perspectivas

Domingo, 25 Julho 2010

O epifenomenalismo de Ortega y Gasset

« O espiritual não é menos vida que o não-espiritual. » — Ortega y Gasset

Num primeiro momento, Ortega y Gasset considera o pensamento como uma excrescência vital e biológica, ou seja, para ele o cérebro produz o pensamento da mesma forma que o intestino produz os excrementos — segue o princípio do epifenomenalismo de Thomas Huxley. Ortega y Gasset reduz o pensamento de um qualquer ser humano ao estatuto de um peido.

Porém, num segundo momento e na mesma página do livro, Ortega y Gasset contradiz-se:

« A justiça, a verdade, a rectitude moral, a beleza, são coisas que valem por si mesmas, e não só na medida em que são úteis à vida.

Consequentemente, as funções vitais em que estas coisas se produzem, para além do seu valor de utilidade biológica, têm um valor por si. »

Ou seja, Ortega y Gasset reconhece que há “peidos biológicos” e “peidos transcendentais”; os primeiros são os que decorrem das funções vitais biológicas, e os segundos são os que “valem por si” e são “espirituais” — mas ele não explica a razão ou a causa da diferença entre os dois tipos de flatos. Dentro da dimensão dos peidos espirituais, Ortega y Gasset insere o fenómeno da cultura.

A diarreia mental de Ortega y Gasset esteve na base da confusão de Heidegger entre imanência e transcendência, e influenciou — entre outras — a filosofia de Hayek.

No século XIX o epifenomenalismo estava na moda. Reza a História que num simpósio de investigadores da natureza, realizado em Göttingen, Alemanha, em 1854, um fisiólogo presente de seu nome Jabob Moleschott declarou que, “tal como a urina é uma secreção dos rins, assim as nossas ideias são apenas secreções do cérebro”. Perante isto, o conhecido filósofo Hermann Lotze levantou-se, e disse que “ao ouvir tais ideias do meu colega conferencista, quase acreditei que ele tinha razão…”

Porém, Ortega y Gasset deve ser desculpado porque no tempo em que escreveu isto (1921) ainda não se sabia que quando uma onda quântica — que não tem massa, e portanto, não é matéria — é observada por uma consciência, aquela se transmuta em partícula (matéria). Portanto, está demonstrado pela física quântica que o pensamento, como consequência e prolongamento de uma consciência, é algo mais do que um simples peido cerebral.

1 Comentário »

  1. «Perante isto, o conhecido filósofo Hermann Lotze levantou-se, e disse que “ao ouvir tais ideias do meu colega conferencista, quase acreditei que ele tinha razão…”
    Fenomenal e inteligente ironia!

    Gostar

    Comentar por Henrique — Domingo, 25 Julho 2010 @ 12:08 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: