perspectivas

Sexta-feira, 13 Agosto 2010

O movimento de defesa dos “direitos” dos animais e a crescente animalização da sociedade

Propaganda dos 'direitos' dos animais

Eu nunca fui a uma tourada, e raramente vejo uma na TV a não ser que seja “à Antiga Portuguesa”. Portanto, não se pode dizer que eu sofresse alguma coisa se as touradas fossem abolidas. Porém, a simples proibição de alguma coisa que é centenária e faz parte da nossa tradição tem que ser racionalmente fundamentada. Além disso, temos que saber quais são os critérios éticos das pessoas que defendem a proibição das touradas.

O que se está a passar com o movimento de defesa dos “direitos” dos animais é que este movimento se serve da reivindicação do bem-estar dos animais para colocar a vida do ser humano ao mesmo nível da de um touro (por exemplo). O que está por detrás do movimento de defesa dos “direitos” dos animais é uma ideologia eugenista, na linha ideológica de Margaret Sanger e do nazismo. A defesa dos “direitos” dos animais é, de facto, um movimento eugenista encapotado; a defesa dos animais nada mais é que uma forma de branquear uma agenda política que pretende a animalização da sociedade.

Reparem no outdoor à direita: faz sentido comparar os judeus no campo de concentração nazi com as galinhas, fazendo a equiparação e a equivalência de ambas as situações ??? Não dá para ver o tipo de gentalha que anima o movimento de defesa dos “direitos” dos animais ?

Um dos grandes defensores dos “direitos” dos animais é o australiano Peter Singer. No seu livro “Ética Prática”, Singer escreveu que a vida de um recém-nascido tem o mesmo valor da de um peixe. Por isso, escreve Singer, matar um recém-nascido não é assassínio e é tão imoral como esmagar uma lesma. No mesmo livro, Peter Singer escreve que sendo que o ser humano é tão animal como outro qualquer, o sexo entre seres humanos e animais não pode ser considerado como uma ofensa à dignidade humana.

Peter Singer inverteu o princípio do racismo nazi, adoptando o mesmo ódio anti-humano. Diz ele que a crença na dignidade do ser humano é especieísmo, e o especieísmo não é diferente do racismo. E como — continua Singer — o racismo é mau, a crença na dignidade humana também é má. Para Singer, o ser humano não tem mais dignidade do que uma mosca.

A ignorância é uma ajuda preciosa

O argumento do racismo foi também utilizado pelo movimento político gayzista e pela Gaystapo. As feministas radicais também o utilizam. Porém, comparar um ser humano negro a um boi ou a um cavalo, não lembra ao diabo: só pode vir da cabeça de um doente mental.

O que Peter Singer defende é uma forma de nazismo politicamente correcto — um neonazismo que fica bem, cai bem nas elites eugenistas que, o que é pior, se reproduzem.

Na minha opinião, só por defender pública e implicitamente o assassínio de recém-nascidos, Peter Singer deveria ir para a cadeia com julgamento sumário. Mas isso são contas de outro rosário…

Peter Singer é, obviamente, marxista. Mas não é só Peter Singer que faz parte do movimento de defesa dos “direitos” dos animais: os activistas homossexuais e a respectiva Gaystapo, as feministas (lésbicas incluídas) e os activistas pró-aborto, todos eles fazem parte do rol de activistas em prol dos “direitos” dos animais. Todos esses movimentos fazem parte do movimento revolucionário internacional e do marxismo cultural.

E eu, que não apreciava as touradas, passei a tolerá-las.

19 comentários »

  1. É incrível o rumo que as coisas estão a tomar. E é isso aí, vou começar a ver touradas quando houver. Conheces as largadas nos Açores? São de morrer a rir!

    Gostar

    Comentar por Henrique — Sexta-feira, 13 Agosto 2010 @ 9:41 am | Responder

  2. O facto de ser uma prática centenário em nada garante que seja correcta. Mas é possível criar um cenário em que tal é bem visível. Se for encontrado alguem que em casa crie touros e depois lhes espete estacas por diversão e os mate quando os animais já nao aguentarem mais essa homem será vista como um criminoso, mas, quando esse homem faz essa mesma prática num arena com uma plateia para entretenimento da mesma já não o é.

    Gostar

    Comentar por Gabriel Poça — Sexta-feira, 13 Agosto 2010 @ 10:38 am | Responder

    • Gabriel Poça: Em Portugal não se matam touros na arena. O seu comentário não faz nenhum sentido, e exagera como todos os comentários radicais.

      Gostar

      Comentar por O. Braga — Sexta-feira, 13 Agosto 2010 @ 2:21 pm | Responder

  3. Penso que não devemos colocar tudo na mesma baia;

    Matar animais tendo em vista fins alimentícios é uma coisa;

    Matar e fazer sofrer animais para saciar instintos primevos,sádicos e bárbaros é outra coisa totalmente diversa;

    Daí porque vejo as touradas como um resquício de barbárie;

    Um sociopata que se compraz em torturar animais muito provavelmente se regozijará torturando seres humanos também;

    Se não o faz é porque há impedimentos legais para tanto,ao contrário das touradas,que em alguns lugares são permitidas e toleradas;

    Aqui no Brasil havia a “Farra do boi”,que antes era tolerada com base no argumento de que “era uma tradição,fazia parte da cultura do povo”;

    Felizmente hj é proibida.

    Gostar

    Comentar por Odonto — Sexta-feira, 13 Agosto 2010 @ 1:33 pm | Responder

    • @Odonto: Eu não sei o que é a “farra do boi”. O que eu sei é que a tourada em Portugal não permite a morte do touro na arena.

      Quando vc come um bom bife, está a saciar “instintos primevos”. A diferença é que vc não vê o animal sofrer. A dissonância cognitiva é de facto um problema.

      Gostar

      Comentar por O. Braga — Sexta-feira, 13 Agosto 2010 @ 2:27 pm | Responder

  4. “Em Portugal não se matam touros na arena.”

    ==============================================================================================================

    Não falei em matar,falei em torturar

    Gostar

    Comentar por Odonto — Sexta-feira, 13 Agosto 2010 @ 2:53 pm | Responder

    • Vc escreveu:

      Matar e fazer sofrer animais para saciar instintos primevos

      Ver:

      http://goo.gl/yiFW

      A crença nos direitos dos animais é incompatível com a utilização de vestuário de pele ou com a alimentação omnívora. Vc tem que virar vegetariano.

      Os sapatos são feitos de pele de animais. Vc vai ter que arranjar outra solução para o calçado.

      Gostar

      Comentar por O. Braga — Sexta-feira, 13 Agosto 2010 @ 3:01 pm | Responder

  5. Mas O. Braga,comentando sobre o que vc respondeu para mim:

    Não há uma diferença entre matar para comer(sobreviver,enfim)e entre matar para “se divertir”,como é o caso das touradas?

    Isto eu observo como uma gritante diferença entre os dois,embora para vc pareça que dá na mesma(pelo menos é o que eu apreendi do raciocínio exposto por vc)…

    P.S.:a “Farra do boi” ocorria no sul do Brasil,na Semana Santa,em que um boi era largado às ruas e uma multidão corria atrás espancando,chutando,açoitando o animal,até este cansar e eventualmente até morrer

    Gostar

    Comentar por Odonto — Sexta-feira, 13 Agosto 2010 @ 3:03 pm | Responder

  6. Onde escrevi “matar para se divertir”,leia-se “torturar para se divertir”

    Gostar

    Comentar por Odonto — Sexta-feira, 13 Agosto 2010 @ 3:05 pm | Responder

    • 1.A indústria portuguesa da criação do cavalo depende muito das touradas. A raça de cavalos internacionalmente conhecida como o “Lusitano” não existiria na forma apurada se não fossem as touradas.

      2.Repito: em Portugal é proibido por lei, desde o século XVIII, matar o touro na arena.

      3.O movimento de defesa dos animais é niilista e contra a excepcionalidade da vida humana, conforme demonstrei no postal. Segue-se que “o inimigo do meu inimigo, meu amigo é”. Tudo o que servir para combater essa gente, eu apoio.

      4.Pela mesma ordem de ideias, você tinha que proibir as corridas de cavalos, porque estes também sofrem às mãos dos jockeys e servem para divertir.

      5.Uma coisa é uma tradição morrer por si mesma, por falta de adesão popular. Outra coisa é proibir por lei. No que diz respeito às tradições, sou contra a proibição pura e simples. O direito positivo não é nem pode ser considerado como coisa absoluta e como fim em si mesmo.

      Gostar

      Comentar por O. Braga — Sexta-feira, 13 Agosto 2010 @ 3:17 pm | Responder

  7. Bom,acho meio relativizar o assunto ao dizer que matar não pode,mas torturar pode…mas enfim…

    No youtube tem vários vídeos sobre a “Farra do boi”,não achei de bom tom postar aqui,quem tiver curiosidade(espero que apenas curiosidade,não deleite,ehehehe)em assistir,está aí a dica;

    Só pra dizer:não sou ecorradical(acho que aboliram o hífen neste caso)

    Gostar

    Comentar por Odonto — Sexta-feira, 13 Agosto 2010 @ 3:35 pm | Responder

    • “Não há uma diferença entre matar para comer(sobreviver,enfim)e entre matar para “se divertir”,como é o caso das touradas?”

      Se o critério para proibir as touradas é “ver o animal sofrer”, então basta não ver. Sob o ponto de vista ético, não ver o animal sofrer e morrer no matadouro, e não ver o animal sofrer na arena, são equivalentes.

      Gostar

      Comentar por O. Braga — Sexta-feira, 13 Agosto 2010 @ 4:05 pm | Responder

    • Você não pode comparar a farra do boi com uma tourada. Não consta que personalidades como Hemingway ou Picasso tivessem gostado e falado na “farra do boi”.

      Gostar

      Comentar por O. Braga — Sexta-feira, 13 Agosto 2010 @ 4:09 pm | Responder

  8. O.Braga,se não te importa a minha impertinência,me ocorreu uma outra coisa,um outro aspecto que eu gostaria de levar à discussão:

    Tendo a tourada se inspirado, em sua origem,nas diversões das épocas pagãs pré-cristãs,em que os romanos se regozijavam ao atirar seres humanos aos leões,ao criar rinhas entre tigres e leões(muito populares na época,o tigre ganhava na maioria das vezes),não poderíamos dizer que as touradas guardam muito da barbárie pagã pré-cristã?

    O Cristianismo amainou em muito o instinto de barbárie do homem,e permitiu que florescesse a fantástica civilização européia,e por conseguinte,a ocidental

    Eu,como disse,não sou ecorradical,mas como cristão que sou, repudio com veemência as touradas

    Está correto o meu raciocínio?

    Gostar

    Comentar por Odonto — Sexta-feira, 13 Agosto 2010 @ 4:30 pm | Responder

    • O argumento do pré-cristianismo que infere uma atitude anti-cristã, não colhe, porque o próprio Cristianismo foi construído sobre estruturas pagãs. Nem tudo o que é pré-cristão é intrinsecamente negativo; de outro modo, a filosofia grega seria considerada negativa.

      Por outro lado, não podemos confundir o circo romano, que é um fenómeno cultural especificamente romano e não visto em outro lugar, com a lide do touro que se praticava já na Grécia e na Creta da antiguidade clássica.

      Quanto ao resto, repito:

      Se o critério para proibir as touradas é ver o animal sofrer, então basta não ver. Sob o ponto de vista ético, não ver o animal sofrer e morrer no matadouro, e não ver o animal sofrer na arena, são equivalentes.

      O argumento que se diz “contra a diversão bárbara” perde fundamento quando se come um bom bife, a não ser que quem come um bife não sinta prazer no acto.

      Só aceito coerência contra as touradas em uma pessoa que seja 100% vegetariana. De resto, é hipocrisia.

      Gostar

      Comentar por O. Braga — Sexta-feira, 13 Agosto 2010 @ 4:42 pm | Responder

  9. […] postal no seguimento deste. Deixe um […]

    Gostar

    Pingback por Desmontando as anti-touradas com dois ferros « perspectivas — Sexta-feira, 13 Agosto 2010 @ 4:35 pm | Responder

  10. Peter Singer escreve que sendo que o ser humano é tão animal como outro qualquer, o sexo entre seres humanos e animais não pode ser considerado como uma ofensa à dignidade humana.

    «A Sudanese man was forced to take a goat as his “wife”, after he was caught having sex with the animal. The village council of elders ordered the man to pay a dowry of 15,000 Sudanese dinars ($50) to the goat’s owner who had surprised him with his goat. The elders said the man should not be taken to the police, but rather pay a dowry for the goat because he used it as his wife.»

    Gostar

    Comentar por * — Quinta-feira, 7 Abril 2011 @ 9:06 am | Responder

  11. só faltava isto:

    http://www.partidoanimaisnatureza.com

    Gostar

    Comentar por / — Segunda-feira, 18 Abril 2011 @ 6:18 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: