texto do Jairo…. que comédia

    Gostar

    Comentar por Nuno Dias — Terça-feira, 20 Setembro 2011 @ 12:57 pm | Responder

    • @ Nuno Dias: as premissas estão enunciadas no postal do Jairo Filipe, e para mim é isso que conta, porque acredito que ele fez um resumo das ditas.

      Eu não frequento nem leio nada do tal blogue ateísta: apenas comentei e fiz referência ao bloge do Jairo.

      Gostar

      Comentar por O. Braga — Terça-feira, 20 Setembro 2011 @ 4:30 pm | Responder

  2. Ainda sei ler!

    “Os três pilares da justificação do ateísmo dada por estes “racionais” e “cépticos”, são os seguintes:

    1. Só aceito algo como verdadeiro se tiver provas disso.
    2. Não é possível provar uma negativa, por isso o ónus é de quem afirma que Deus existe.
    3. Não existem provas da existência de Deus.
    Logo sou ateu!”

    http://neoateismoportugues.blogspot.com/2011/09/neo-ateismo-treta.html

    Gostar

    Comentar por O. Braga — Terça-feira, 20 Setembro 2011 @ 4:35 pm | Responder

  3. As premissas são do Jairo. É ele o professor universitário?

    Gostar

    Comentar por Nuno Dias — Terça-feira, 20 Setembro 2011 @ 4:44 pm | Responder

  4. Dias, o Krippahl também disse que eu lhe atribui um argumento que não era o dele. Tem calma. Brevemente sairá um texto mostrando quem está a mentir.

    Gostar

    Comentar por Jairo Filipe — Terça-feira, 20 Setembro 2011 @ 8:36 pm | Responder

  5. É irrelevante se ele mente ou não.
    Discute-se o conteúdo deste post, parece-me claro que houve uma interpretação errada quanto à origem das premissas, portanto, está todo mal.

    Gostar

    Comentar por Nuno Dias — Quarta-feira, 21 Setembro 2011 @ 6:05 pm | Responder

  6. @ Nuno Dias:

    Tens aqui a resposta:

    http://neoateismoportugues.blogspot.com/2011/09/neo-ateismo-treta-parte-ii.html

    (as premissas não estão erradas)

    Gostar

    Comentar por O. Braga — Quinta-feira, 22 Setembro 2011 @ 4:28 pm | Responder

  7. […] escrevi isto e, em resposta, alguém escreveu aquilo em resposta. Porém, uma coisa é certa: a resposta não […]

    Gostar

    Pingback por Diálogo de surdos « perspectivas — Segunda-feira, 26 Setembro 2011 @ 10:31 am | Responder

  8. […] Caros ateístas: a negação de uma metafísica é sempre uma metafísica! […]

    Gostar

    Pingback por O Tratado de Tordesilhas entre a religião e a ciência « perspectivas — Terça-feira, 4 Outubro 2011 @ 12:11 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: