perspectivas

Segunda-feira, 28 Setembro 2009

O que se está a passar agora no PSD é uma vergonha!

Uma das características do partido republicano de finais do século XIX era a de que era um partido de bases, e não era um partido de quadros. Em contraponto, os partidos do rotativismo monárquico eram partidos de quadros mas não eram partidos de base, e portanto, a partir do momento em que os quadros abandonaram os partidos do rotativismo ― e logo que se implantou a república ― os partidos extinguiram-se. Naturalmente que os partidos que evoluíram a partir do velho partido republicano ― como por exemplo, o partido democrático e o partido evolucionista ― rapidamente se transformaram em partidos de quadros também, e por isso foi possível o Sidonismo e a ditadura de 28 de Maio de 1926 que deu origem ao Estado Novo de António de Oliveira Salazar.

Tudo isto para dizer que as acusações que são feitas a Pacheco Pereira responsabilizando-o pela “derrota” do PSD são a manifestação típica de um partido de quadros perante um revés eleitoral. Quem critica Pacheco Pereira são os quadros do PSD ― aqueles que se mudam de um lado para o outro enquanto o diabo esfrega um olho.

O mesmo se passa no partido socialista: o PS de Manuel Alegre é o partido das bases, enquanto o PS de José Sócrates é o partido dos quadros. Não fora a facção de Manuel Alegre, a derrota do PS seria ainda maior, como pudemos ver nas eleições europeias. Perante o desaire destas últimas eleições, Manuel Alegre ― que representa o partido das bases ― junta-se ao socratinismo para salvar a honra do convento.

Um exemplo de um representante do PSD das bases é Alberto João Jardim. Jardim é a antítese do tecnocrata que contribui para a supremacia do partido dos quadros sobre o partido das bases. Manuela Ferreira Leite juntou os cacos do PSD das bases que tinha sido destroçado com a experiência de Luís Filipe Meneses que foi uma experiência da oligarquia dos quadros do PSD. O mesmo se passa com a crítica de Mira Amaral em relação a Manuela Ferreira Leite: mais um quadro que mamou à custa do PSD. Para simplificar: os quadros são os mamões ― aqueles que mamam à custa da militância de base e da base social de apoio a um partido político.

As críticas feitas por Pacheco Pereira a Pedro Passos Coelho são, do ponto de vista intelectual e ideológico, impecáveis.

nomenclatura

O PSD não teve maioria dos votos dos portugueses, em primeiro lugar, porque não podemos nos esquecer que o PS tinha uma maioria absoluta; fazer baixar um PS de maioria absoluta para o segundo partido requereria a ausência do PS da bases, como aconteceu com a ausência no PSD das bases quando Nogueira foi cilindrado por Guterres. A prova de que Nogueira era um quadro e não representava as bases ― e ao contrário do que na altura se dizia ―, é que nunca mais ninguém ouviu falar dele (morreu politicamente) depois da derrota do PSD a favor do PS de Guterres.

Em segundo lugar, o efeito CDS/PP que foi buscar muita coisa ao ideário do PNR. O CDS/PP fez em relação ao PNR aquilo que Sarkozy fez em França em relação a Le Pen. O problema é que ― como se vê já hoje em França ― a cópia é sempre pior do que o original. O CDS de Paulo Portas “não diz a cara com a careta”, e rapidamente as pessoas vão verificar isso. Este aumento do CDS corre sério o risco de se transformar no seu canto-do-cisne.

Muito do voto natural do PSD emigrou para um CDS obcecado com a segurança e com as leis da imigração ― para além da exploração que o CDS fez da inveja natural do povo português em relação à questão do rendimento mínimo. Não seria possível ao PSD apoiar uma posição semelhante à do CDS nesta matéria, não só porque a imagem de Ferreira Leite é a da antítese do populismo de Paulo Portas, como porque seria de uma incoerência de todo o tamanho na medida em que as leis sobre o rendimento mínimo tiveram a aquiescência histórica do PSD.

Em terceiro lugar, os detractores de Pacheco Pereira e Manuela Ferreira Leite são tão primários nas suas análises que se esquecem do fenómeno “Bloco de Esquerda”, que triplicou a sua votação. Não se trata apenas de um voto de protesto: o povo português está a mudar nas suas atitudes em relação aos políticos, e o Pacheco Pereira viu aquilo que a maioria dos quadros do PSD não quer ver. Embora muitos dos votos transferidos do PS para o BE fossem de protesto, a maioria deles foram votos que procuram o conteúdo programático em vez da política- espectáculo. Por isso, a única crítica que eu posso eventualmente fazer a Manuela Ferreira Leite é a de que o seu programa eleitoral não passou convenientemente para a opinião pública, e as razões para isso estão também na resistência passiva da maioria dos quadros do PSD.

É neste contexto que podemos ver a opinião de Marco António. O problema é que a sua ligação a Menezes revela o “quadro do PSD”, enquanto que não existem dúvidas nenhumas de que Manuela Ferreira Leite representa uma base sociológica alargada. Se Marco António pensa que pode ir buscar votos à esquerda através de políticas de esquerda ― esta é a tal “mudança” do quadro de um lado para outro ― , cá ficarei a ver a morte lenta do PSD.

Num tempo em que o PS vinha de uma maioria absoluta, com o apoio total e nunca antes visto da máquina maçónica; num momento em que a crise financeira internacional causou estragos profundos na imagem do capitalismo, que é directamente ligada, na opinião pública, ao darwinismo-social selvagem do neoliberalismo; num momento em que o PS de Sócrates se alia ao marxismo cultural da mensagem primária e do discurso que apela ao coração esquecendo ostensivamente a razão; numa altura em que as marcas culturais do PS na nossa sociedade induzem o povo à superficialidade intelectual e académica, em favor da ilusão do faz-de-conta da ideia do ser humano como algo que é produto exclusivo da sua auto-definição. Nestas condições, Manuela Ferreira Leite foi o esteio que o PSD necessitava para poder sobreviver como grande partido nacional.

E por isto tudo, aquilo que está acontecer com as sucessivas declarações dos quadros do PSD, é uma vergonha!

Deixe um Comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: