perspectivas

Terça-feira, 21 Setembro 2010

O Big Bang e Stephen Hawking

Filed under: Religare — O. Braga @ 2:05 am
Tags: ,

A noção de que o universo está em expansão é tão certa como a equação de Schrödinger — se é que pode existir alguma coisa certa, a nível da condição humana. E se o universo está em expansão, terá que estar em expansão a partir de alguma coisa; nada se expande sem uma origem ou ponto inicial a partir do qual essa expansão ocorre. Quando se constata que o universo está em expansão, a astrofísica conclui ou deduz o Big Bang. Trata-se de uma dedução primária e básica que não merece grande discussão.

A única coisa com a qual não estou de acordo neste texto de Olavo de Carvalho é quando ele escreve que a teoria do Big Bang não tem um mínimo de credibilidade.

A noção de que a teoria de Big Bang não é credível é compartilhada pelos neo-ateus — como Daniel Dennett, Richard Dawkins, Christopher Hitchens , Sam Harris, etc — que ainda acreditam que o universo é eterno porque sentem que o Big Bang é uma ameaça ao seu ateísmo. Aliás: eles acreditam num universo eterno mas não em um Deus eterno; substituem o Deus eterno pelo universo eterno.

E Stephen Hawking vem exactamente, no seu último livro, fazer “descansar” as consciências dos neo-ateus militantes: afinal, e segundo Stephen Hawking, sendo que é um facto que o universo está em expansão e que o Big Bang é uma pura dedução decorrente da lógica, o Big Bang é, segundo ele, um efeito sem causa.

É exactamente isto, em termos de senso comum e que toda a gente entenda, que Hawking nos diz: “o universo foi causado por si próprio”. Isto significa que o universo não teve uma causa, o que é um absurdo, uma vez que nada nem ninguém pode ser causa de si próprio. O que Stephen Hawking defende no seu livro não é ciência: é pura ideologia cientista.

Por outro lado, e concordando com o neo-ateísmo, alguns sectores da Igreja Católica também acreditam que o nosso universo é eterno (sempre existiu), ou seja, alguns católicos concordam com os neo-ateus neste ponto. A insistência de Olavo de Carvalho em relação à negação do Big Bang pode querer significar a recusa da constatação da física segundo a qual o universo está em expansão — ou seja, o que Olavo de Carvalho pode querer dizer (também por dedução de quem interpreta o que ele escreveu) é que, segundo ele, o universo não está em expansão e que as constatações da física estão erradas, neste particular.

Seja o que for que o Big Bang seja ou deixe de ser, ele decorre da constatação de facto da expansão do universo. Aquilo que é ou foi o Big Bang no seu detalhe e pormenor, torna-se irrelevante: o que interessa saber é que o universo teve um princípio — o que corrobora o mito bíblico da criação.

Eu compreendo a preocupação dos neo-ateus em relação ao Big Bang, mas já não compreendo a aflição dos católicos. A crítica a Stephen Hawking deve ser lógica e filosófica, e não colocando [implicitamente] em causa as verificações da própria física.

Deixe um Comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: