perspectivas

Sexta-feira, 7 Maio 2010

Plotino e a quântica (1)

Seria interessante que alguém tivesse tempo, arte e engenho para escrever um opúsculo com uma teoria comparada entre Plotino e a quântica, não confundindo, porém, Plotino com a escolástica neoplatónica. Esta assumiu nuances pagãs e gnósticas através de um discípulo de Plotino, o judeu Porfírio que, como grande parte dos judeus, mudou de nome (o seu nome verdadeiro era Malco). Portanto, o objecto da análise comparativa seria Plotino e a sua filosofia, e não o neoplatonismo em geral. A análise comprada entre as duas teorias (Plotino e quântica) não é puramente especulativa porque existe uma identidade de conceitos tão grande entre elas que surpreende com perplexidade um observador minimamente atento.

Plotino

Na minha opinião, Plotino é um dos maiores filósofos de sempre, se considerarmos o filósofo na sua época. Contudo, não é verdade que a “época molda o filósofo” de uma forma determinística.

Os detractores de Plotino dizem que ele foi o produto do período histórico dos finais do século II e do século III d.C., em que o império romano esteve em constantes guerras civis e externas, e em que o exército tomou o poder, manipulando com grande à vontade os sucessivos imperadores e governantes romanos; os impostos subiram e a miséria grassava. Em função dessa realidade, dizem os detractores de Plotino que este só se podia “virar” para a metafísica, porque a realidade do mundo sensível era demasiado terrível para ser vivida e analisada.
Contra este argumento dos detractores de Plotino, fazemos notar que a instabilidade do período histórico em que viveu Plotino não foi caso único no império romano até à sua separação em dois blocos; os períodos de instabilidade anteriores e posteriores a Plotino nem por isso deixaram de produzir pensadores materialistas ou naturalistas, incluindo epicuristas e estóicos. Um exemplo mais recente foi o da filosofia alemã que emergiu do nazismo e se afirmou depois deste, e a partir da Alemanha do pós-guerra, e um pouco por toda a parte: seria expectável que das cinzas do horror do nazismo surgisse uma nova teoria metafísica no sentido da transcendência, mas o que aconteceu foi a afirmação de uma mundividência panteísta e naturalista através da Nova Teologia de Dietrich Bonhoeffer.
Criar uma relação de causa-efeito entre a História e o Homem é pretender determinar o destino do Homem em função de factos ou situações históricas; se isso fosse possível, a filosofia (e a ciência) não teria sequer surgido à face da Terra.

Plotino foi buscar elementos do orfismo, dos pitagóricos, de Parménides, de Platão, Aristóteles, e dos neopitagóricos, para de todos eles extrair uma teoria com uma extraordinária coerência e refinada lógica. Do ponto de vista da sua lógica interna, é muito difícil combater a teoria de Plotino; podemos não aceitar a teoria por uma questão de gosto pessoal, não mais do que isso. Por outro lado, Plotino vai muito mais longe do que as filosofias religiosas do oriente, entre elas o zoroastrismo, budismo e hinduísmo, porque para além de Plotino sustentar filosoficamente a dimensão da “transcendência” que está mais ou menos ausente de praticamente todas as filosofias religiosas do seu tempo (excepto o cristianismo e o judaísmo), justifica e explica, de uma forma lógica, a dimensão da “imanência” (em que se situa a física quântica), o que as doutrinas orientais não conseguiram, até hoje, fazer.

O que é mais extraordinário na teoria de Plotino é que podemos amiúde encontrar nela surpreendentes paralelismos conceptuais com a teoria quântica, a ponto de não ser possível a compreensão integral — e mesmo uma concepção — de uma filosofia quântica sem uma análise de Plotino. É isso que vamos tentar explanar em próximos e curtos postais.

Parte II

Anúncios

Deixe um Comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: