perspectivas

Domingo, 17 Janeiro 2010

As características do gnosticismo moderno

Louis Althusser foi o exemplo acabado da mente gnóstica, o superlativo absoluto simples do gnosticismo teórico do século XX. Althusser defendeu sempre o estalinismo e o “marxismo científico” ― mesmo depois de Karl Popper ter demonstrado, através do princípio da falsificabilidade, que o marxismo não é uma ciência (assim como a psicanálise não é uma ciência) porque não é possível a sua refutação (1), mesmo depois do relatório K. ter oficialmente exposto os crimes estalinistas, mesmo depois das denúncias e dúvidas de Merleau Ponty e Sartre em relação ao sistema soviético, mesmo depois da verificação dos Gulag e do testemunho de Soljenitsyne, mesmo depois da evidência do fracasso económico da URSS… e mesmo depois da queda do muro de Berlim!

Para Althusser, o marxismo eliminou a distinção entre o sujeito e o objecto (mas não eliminou o sujeito de Althusser) e ele viu na teoria de Karl Marx aquilo a que ele chamou de “prática teorética”, que consiste no desfasamento entre o conhecimento e o objecto a conhecer ― segundo o conceito dele em relação ao pensamento de Karl Marx, todo o processo de conhecimento é realizado no mundo do pensamento e sem qualquer contacto com o objecto real a conhecer; Althusser recusa a verificação empírica das teorias científicas (“ciência” aqui entendida segundo o método positivista das ciências da natureza), exactamente em reacção ao princípio da falsificabilidade de Karl Popper. Althusser fechou-se no seu mundo e no seu dogma, e de tal forma que perdeu o juízo e acabou por estrangular a sua mulher em 1980.


  1. Uma das características da mente gnóstica moderna é a constante insatisfação com a realidade que se traduz em uma perene tentativa de escapar à realidade. Normalmente, o drogado mete heroína na veia para fugir à realidade; o gnóstico revolta-se sistematicamente contra a realidade, seja ela qual for…
  2. Em função da sua permanente insatisfação com a realidade, o gnóstico moderno atribui essa sua insatisfação à “maldade do mundo”, ou à “imperfeição do mundo”. Para o gnóstico, o mundo pode e deve ser perfeito ― ele acredita que é possível a salvação em relação a essa maldade (ou a essa imperfeição) do mundo dentro do espaço-tempo que condiciona a nossa existência. Essa radical e alienante insatisfação em relação ao mundo leva o gnóstico à convicção profunda de que o mundo é essencialmente mau, o que o leva ao desejo de salvação terrena através do conhecimento das estruturas internas desse mundo maldito e tenebroso.
  3. No intuito de se conseguir a salvação do Homem neste mundo, o gnóstico defende que a única forma de a conseguir é através da mudança da ordem do ser através de um processo histórico (ver «A ideia de “progresso” e do “presente autoritarista”»), ou seja, alterar a essência e a natureza humana através de imposições de fora para dentro em relação ao ser humano (vulgarmente chamadas de “engenharias sociais” a que assistimos hoje na esquerda portuguesa).
  4. As engenharias sociais ― que traduzem a crença na mudança da ordem do ser através de um processo histórico ― são, para o gnóstico moderno, possíveis através do esforço humano, nem que seja à custa do sacrifício ― e mesmo da eliminação física ― de centenas de milhões de pessoas. A mente revolucionária ou gnóstica esteve na origem de cerca de 200 milhões de vítimas só no século XX ― mais do que todas as vítimas de convulsões sociais e guerras entre o século III a.C e o século XIX. Nesse sentido, e através das engenharias sociais, a mente gnóstica acredita que possui a fórmula mágica ou o conhecimento necessários para tornar possível a salvação do Homem na Terra e a criação de um paraíso celestial terrestre.

(1) O conhecimento científico, embora verificando dados que se tornam quase certos, produz teorias que são científicas precisamente porque não são certas: as teorias científicas são sistemas de ideias que trazem consigo a possibilidade da sua refutação e constituem crenças de um grau superior ― crenças que transportam a dúvida no seu próprio princípio.

13 comentários »

  1. Excelente artigo que nos ajuda a perceber o que se está a passar na sociedade em geral!

    Gostar

    Comentar por Henrique — Domingo, 17 Janeiro 2010 @ 8:23 pm | Responder

  2. Este texto, para mim, não passa de um amontoado de confusões deliberadas para defender algo que se tornou indefensável nos tempos que correm: o liberalismo.

    O liberalismo foi o causador de inúmeras crises económicas, políticas e sociais entre as quais avultam a de 1929 e a crise actual ainda por resolver.

    Não vou alongar-me sobre o assunto porque acho que nem vale a pena mas chamo a atenção para vários pontos no sentido de fundamentar o que debitei acima:

    – o amigo leu Marx e Estaline? Concluiu o quê das leituras? Que Estaline foi um pensador da estatura de Marx ou um divulgador rasteiro das teorias de Marx acrescentado o que lhe interessou para se manter no poder?

    – se queria falar de herdeiros do pensamento marxista por que não mencionou Kautsky ou Bernstein?

    – que pensa de Keynes que reabilitou o pensamento macro-económico e salvou o capitalismo da crise de 1929? Keynes era liberal?

    – o que tem a ver essa infelicidade de Althusser de estrangular a sua própria mulher com a obra de Athusser? É científico e sério encontrar aí uma relação causa-efeito? Não houve muita gente assassina ou suicida nas hostes liberais? Não pode acontecer a qualquer um cair numa depressão profunda ou fazer uma esquisofrenia ou outra doença psíquica qualquer?
    Esse argumento é claramente um argumento contra “o homem” e não contra as “suas ideias”.

    Nem vou comentar essas questões teóricas sobre as relações entre o pensamento e a “realidade”… dava pano para mangas e nem sequer é questão recente.

    Alfredo

    Gostar

    Comentar por AVSousa — Quarta-feira, 20 Janeiro 2010 @ 8:36 pm | Responder

  3. @ AVSousa

    Eu deixei passar o seu comentário porque você conseguiu resistir (a custo, na minha opinião) ao insulto puro e duro.

    O facto de um estalinista como Althusser continuar a ser estalinista depois da queda do muro de Berlim, revela um desequilíbrio mental ― já não é só uma questão de burrice ― que o levou provavelmente ao estrangulamento da mulher. Não se trata de criticar o homem só pela crítica ao homem; trata-se de constatar um desequilíbrio mental dos estalinistas que não arrepiaram caminho perante as evidências (espero que não seja o seu caso).

    O que é que Keynes tem a ver com Marx ou com o marxismo? David Ricardo já defendia a intervenção do Estado na economia de livre iniciativa muito antes de Marx, e o próprio S. Tomás de Aquino defendeu a intervenção da coroa (do rei) na distribuição da riqueza quando escreveu sobre a mais-valia no trabalho.

    Todas as derivas marxistas (escola de Frankfurt, Lukacs, Gramsci, o existencialismo, a teoria do discurso, o desconstrutivismo, etc.) são apenas formas de tentar remendar aquilo que não é remendável: o sistema de Marx não poderia dar senão no que deu. A ler:

    https://espectivas.wordpress.com/2009/06/16/as-contradicoes-do-marxismo/

    https://espectivas.wordpress.com/2007/11/07/complementando-marx/

    https://espectivas.wordpress.com/2007/11/07/complementando-karl-marx-2/

    Eu não sou propriamente “liberal” no sentido de Hayek e Von Mises. Sou conservador no sentido de Kirk Russell, Eric Voegelin, Barry Goldwater, Roger Scruton, etc. O conservador não coloca a economia acima da cultura e da ética.

    De resto, você diz que “não se vai alongar” e que” não vai comentar”, e por isso fico sem saber quais seriam os “alongamentos” e os “comentários”.

    Gostar

    Comentar por O. Braga — Quinta-feira, 21 Janeiro 2010 @ 12:32 am | Responder

  4. retirado do blog “Contra Impugnantes” sobre o gnosticismo no filme Avatar:
    .
    http://contraimpugnantes.blogspot.com/2010/02/avatar-dos-infernos.html
    .
    1- Uma nova fase da história humana sepultará a atual e se dará em outro planeta.

    2- O caudilho que fundará essa nova era é Jake Sully (ele próprio fala em “renascimento”, no filme). Sully torna-se líder logo após Pandora quase ser destruída pela maldade dos homens, que por sua vez já tinham arrasado a Terra. Ele não nasce Salvador por delegação divina, mas se faz salvador.

    3- O precursor do caudilho é a cientista Grace Augustine. Anotem bem o nome: Grace Augustine! Ora, para quem não sabe, Santo Agostinho é cognominado “Doutor da Graça”. Só que, no caso cristão, a Graça é o auxílio divino sem o qual o homem não pode manter-se no bem, enquanto a Grace Augustine da película é justamente o contrário disto: encarna a intelectual, a cientista que detém o conhecimento a partir do qual o “salvador” Jake Sully poderá começar uma nova era. Como se vê, os pólos se inverteram: a Graça que Santo Agostinho tão bem retratou vem de cima para baixo, de Deus para o homem, e é gratis dada; a Grace Augustine, por sua vez, representa o poder do próprio homem para “salvar-se”, para chegar por suas próprias forças ao conhecimento que o libertará das amarras do mal. Nada mais gnóstico!

    4- O quarto dos símbolos joaquinistas, o da espiritualidade autônoma, se verifica pelo fato de os Na’Vis não necessitarem de nenhuma instituição “eclesiástica”. Quando Jake está ao lado de Neyriti, diz a todos: “Unimo-nos ante a deusa “Eywa”, e, depois, toda a comunidade dá-se as mãos em frente à “árvore dos espíritos” para rezar, ou coisa que o valha. Como diz o já citado texto do Stat Veritas, se cumpre assim a fantasiosa idéia de uma comunidade que vive em harmonia, sem Estado, sem Igreja e sem polícia, na qual todos adoram a natureza e, por isso, vivem em paz. Uma pax mundi absolutamente naturalista.

    Gostar

    Comentar por shâmtia ayômide — Sábado, 20 Fevereiro 2010 @ 2:43 pm | Responder

  5. […] gayzismo e o marxismo cultural encaixam perfeitamente um no outro através da tentativa de mudar a ordem do ser (a natureza humana) através de um processo histórico. É neste quadro que se situa a luta […]

    Gostar

    Pingback por A propaganda política gayzista, bloquista e socratina à custa do dinheiro dos nossos impostos « perspectivas — Sábado, 20 Fevereiro 2010 @ 3:42 pm | Responder

  6. @ shâmtia ayômide :

    Quanto mais vejo o que está a acontecer, mais admiro a visão de Eric Voegelin.

    Gostar

    Comentar por O. Braga — Sábado, 20 Fevereiro 2010 @ 9:49 pm | Responder

  7. uma pergunta nascida do meu desconhecimento: é concebível um ‘gnosticismo de direita’?

    Gostar

    Comentar por pedronunesnomundo — Terça-feira, 7 Junho 2011 @ 3:18 pm | Responder

    • Depende do que vc entende por “direita”. Se Vc considerar, por exemplo, o nazismo como sendo de direita, então é possível. Mas o nazismo não é direita.

      Gostar

      Comentar por O. Braga — Terça-feira, 7 Junho 2011 @ 10:02 pm | Responder

  8. Adenda: ler o que se entende pelo conceito de revolucionário ou neognóstico:

    https://espectivas.wordpress.com/a-mente-revolucionaria/

    Gostar

    Comentar por O. Braga — Terça-feira, 7 Junho 2011 @ 10:41 pm | Responder

  9. […] geral” rousseauniana que não corresponde, na maioria das vezes, à vontade da maioria. É o modelo das “engenharias sociais” que Obama também segue agora. O modelo francês é o modelo do leviatão europeu que se constrói […]

    Gostar

    Pingback por Os modelos políticos possíveis para a Europa « perspectivas — Quinta-feira, 5 Janeiro 2012 @ 12:14 pm | Responder

  10. […] [porque considera a cultura estranha e inferior a si mesmo] como uma estratégia de mudança social mediante engenheiras sociais e em função de um determinado delírio interpretativo (2) da realidade. 1) Segundo o teorema […]

    Gostar

    Pingback por Um recado de Agustina Bessa-Luís aos “engenheiros sociais” « perspectivas — Domingo, 19 Fevereiro 2012 @ 9:02 am | Responder

  11. Orlando, muito bom e claríssimo o seu post. Parabéns pela exposição e esclarecimentos, principalmente para aqueles que não leram ainda sobre o “GNOSTICISMO”, seja ele de XX séculos passados ou o moderno, o que não mudou, a não ser o enfoque, mas o ideal é o mesmo. Gostei tanto de seu conteúdo que quero pedir permissão, desde já, para usá-lo na minha TCC, com as devidas citações em conformidade com a ABNT.

    Gostar

    Comentar por Flávio da Cunha Guimarães (Pastor) — Terça-feira, 27 Maio 2014 @ 9:32 pm | Responder

    • Desde que mencione o autor, a transcrição é permitida. Mencionar o autor fica sempre bem.

      Gostar

      Comentar por O. Braga — Quarta-feira, 28 Maio 2014 @ 4:38 am | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma Resposta para Flávio da Cunha Guimarães (Pastor) Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: