perspectivas

Domingo, 15 Junho 2008

Vem aí a censura política na blosgosfera



A morte do leviatão (G. Doré)

Acabei de ler o “Arquipélago de Orwell”, de Mercedes Rosúa. Para quem, como eu, viveu durante um ano e pico num país com uma ditadura marxista-leninista (Moçambique — 1975/76), a leitura do livro foi um déjà vu. Comparando o Marxismo com o Salazarismo (que também conheci), e se tivesse que escolher, preferiria — sem hesitação — o segundo. No Salazarismo, só te incomodavam se incomodasses o regime; no Marxismo-leninismo, o regime não está à espera que tu incomodes: ele parte sempre do princípio que incomodas, mesmo que não faças nada por isso.

O Marxismo chinês (maoísmo) evoluiu para uma ditadura capitalista original. Não se trata de uma deriva fascista, porque não existe propriamente um corporativismo organizado e consagrado. O sistema chinês é um sincretismo, algo de completamente novo e que, sendo um leviatão, é diferente do “Leviatão” de Hobbes.

Hobbes imaginou o Homem como um ser anti-social por natureza e defendeu a aplicação firme de normas morais para evitar o caos social. No novo leviatão contemporâneo, não existem propriamente normas morais (no sentido ético), mas normas políticas; as normas políticas coercivas dependem das variações das correlações de forças no seio da elite politica que controla o leviatão, e são muito imprevisíveis: o que é politicamente correcto hoje, pode não ser já amanhã. A ética do leviatão europeu que se pretende construir é o relativismo total sujeito a uma lógica totalitária que progressivamente se instala na sociedade, sem que os cidadãos se apercebam das mudanças e da perda da liberdade.

Uma das características do Leviatão contemporâneo é o Presentismo filosófico-histórico que derivou no Presentismo político que pretende “apagar” a História e criar o “Homem Novo” (este vídeo dá uma ideia do Leviatão actual).


Parlamento Europeu analisa estatuto da blogosfera (link)

“Os blogues e os outros conteúdos produzidos pelos utilizadores da Internet contribuem de forma viva e enérgica para o pluralismo da comunicação e não devem ser sujeitos a restrições. No entanto, existem algumas questões legais, designadamente o direito de resposta, que carecem de uma solução adequada”

Primeiro, a benevolência e tolerância politicamente correctas. A introdução a uma medida de restrição da liberdade é sempre complacente e paternalista.

“Os blogues não podem ser considerados automaticamente uma ameaça, mas imaginemos os grupos de pressão, os interesses profissionais ou quaisquer outros grupos que utilizem os blogues para veicular a sua mensagem. Os blogues são instrumentos poderosos e podem funcionar como uma forma avançada de exercício de pressão. Nesse caso, poderão ser considerados uma ameaça”

Depois, a tolerância estreita-se: o “perigo” dos “grupos de pressão”. Mas nem todos os grupos de pressão constituem um perigo; depende muito do critério aleatório de quem comanda os destinos do leviatão. Há grupos de pressão bons, que têm opiniões positivas, e grupos de pressão maus, que emitem opiniões negativas; ninguém sabe é como esses critérios de valor são estabelecidos.
Um grupo de pressão pode não ser um perigo hoje, e passar a ser amanhã. Depende do activismo político e dos lobbies políticos presentes a cada momento da vida do Leviatão; não existe um critério seguro e firme.

“Não consideramos os blogues como uma ameaça. No entanto, sabemos que podem poluir, de forma considerável, o ciberespaço; a clarificação do estatuto permitiria a resolução legal de eventuais litígios.”

Os blogues poluem o ciberespaço, embora não sejam uma ameaça. Não são uma ameaça, mas poluem. Os blogues são como os veículos de baixa emissão de CO2: não são uma ameaça, mas poluem, e portanto, há que aumentar os impostos que no sentido da auto-limitação da sua circulação. É uma espécie de ecofascismo aplicado às ideias e à opinião.

Esta última asserção é verdadeiramente extraordinária: os blogues poluem a Internet! Como se os motores de busca não fizessem a triagem entre a procura e a oferta de conteúdos!

Imagem daqui.

2 comentários »

  1. Querem controlar a internet como controlam todos os midias. Mas não conseguirão.

    Se não fossem os “blogs que poluem a internet”, nunca teríamos conhecimento de coisas como estas:

    http://apdeites2.cedilha.net/?p=935
    ovigia.wordpress.com

    Gostar

    Comentar por Rita Pereira — Domingo, 15 Junho 2008 @ 12:56 pm | Responder

  2. Não compreendo como é que os Políticos são tão egoístas! quer dizer, tirar a palavra, ignorância e corrupção são estratégias do político para se fazerem de melhores do universo.

    já não basta terem conrompido toda a mídia para passar a informação que só sublima a eles e seus intereces seus sem vergonha…

    Gostar

    Comentar por Chacate Joaquim — Terça-feira, 17 Junho 2008 @ 11:15 am | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: