perspectivas

Sexta-feira, 29 Julho 2011

Como identificar um gnóstico moderno de raiz cultural cristã

O gay Morrissey veio dizer que o massacre de Oslo, perpetrado por Anders Behring Breivik, não é nada comparado com o que se passa com a cadeia de restaurantes McDonald’s. Eu também não gosto de fast food, mas somente porque prefiro a cozinha tradicional portuguesa, e porque gosto de comer com tempo e modo.

Vejam as características principais das ideias do cristão gnóstico Marcião (falecido cerca de 160 d.C.), que foram contestadas pela ortodoxia católica do seu tempo.

  • Anti-judaísmo. Marcião considerava que o Deus de Israel (o demiurgo) era inferior ao Deus de Jesus Cristo (o verdadeiro Deus), e portanto, existiriam duas espécies de Deus. (Morrissey é anti-Israel).
  • Existe uma elite humana de “eleitos” ou “pneumáticos”. Esta elite, eleita pelo “verdadeiro Deus”, está destinada à salvação; existe um determinismo no fenómeno de salvação que retira a liberdade ao ser humano, e que decorre do conhecimento (gnose) que esses eleitos têm. Os humanos que não são eleitos, são chamados de “Hílicos” ou seres inferiores (os gnósticos modernos são elitistas).
  • O homem deverá deixar de perpetuar o mundo sensível (opinião partilhada tanto por Morrissey, mas principalmente por Peter Singer): rejeição da procriação (Morrissey é gay), mais conhecido por “encratismo” (fundado por Taciano, morto em 180 d.C.).
  • Rejeição do matrimónio. Marcião defendia o encratismo (gnóstico-cristão) que negava o baptismo a pagãos (homem e mulher, porque naquela altura não existia a cultura gayzista) que fossem casados.
  • O mundo é mau e negativo, porque existe o Mal dentro Humanidade que é preciso extirpar totalmente e construir um paraíso na Terra. “O mundo é tóxico”. Esse paraíso na Terra só é possível para a elite (ou “pneumáticos”).
  • Vegetarianismo. Os gnósticos cristãos eram vegetarianos (Morrissey e Peter Singer também são).

A doutrina de Marcião (designada por “conhecimento” ou “gnose”) constitui a matriz de todo o anti-judaísmo que se desenvolveu na Europa e no Ocidente — e também de todos os esoterismos ulteriores de raiz cristã.


Em contraponto, a ortodoxia católica — nomeadamente através de Atanásio (296-373 d.C.) e Irineu — respondeu com a seguinte tese:

  • O ser humano é livre, e é salvo na sua alma e no seu corpo.
  • A antiga lei judaica do Decálogo mantém-se válida, embora reformulada por Jesus Cristo.
  • O mundo é bom por natureza, e o Deus Criador é o mesmo Deus Salvador. Não se pode opor o homem carnal a Deus, porque “a glória de Deus é o homem vivo” (Irineu, “Contra Heresias”).

Naturalmente que nem Morrissey nem Peter Singer, por exemplo, são cristãos, mas herdaram não só uma cultura cristã, mas também a herança cultural do gnosticismo da antiguidade tardia. É a isto que Eric Voegelin, entre outros, chama de “neognosticismo”. A modernidade é o triunfo do gnosticismo, e a contemporaneidade é o seu apogeu.

Deixe um Comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: