perspectivas

Segunda-feira, 4 Agosto 2008

O que está por detrás do “casamento” gay?

O que vem depois do “casamento” gay? Tudo o que possamos imaginar.

Neste artigo assinado pela activista política “gay” Nancy Polikoff, antevemos o que vai acontecer se o “casamento” gay se estabelecer legalmente nos Estados Unidos. Polikoff defende que os direitos do casamento devem ser estendidos não só aos casados ― hetero ou homo ― mas a um leque mais alargado de pessoas. Por exemplo: gente que “vive junto” e que não assumiu uma união-de-facto por desconhecimento da lei; para estas pessoas, Polikoff defende que a união-de-facto deve ser assumida pela lei de uma forma automática, sem necessidade de os interessados solicitarem o estatuto de união-de-facto. Pergunto: Como é que isto é possível senão numa ditadura sob a capa de “democracia”? E se o casal não quiser a união-de-facto?

Outro exemplo: nos Estados Unidos (como cá) uma mulher que não tem o direito a exigir uma indemnização pela morte do seu noivo num acidente ― porque não são casados, obviamente. Segundo Polikoff, alguém nessas condições deveria ter esse direito. Bom, abre-se a caixa-de-pandora. E porque não o direito de uma mulher ser indemnizada pela morte do namorado que conheceu ontem na discoteca?

Polikoff defende a ideia de que o casamento não deve ser necessário para que alguns direitos sejam atribuídos a toda a gente, independentemente de serem casados ou não, incluindo pessoas que vivem relações polígamas e gente que vive em relacionamentos múltiplos ― por exemplo: 3 homens que vivem juntos com 5 mulheres, vulgarmente chamado de “poliamoria”.

Vejam: por um lado, Polikoff defende o “casamento” gay; por outro lado, desvaloriza o casamento. Estão a ver o filme? O que está por detrás do “casamento” gay é a luta política ― de origem marxista cultural ― que pretende acabar simplesmente com o casamento. Em vez de se dar a possibilidade de as pessoas se casarem ou não, optando pelo melhor para elas, o sistema passa a abranger indiscriminadamente as pessoas na sua globalidade, sem atender aos direitos e interesses individuais em presença.

«And not all family problems are marital ones. Polikoff’s next examples, also drawn from actual cases, involve the denial of legal rights in relationships among children, parents, and siblings, such as the case of a woman in public housing who was denied permission to share her home with her elderly father, who needed her care. Such problems, Polikoff correctly notes, are not solved by the availability of marriage. Instead, she argues, we need to “envision family law and policy without marriage being the rigid dividing line between who is in and who is out.” She names her new approach “valuing all families.” Family plurality is her answer; not same-sex marriage. Polikoff’s goal is to de-center marriage, including same-sex marriage. »

Se a ideia de Polikoff vingar ― que é a ideia de quem promove o “casamento” gay ― não só a feitura das leis se tornará muito confusa e praticamente ininteligível (as pessoas abrangidas pelas excepções passam a ser tantas como as pessoas para quem a regra legal é feita), como o casamento passa a não fazer sentido nenhum. O casamento passará a ser uma instituição religiosa, e só. Provavelmente, dentro de alguns anos só os católicos e professantes de outras religiões serão casados.

Pergunto: o povo não tem uma palavra a dizer sobre isto?

Deixe um Comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: