perspectivas

Domingo, 20 Julho 2008

A ideia da absoluta necessidade da acção desumana para salvar a Humanidade

Quando os socialistas espanhóis atribuíram os direitos humanos aos símios ― na esteira da filosofia do biólogo bioético Peter Singer ― não o fizeram para salvar as espécies da extinção, porque se fosse esse o caso teriam outras ideias mais práticas e consentâneas com a acção necessária para impedir a extinção do gorila ou do chimpanzé. A ideia socialista (e neoliberal) é tentar mudar a agulha ética e moral do Ocidente, e partir daí, tentar impôr coercivamente a exclusividade uma visão materialista do Ser Humano, não só na Europa como no resto do mundo.

Com o darwinismo, os genes de qualquer animal passaram a ter a suprema importância. No que respeita ao ser humano, os genes passam a ser “sempre diferentes”, e as almas passam a ser “todas iguais”. Criou-se, a partir daí, um novo conceito de “igualdade” no que respeita à ética aplicada ao ser humano entendido como “indivíduo”, ao mesmo tempo que se impõe uma “desigualdade” baseada na genética. Em resultado desta ideia que o darwinismo trouxe consigo, os primeiros evolucionistas eram manifestamente racistas, como faz prova toda a História do materialismo filosófico do século 20, que inclui ideologias como o nacional-socialismo que adoptou claramente o evolucionismo darwinista para defender a ideia da superioridade da raça ariana. Muita gente que se diz “socialista” hoje não faz a ideia de que faz parte de um movimento político e ideológico que herdou o evolucionismo como matriz filosófica e ideológica.

O problema do neodarwinismo é que ainda nenhum evolucionista conseguiu explicar como é que o humor, a matemática, a filosofia e o saber em geral poderão ser produto da evolução natural, quando os nossos antepassados na árvore genealógica da evolução não tinham necessidade de nenhumas dessas capacidades humanas, sendo que, segundo o evolucionismo, é a necessidade que faz a selecção genética e impõe as mutações genéticas.

Por uma questão de coerência e inerência, a ética evolucionista é eugenista e não pode ser de outro modo. Quando um evolucionista se diz “não-racista”, não pode estar a dizer a verdade, ou não sabe o que é. Contudo, o eugenismo não é hoje só característica dos herdeiros da esquerda, mas também dos libertários em geral. Se alguém se diz “libertário” ao mesmo tempo que recusa o eugenismo, ou não é libertário ou não sabe o que é ser eugenista.
Quando vemos activistas homossexuais a defender o evolucionismo compreendemos como é possível manipular ideológica e circunstancialmente alguns grupos minoritários ― sejam étnicos ou culturais ― tendo em vista uma ruptura cultural, ética e moral, que resulte na indiferenciação do ser humano, de tal forma que se possam justificar, no futuro, acções profundamente anti-humanas e totalmente arbitrárias em nome da salvação da Humanidade.

Hoje e para já, o eugenismo assume novas formas: o aborto, selecção do sexo da criança, manipulação genética e eutanásia. Para tentar justificar tudo isto, os neodarwinistas têm a premente necessidade de estabelecer um estatuto de “igualitarismo espiritual” do ser humano, equiparando a alma humana à dos símios (menosprezando as diferenças do ser humano a nível individual) e, em contraponto, fazendo ressaltar a importância das diferenças e semelhanças genéticas, seja entre seres humanos, seja entre o ser humano e os símios.
Quando os socialistas espanhóis atribuiriam os direitos humanos aos macacos quiseram dizer exactamente isso: sendo que, alegadamente e segundo a ética vigente, os macacos não têm uma alma de natureza humana, através da atribuição dos mesmos direitos, a alma humana passa a não ter importância nenhuma ― equaliza-se a alma humana ao nível dos primatas superiores em geral, que alegadamente não a têm; contudo, é a diferença genética que separa o ser humano do símio que é realmente importante e que é, assim, evidenciada. A mensagem é subliminar mas clara.

O perigo desta visão é evidente. Quando alguém defende que um acto desumano em larga escala é justificável para “salvar a humanidade”, todos os actos futuros de desumanidade passam a ser possíveis e eticamente justificados em nome de uma visão materialista do mundo e da vida.

4 comentários »

  1. A salvação da humanidade passa pela redução da emissão de gases de efeito de estufa, o metano e o CO2, por sinal ambos emitidos só por animais, principalmente pelos homens e as suas explorações pecuárias! Os animais é que lixam isto tudo, o homem principalmente (pecado original), Hitler, Stalin e outros sabiam disso e começaram a tarefa que estes hão-de continuar.

    Gostar

    Comentar por Henrique — Domingo, 20 Julho 2008 @ 1:39 pm | Responder

  2. apenas uma correcção, Peter Singer é filósofo e não biólogo… por outro lado deve ter um grande disturbio de personalidade ou algum critério utilitarista mais mal encaixado, pois basta ler a “Libertação Animal” para perceber que o homem é doente…

    “Hoje e para já, o eugenismo assume novas formas: o aborto, selecção do sexo da criança, manipulação genética e eutanásia.” temas curiosamente defendidos pela esquerda tradicional… quanto ao tema já se sabe que de Espanha nem bom vento nem bom casamento… já não se podem chatear quando lhes chamarmos Macacos…

    Gostar

    Comentar por caodeguarda — Segunda-feira, 21 Julho 2008 @ 10:54 am | Responder

  3. Peter Singer foi professor de Bioética, e daí a confusão com “biólogo”. Verdade reposta.

    Gostar

    Comentar por O. Braga — Segunda-feira, 21 Julho 2008 @ 2:39 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: