perspectivas

Quarta-feira, 20 Maio 2009

A copralalia pedagógica da ‘educação sexual’ da professora de Espinho

A agenda política da Esquerda: a disrupção radical de uma ordem moral utilizando como pretexto a “educação sexual” das crianças, e a decomposição dos nossos valores civilizacionais milenares no sentido da destruição da razão humana.

Em relação à copralalia pedagógica e didática da professora de Espinho (PDF) , gostaria de dizer duas ou três coisas porque também tenho o direito a opinião.

Em primeiro lugar, verifico o absurdo do nosso Código Penal. Pelo que se sabe, a professora vai processar a aluna que fez as gravações áudio na sala de aula que levaram à sua suspensão. Se aquela apelar para o artigo 199 do CP, não sei como um juiz pode fugir à pena de prisão do fautor da gravação, e tratando-se de uma menor, a uma pena de prestação de serviços à comunidade ou coisa que o valha.

copralalia-de-espinho

Resulta disto que a lei é feita para proteger os vigaristas, os corruptos, a imoralidade, a ilegalidade; e que o legislador é genericamente um FDP quando não salvaguarda na lei situações de auto-defesa ou de auto-protecção de direitos comutativos.

(sentido do texto corrigido nos comentários)

Verifica-se a mesmíssima situação no caso do Apdeites, em que o JPG foi vigarizado ― é este o termo: vigarizado! ― e ainda tem que responder em tribunal por ter feito uma gravação para se proteger do vigarista. O artigo 199 do Código Penal deve ser alterado de forma a poder defender as vítimas de prevaricação; uma justiça comutativa nunca o será plenamente sem que o direito de quem sofre quebras de contrato ou atentados à dignidade pessoal seja assegurado de maneira a que se possam defender com meios adequados a cada situação particular.


Em segundo lugar, a escola em causa [Escola Básica 2,3 Sá Couto, de Espinho] é uma escola básica, isto é, tem alunos a partir dos 10/11 anos. É nisto que resulta a agenda política do Bloco de Esquerda e do Partido Socialista: a disrupção radical de uma ordem moral utilizando como pretexto a “educação sexual” das crianças, e a decomposição dos nossos valores civilizacionais milenares no sentido da destruição da razão humana.

Nesta agenda política inserem-se várias iniciativas que a priori nos parecem desconexas, mas que obedecem a uma ordem moral disruptiva que consciente ou inconscientemente existe de facto e é alimentada pela propaganda política do esquerdalho. Entre essas iniciativas está uma visão radical da educação sexual nas nossas escolas, está a distribuição de preservativos a alunos de 11 / 12 anos, e está a defesa da poligamia e da abolição do casamento por parte de um “filósofo bosta” que tem acesso a palanque numa rádio nacional.

É tempo de dizer “basta!”.


Adenda:

Isabel Stilwell tem uma visão estranha do problema. Considera ela que a professora tinha “preocupações moralistas”

“Ameaça, primeiro, descobrir a virgindade da aluna, ou a falta dela, o que é no mínimo insólito, e diz que o fará recorrendo a informadores, os amigos do filho. Tudo com intuitos moralistas, de impedir que andem para aí aos linguados uns aos outros. Extraordinário.”

Isto é um exemplo de desconstrução ideológica de um texto. Eis um trecho do discurso da professora:

“Os rapazes sonham com experiências sexuais desde cedo. Mesmo que seja, já vos expliquei, quando vocês se levantam com as cuecas ou as calças molhadas, já aconteceu a toda a gente e não estou a dizer nada de errado. Se os vossos pais ainda não vos disseram é porque não vos sabem educar”.

Intuitos moralistas? A preocupação anti-moralista da Isabel Stilwell é tanta que vira ao contrário o contexto.

2 comentários »

  1. Caro Orlando:

    O Código Penal não é tão “absurdo” nem tão “linear” como à primeira vista poderá parecer.

    Sendo a gravação da aula da “dita” professora em princípio ilícito penal previsto e punido pelo artº 199º daquele Código, a eventual condenação do autor da gravação não será assim “tão” automática, por isso que há juízes para julgar.

    E isto porque, se o meu amigo der uma vista de olhos pelos artigos 31º a 39º do mesmo compêncio legal (causas de exclusão da ilicitude e da culpa) verá que não é NADA linear uma condenação do autor da gravação. Dir-lhe-ei mais, que é muito possível que, caso venha existir procedimento criminal por isso, resulte em ABSOLVIÇÃO em julgamento, com base naqueles artigos que lhe citei. E isto porque (ainda)acredito que “ainda há juízes em Berlim!”, para usar a famosa expressão do moleiro prussiano.

    Gostar

    Comentar por Victor Rosa de Freitas — Quarta-feira, 20 Maio 2009 @ 11:30 pm | Responder

  2. @ VRF: Obrigado pelo esclarecimento.

    Gostar

    Comentar por O. Braga — Quinta-feira, 21 Maio 2009 @ 1:18 am | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma Resposta para Victor Rosa de Freitas Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: