perspectivas

Sexta-feira, 27 Novembro 2009

Sobre Nietzsche e os mitos sociais modernos

Neste postal que escrevi sobre Nietzsche e Fernando Pessoa, os comentários foram diversos e o último deles foi o que se segue:

« Sólo tú, Barbara, has sido inteligente y sensible, frente a las muchas y muy superficiales tonterías que se presentan. A los demás, pues, os digo:
– leed, por ejemplo, el “Nietzsche” de Gilles Deleuze
y, todavía antes, aprended a leer! »

É evidente que eu nunca coloquei em causa o Nietzsche como literato (seria estúpido fazê-lo), assim como não coloco em causa o Ernst Haeckel como biólogo, ou Joseph Mengele como médico. Todos eles foram muitíssimo bons nos seus respectivos misteres. Porém, o facto de Nietzsche ter sido um profundo conhecedor das ideias filosóficas ― e principalmente da filologia e filosofia clássicas ― não lhe dá automaticamente uma autoridade de direito em termos éticos e morais, e de tal modo que as suas ideias devam ser seguidas ou adoptadas como sendo positivas. O conhecimento profundo de uma determinada matéria não transforma o conhecedor em um paradigma ético-moral.

« Sim, Nietzsche e Pessoa têm muito em comum: o repúdio ao dogmatismo, à metafísica, ao racionalismo – pilares do cristianismo.
SE não dá pra gostar de Nietzsche e ser cristão, não sei. Dá sim pra ler Nietzsche, gostar de Nietzsche ( E Álvaro de Campos!) e ser ético, correto, bom. Apenas é necessário que se saiba compreender alegorias e metáforas–aliás inúmeras na Bíblia! Que se pense de forma menos literal. Nem todos conseguem ou aceitam. »

Quem, como acontece com esta leitora do referido postal, em nome das ideias de Nietzsche, critica a racionalidade ― e não me refiro ao racionalismo, que está essencialmente ligado ao Positivismo e por isso é coisa diferente ― , é quem se senta à frente de um computador para criticar a racionalidade humana que lhe permite estar sentada ao computador.

Quando falamos em niilismo de Nietzsche não é no sentido do sofista Górgias que se refere a um niilismo absoluto, mas na utilização da razão para negar a razão ou a racionalidade. Não é possível negarmos a razão senão através da razão, e é nesta negação irracional que consiste o niilismo de Nietzsche que proclamou a impossibilidade de qualquer hierarquia de valores.

Reparem bem na estupidez que grassa por aí: “o repúdio ao dogmatismo, à metafísica, ao racionalismo – pilares do cristianismo”. Segundo a estúpida que escreveu isso, o cristianismo acumula simultaneamente o dogmatismo e o seu contrário: o racionalismo. Por este tipo de comentários é que muitas vezes não os publico, porque dão uma trabalheira a desmontá-los ideologicamente como estou a fazer agora ― e eu não tenho muito tempo disponível.

Em primeiro lugar, a estúpida não faz a menor ideia dos significados múltiplos que tem o nominativo “racionalismo”, mas em nenhum deles se pode conjugar o “dogmatismo” no sentido da fé cristã. Confunde-se muitas vezes “racionalismo” com “racionalidade” e/ou “razão” da Escolástica e dos socráticos. O racionalismo é uma proto-ideologia que descambou no Positivismo; a única responsabilidade do cristianismo no desenvolvimento do racionalismo foi a de mostrar a abertura e tolerância suficientes para permitir esse desenvolvimento, o que não aconteceu, por exemplo, com o islamismo e com o budismo.

No que respeita ao comentário do espanholo, chama-me de “burro” mas não explica porquê. Contudo, eu vou explicar porque é que ele é burro e estúpido. É estúpido porque utiliza um argumento ad Hominem, o que se constitui como sendo uma falácia lógica. E é burro porque não pensa pela sua cabeça e atira para uma qualquer presumível autoridade de direito ― neste caso, Gilles Deleuze ― a definição daquilo que é “correcto”. O problema da burrice do espanholo não está em mencionar o livro de Deleuze; o problema está noutra falácia lógica em que cai o burro espanholo, que é o argumento ad Verecundiam. Dou dois exemplos desta falácia:

“Albert Einstein escreveu muito sobre Deus, e por isso é provável que Ele exista”.

“Freud, Dawkins, Carl Sagan e muitos outras personalidades contemporâneas foram ateístas, e por isso é evidente que Deus não existe.”

O argumento ad Verecundiam é próprio dos burros ― aqueles que não pensam pelas suas próprias cabeças. Podemos perfeitamente citar um autor qualquer, mas temos que depois explicar porque é que usamos essa citação no nosso raciocínio. E como isto não acontece normalmente nos comentários deste blogue, eles são, na maioria dos casos, simplesmente apagados.

9 comentários »

  1. “(…) eu nunca coloquei em causa o Nietzsche como literato (seria estúpido fazê-lo), assim como não coloco em causa o Ernst Haeckel como biólogo (…)”

    Ernst Haeckel?

    Acho que deverias dar uma olhada nos dois links abaixo:

    http://www.truthinscience.org.uk/site/content/view/49/65/

    http://designinteligente.blogspot.com/2007/09/fraude-de-haeckel.html

    Gostar

    Comentar por eclypse — Sexta-feira, 27 Novembro 2009 @ 2:45 pm | Responder

  2. Não podemos julgar um homem senão no seu tempo. Seria o mesmo que dizer que Descartes era estúpido porque não sabia o que era a teoria da relatividade.

    Gostar

    Comentar por O. Braga — Sexta-feira, 27 Novembro 2009 @ 4:09 pm | Responder

  3. Estou a escrever sobre a amiga dele “Lou Salomé”, quando terminar postarei no meu blog.

    Gostar

    Comentar por shâmtia ayômide — Sexta-feira, 27 Novembro 2009 @ 5:20 pm | Responder

  4. Hola, O. Braga.

    0. ¿Para qué tanta rabia?.Efectivamente, creo que tus comentarios a respeto de Nietzsche -, tus comentarios y no tu persona, fíjate, – no son tan inteligentes ni tan sensibles como los de Bárbara: es ésa mi opinión, frente a lo que tú y ella han escrito, hace ya, aparente y espantosamente, mucho tiempo.. Bueno, pero no seremos racionales si sólo nos sentimos insultados por eso. Escucha, pues:

    1. El conocimiento, en cuanto información, no importa tanto como la probidad y la sabiduría. Pero estoy de acuerdo, ni siquiera por su probidad tiene Nietzsche una autoridad inmediata. Sin embargo, o justamente, hay que leerlo: y hay que saber leer, sin prejuicios, a ver qué autoridad tienen o qué autoridad no tienen las cosas.

    2. Bárbara, como Nietzsche, no escribe en contra de la racionalidad, no escribe en contra de la razón en tanto facultad. Escribe en contra del “racionalismo”, es decir en contra de la razón en tanto doctrina, en tanto dogma, en tanto establecimiento irracional de lo que se debe llamar “racional”: y escribe así en contra del positivismo y de todas las demás formas de hipocresía y de utilización socio-instrumental de la razón. Así que tampoco a Bárbara, creo, humildemente, la has sabido leer.

    3. Y Nietzsche, como Bárbara, lo que nos dice es que la razón no sirve para justificarte a posteriori, mientras intentas, por ventura, vengarte de tus propios sentimientos. La razón sirve para educar esos sentimientos: es que ser capaz de educar sus sentimientos es ser más racional. Y es que Nietzsche no “proclamó la imposibilidad de cualquier jerarquía de valores”: lo que quiso fue invertir determinada jerarquía de valores, la de los valores resabiados y inconscientes o hipócritas, justamente, para transmutarlos en valores del conocimiento de sí mismo y de la sinceridad. Por eso, Nietzsche ni siquiera es nihilista: lo que sí es nihilista es el “racionalismo”, al igual que el “sentimentalismo”, es decir el dogmatismo y la mentira: y el llamado nihilismo activo de Nietzsche es tan sólo un medio para, al negar esos falsos valores, crear otros más verdaderos.

    4. El racionalismo, pues, es un dogmatismo, aunque la razón misma no es dogmática: así que sólo tu comentario al respeto y no el de Bárbara es estúpido y ni siquiera merecía ser refutado como acabo de hacer de forma muy sencilla. Además, veo que desconoces la relación histórica entre el racionalismo y el cristianismo. Y veo que desconoces la relación entre el mismo racionalismo, o incluso la razón misma, y el islamismo: veo que no sabes, por ejemplo, que mucho de la obra de Aristóteles se habría perdido, en la edad media, si no fuera por los islámicos. Tampoco importa: como digo, vale más la probidad que el conocimiento.

    5. Nietzsche no tiene nada que ver con Mengele…: mayormente, no es racista y, a pesar de que es anti-cristiano, no es anti-religioso, o sea positivista… Ésa es, por lo menos, mi propia lectura de su obra. Pero ahora no puedo darte cuenta de ella y, como nada he publicado sobre esa materia, puedo apenas aconsejarte a leer el mismo Nietzsche o, si no te sobra tiempo para tanto, los estudios de Giorgio Colli, por ejemplo.

    6. No por aconsejarte la lectura de Deleuze u otros, pues, utilizo un “argumento ad hominem”: puedes, sí, comparar racionalmente, honestamente, abiertamente, atentamente, nuestra interpretación de Nietzsche con la tuya. Y ¿para qué tienes un blog si vas a “apagar” los posts que no se conforman a la autoridad que sientes poseer? Sí, porque eso, lo de decir que los otros utilizan argumentos ad hominem, puede ser también, a la vez, una falacia y un argumento de autoridad: y es que tú, lo veo muy bien, lo dices demasiadas veces, por lo que no es improbable que lo digas cuando tanto no se aplica… La “explicación”, mientras tanto, ya la había dado Bárbara: yo, muy sencillamente, me apunté a ella.

    7. Por si acaso no te bastó con su “explicación”, en vez de borrar como un censor nuestras palabras, recoge ésta también, la que acabo de escribir: no es una explicación muy buena, explicártelo mejor llevaría demasiado tiempo, pero creo que es mejor que tus propias repetitivas explicaciones de sound-bite de “pensar por su propia cabeza” y ya ha llevado más tiempo que lo que ellas merecen, en su falsa utilización del referido sound-bite, en su verdadera irreflexión, en su dogmatismo, en sus nervios, en su ansia por dominar, en su agresividad gratuita y en su cerramiento. Perdona, pero eso es lo que veo, muy honestamente y muy claramente, sin malevolencia ni necesidad, en lo que has escrito. Bueno, pero borra, o publicita, incluso, lo que quieras: sea como sea, ya veremos, será mejor sufrir la injusticia que cometerla. Mientras tanto, yo tampoco necesitaba demostrarte, “explicarte”, sea lo que sea: simplemente, soy generoso. Y es que hay una diferencia entre la generosidad y la necesidad de justificarse y de dominar por palabras lo que no se domina en la vida, lo que no se domina realmente, porque no se empieza por escuchar la misma vida o incluso las propias palabras de forma racional, debidamente.

    n. Te dejo con el ser sereno y abierto de Nietzsche, para que no te disgustes ni te agobies demasiado con lo que digo y puedas considerarlo:
    279. LA AMISTAD DE LAS ESTRELLAS. Éramos amigos y nos hemos vuelto extraños. Pero está bien que sea así, y no queremos ocultarnos ni ofuscarnos como si tuviésemos que avergonzarnos de ello. Somos dos barcos y cada uno tiene su meta y su rumbo; bien podemos cruzarnos y celebrar juntos una fiesta, como lo hemos hecho – y los valerosos barcos estaban fondeados luego tan tranquilos en un puerto y bajo un sol que parecía como si hubiesen arribado ya a la meta y hubiesen tenido una meta. Pero la fuerza todopoderosa de nuestras tareas nos separó e impulsó luego hacia diferentes mares y regiones del sol, y tal vez nunca más nos veremos – tal vez nos volveremos a ver, pero no nos reconoceremos de muevo: ¡los diferentes mares y soles nos habrán trasformado! Que tengamos que ser extraños uno para el otro, es la ley que está sobre nosotros: ¡por eso mismo hemos de volvernos más dignos de estimación uno al otro! ¡Por eso mismo ha de volverse más sagrado el recuerdo de nuestra anterior amistad! Probablemente existe una enorme e invisible curva y órbita de estrellas, en la que puedan estar contenidos como pequeños tramos nuestros caminos y metas tan diferentes -¡elevémonos hacia ese pensamiento! Pero nuestra vida es demasiado corta y demasiado escaso el poder de nuestra visón, como para que pudiéramos ser algo más que amigos, en el sentido de aquella sublime posibilidad. Y es así como queremos creer en nuestra amistad de estrellas, aun cuando tuviéramos que ser enemigos en la tierra.”
    KSA, V, Die Fröliche Wissenschaft, p. ???.

    n+1. Y estotro, que está muy bien, también:
    “378. UND WERDEN WIEDER HELL. Wir Freigebigen und Reichen des Geistes, die wir gleich offnen Brunnen an der Straße stehen und es Niemandem wehren mögen, dass er aus uns schöpft: wir wissen uns leider nicht zu wehren, wo wir es möchten, wir können durch Nichts verhindern, dass man uns trübt, finster macht, — dass die Zeit, in der wir leben, ihr “Zeitlichstes”, dass deren schmutzige Vögel ihren Unrat, die Knaben ihren Krimskrams und erschöpfte, an uns ausruhende Wandrer ihr kleines und großes Elend in uns werfen. Aber wir werden es machen, wie wir es immer gemacht haben: wir nehmen, was man auch in uns wirft, hinab in unsre Tiefe — denn wir sind tief, wir vergessen nicht — und werden wieder hell…”
    KSA, V, Die Fröliche Wissenschaft, p. 313.
    (“378. Y VOLVEMOS A SER TRANSPARENTES – A nosotros, los generosos y ricos de espíritu, que como fuentes al borde de la calle nos erguimos, no nos gusta defendernos de que sorban nuestra agua: no sabemos, desafortunadamente, defendernos como nos gustaría, por nada podemos evitar que nos enturbien, que nos hagan oscuros, – que la época en la que vivimos arroje para dentro de nosotros lo que tiene de más temporal, que los respectivos pájaros sucios su inmundicia, los muchachos sus bagatelas y los viandantes agotados que junto a nosotros descansan sus pequeñas y grandes aflicciones para dentro de nosotros viertan. Pero haremos como siempre hemos hecho: a lo que también para dentro de nosotros vierten, nosotros lo tomamos muy para dentro, hasta nuestras honduras – pues que nosotros somos hondos, nosotros no olvidamos – y v o l v e m o s a s e r t r a n s p a r e n t e s…”)

    Gostar

    Comentar por El Dani — Sexta-feira, 27 Novembro 2009 @ 6:02 pm | Responder

  5. Quando as pessoas comentam nos blogues dos outros, devem ter em atenção a linguagem utilizada. Em alternativa, podem criar um blogue para darem corpo e alma às suas inquietações e liberdade de linguagem. O que o El Dani não pode fazer é transformar-se em vítima depois de ter, em primeiro lugar, causado o dano.

    O que é que o cristianismo tem a ver com o racionalismo?! O que é que o cristianismo tem a ver com o positivismo?! (refiro-me a responsabilidade que implique uma relação directa de causalidade).

    Nietzsche escreveu contra tudo, pensando que ele próprio se excluiria das suas críticas a tudo e todos ― numa atitude messiânica e patética de alguém com uma grande problema de identidade. Só quem não soube ler Nietzsche não vê o que está por detrás das críticas que ele fez a tudo o que mexe. O marxismo cultural (da escola de Frankfurt) adoptou essa mesma atitude nietzscheana de crítica sistemática e total através da “Teoria Crítica” (1969); tal como Nietzsche, a Teoria Crítica não faz outra coisa senão criticar: não dá soluções para os problemas: critica, critica e só critica.

    A ideia de que “a razão serve para educar os sentimentos” significa que os sentimentos são irracionais, porque a razão não “educaria” nada que pertencesse ao foro da própria racionalidade. Portanto, o escriba espanhol parte do princípio de que o sentimento é irracional ― e por isso é que se compreende que em Espanha os macacos tenham adquirido os direitos humanos, ou os humanos os direitos dos macacos. Kant demonstrou que o sentimento pertence ao juízo reflexivo, e tal como a intuição, é uma forma de racionalidade e de inteligência. O que podemos educar, até certo ponto, é o gosto (juízo estético) e não o sentimento que depende, entre outros factores, do juízo teleológico.

    O que Nietzsche quis dizer é que “a razão serve para educar os instintos”, e é contra essa razão castradora dos instintos que Nietzsche se revoltou de uma forma absurda, uma vez que utilizou a razão para negar a razão. Nietzsche utilizou a razão para colocar o instinto acima da razão; será tão difícil constatar isto?!

    Obviamente que Nietzsche é niilista. O que ele tentou ― depois de ter proclamado a impossibilidade de qualquer hierarquia de valores ― foi a “transmutação” dos valores que negava em “outros valores” que ele próprio não foi capaz de concretizar de uma forma inteligível. Podemos dizer que Nietzsche foi um “picareta falante”.

    Você, caro espanholo, como todos os espanhóis, é um BURRO! É um burro porque não sabe que o que passou do sistema de Aristóteles através dos islamistas para a cultura europeia foi apenas uma parte do sistema aristotélico e de uma forma enviesada e adulterada, nomeadamente através de Averróis e Avicena. VOCÊ É BURRO e ainda se arroga no direito de dar lições a outrem?!
    O próprio S. Tomás de Aquino utilizou o sistema aristotélico de forma alterada (não genuína). Só muito mais tarde é que as traduções do grego antigo se tornaram fidedignas e reveladoras do potencial aristotélico. Veja se aprende antes de me encher a caixa de comentários com asneiras.

    E vem-me um neófito destes dizer-me para ler Nietzsche quando eu fui obrigado a lê-lo na faculdade na cadeira de filologia germânica !? Eu fui obrigado a ler Nietzsche em língua alemã, porra!!

    Escreves muita merda mas não dizes nada, um pouco como Nietzsche fez. Aconselho-te que cries um blogue, em vez de encheres os comentários dos outros com dejecções intelectualóides.

    Finalmente, e para que te possas ver ao espelho, aconselho a leitura deste postal:

    https://espectivas.wordpress.com/a-mente-revolucionaria/

    Tens lá a descrição do teu arquétipo mental, que infeliz e inconscientemente herdaste de Nietzsche. Por vezes, sou tentado a acreditar na teoria dos “Memes” de Richard Dawkins.

    Gostar

    Comentar por O. Braga — Sexta-feira, 27 Novembro 2009 @ 11:23 pm | Responder

  6. “Não podemos julgar um homem senão no seu tempo. Seria o mesmo que dizer que Descartes era estúpido porque não sabia o que era a teoria da relatividade.”

    Veja isto:

    “Acusado de fraude por cinco professores e condenado por um tribunal universitário de Jena, Heckel confessou que uma pequena porcentagem de seus desenhos embrionários eram falsificações. Argumentou que estava somente preenchendo e reconstruindo os elos quando a evidência estava magra, ele reivindicou desavergonhadamente que muitos outros dos melhores observadores e biólogos fazem coisas semelhantes.”

    Gostar

    Comentar por eclypse — Segunda-feira, 30 Novembro 2009 @ 4:29 pm | Responder

  7. Não há dúvida que o Haeckel esteve na base da ideologia nazi. Vou escrever alguma coisa sobre ele (do ponto de vista da filosofia, obviamente).

    Gostar

    Comentar por O. Braga — Segunda-feira, 30 Novembro 2009 @ 7:03 pm | Responder

  8. “O marxismo cultural (da escola de Frankfurt) adoptou essa mesma atitude nietzscheana de crítica sistemática e total através da “Teoria Crítica” (1969); tal como Nietzsche, a Teoria Crítica não faz outra coisa senão criticar: não dá soluções para os problemas: critica, critica e só critica.”

    Esta afirmação, junto com a do outro tópico sobre Nietzsche e Pessoa, aonde tu afirmas que não pode acreditar no pensamento de Nietzsche pois é cristão, me demonstra que andamos em pensamento muito diversos.

    Quando julgas Nietzsche e os frankfurtianos pela sua não tomada de ação, tu queres dizer que todo pensamento crítico deve trazer uma solução? Isso não seria como propor algo utopico para o que se critica (algo num futuro ideal…)?

    O mundo já passou por tantas utopias… Engraçado que todas falharam. Isso me faz inferir no seguinte: pensar criticamente só tem sentido se eu proponho uma solução para o que eu crítico, logo devo jogar alguma resposta no futuro para minha crítica não ser invalidada como tu invalidou os dois pensamentos em questão; se eu percebo que todos os pensamentos críticos “bons” levam a uma utopia e falham, devo eu então não pensar criticamente, pois se eu não conseguir encontrar uma solução minha crítica é inválida?

    Um pequeno diálogo com teu pensamento. De qualquer forma, gostei de ver um pensamento diferente (e conflitante) do meu exposto com uma bela retórica.

    Abraço.

    Gostar

    Comentar por Nathaniel — Segunda-feira, 17 Maio 2010 @ 10:19 pm | Responder

    • @ Nataniel

      Quando Kant escreveu as suas críticas sobre a razão pura e a razão prática, apontou caminhos e não se limitou a criticar. Toda a demonstração sobre algo acaba sempre por ser crítica em relação a alguma coisa, mas o facto de ser crítica não impede que ela (a demonstração) seja positiva e que aponte caminhos alternativos que não sejam utópicos. A crítica negativa é aquela que critica sem apontar caminhos alternativos àquilo que critica — por isso é que a teoria da escola de Frankfurt tem o nome de Utopia Negativa (ver no Google).

      Existe uma diferença entre crítica destrutiva e crítica construtiva. A primeira destrói sem construir nada (niilismo); a segunda até pode destruir alguma coisa, mas oferece uma alternativa de construção que não tem que ser necessariamente utópica. A utopia é por natureza susceptível de falhar, porque se não tivesse essa condição não seria utopia. A utopia é, por sua natureza, irrealizável.

      “logo devo jogar alguma resposta no futuro para minha crítica não ser invalidada como tu invalidou os dois pensamentos em questão;”

      O que você diz é que a minha crítica à crítica negativa e destrutiva é, ela mesma, negativa e destrutiva. Fazendo um paralelismo, você diria que se eu criticasse uma pessoa que defendesse o homicídio, a minha critica à posição dessa pessoa seria tão negativa quanto a própria posição dela de apoio ao homicídio. Trata-se de um erro lógico da sua parte, conhecido como ignoratio elenchi (ver no Google) que consiste em retirar uma conclusão de um argumento que não leva, de facto, a essa conclusão.

      No caso de Nietzsche, tínhamos primeiro que saber se os seus (dele) “pensamentos críticos” eram “bons”. Para isso tínhamos que utilizar a filosofia ética.

      Quando o Homem pensa criticamente utilizando a razão e a lógica, a probabilidade do seu pensamento vir a tornar-se utópico é mínima. A melhor forma de pensar criticamente sem cair na utopia é pensar com racionalidade e lógica. Se você pensa que 1+1=1255, você até pode acreditar que esse seu pensamento é verdadeiro, mas não é lógico — é utópico. Você até desejaria do fundo do seu coração que 1+1 fosse igual a 1255, e poderia inclusive considerar que este resultado seria “bom”. Mas o facto de você desejar alguma coisa não significa que o objecto do seu desejo seja verdadeiro, racional, realizável e lógico.

      Gostar

      Comentar por O. Braga — Terça-feira, 18 Maio 2010 @ 8:01 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: