perspectivas

Quarta-feira, 15 Julho 2009

Através do “casamento”, a homossexualidade impõe-se como um princípio moral

Esta apostila do Pedro Picoito deveria ser de leitura obrigatória na medida em que posiciona a questão do “casamento” gay no sítio certo: o que os activistas gays pretendem não é o casamento mas a elevação da homossexualidade a um princípio moral. Por exemplo, é uma manifestação de um princípio moral pedir-se ao cidadão que seja honesto. De igual modo, o activismo gay pretende transformar o relacionamento homossexual não só num acto nobre, mas também e essencialmente elevá-lo a um princípio moral que, por isso, deve ser seguido por toda a sociedade ― trata-se de inserir o acto homossexual, considerado em si mesmo, como um princípio ético que em última análise e segundo a ética de Kant, se transformaria num dever.

Escreve o Pedro Picoito:

Os homossexuais não querem o casamento, mas o reconhecimento social da homossexualidade. Um caminho perigoso para a democracia, ao contrário do que dizem, porque faz depender os direitos dos cidadãos da sua pertença a uma comunidade particular e não da igualdade entre todos os indivíduos (…). Para se corrigir uma discriminação, cria-se outra. Para se proteger uma minoria, tribaliza-se a sociedade. Um cidadão deixa de ser titular de direitos individuais para ter direitos de grupo.

Esta visão política do Pedro Picoito está correcta, mas convém complementá-la com a interpretação ética da reivindicação do “casamento” gay. O activismo gay (e não os homossexuais em geral, porque existem homossexuais que não são activistas políticos gay; convém chamar os bois pelos nomes) pretende criar uma cultura virtual na sociedade em que a homossexualidade é celebrada através de uma alta condição ética ― comparável ao altruísmo e ao ágape. Senão, vejam este vídeo de propaganda política gayzista espanhola patrocinada e paga pelo governo de Zapatero (reparem na varinha mágica que diz “educação”: um eufemismo para “lobotomia”).

Clique p/ ver

Clique p/ ver

A ler:

4 comentários »

  1. […] Através do “casamento”, a homossexualidade impõe-se como um princípio moral […]

    Gostar

    Pingback por Roger Helmer: a voz da Razão « perspectivas — Quarta-feira, 12 Agosto 2009 @ 6:21 am | Responder

  2. […] Através do “casamento”, a homossexualidade impõe-se como um princípio moral […]

    Gostar

    Pingback por “Casamento” gay: a irracionalidade abençoada « perspectivas — Quinta-feira, 1 Outubro 2009 @ 11:32 am | Responder

  3. […] Através do “casamento”, a homossexualidade impõe-se como um princípio moral […]

    Gostar

    Pingback por Não há paciência para aturar frozôs « A vida custa — Quinta-feira, 12 Novembro 2009 @ 8:35 pm | Responder

  4. […] Através do “casamento”, a homossexualidade impõe-se como um princípio moral […]

    Gostar

    Pingback por O arquétipo da argumentação gayzista em relação ao “casamento” gay « perspectivas — Segunda-feira, 21 Dezembro 2009 @ 7:19 am | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: