perspectivas

Sexta-feira, 30 Novembro 2007

O Existencialismo (1)

Devo dizer que não gosto do existencialismo, e portanto não sou insuspeito na minha opinião. Vou tentar falar do existencialismo de uma forma que a maioria entenda, isto é, dizendo mal dele.

Precedendo o Existencialismo moderno, estiveram Kierkegaard e Husserl: o primeiro foi um existencialista cristão que explorou a “possibilidade” como única salvação do Homem. O segundo utilizou a “ontologia”, isto é, a concepção do mundo que se revela pior ou melhor na medida das estruturas que constituem os modos do próprio Homem. Dostoyevsky e Franz Kafka são dois símbolos precursores do Existencialismo contemporâneo: este último seguiu Kierkegaard na ausência de livre-arbítrio do ser humano que paralisa as possibilidades humanas. Contudo, depois da II Guerra Mundial, o existencialismo evolui introduzindo conteúdos ideológicos do marxismo, por um lado, e do niilismo de Nietzsche, por outro, e é essencialmente materialista: considera o ser humano um animal finito e sem alma.

Quando lemos um livro de Albert Camus, sentimos o “absurdo do Absurdo”. O “absurdo do Absurdo” é o total desespero traduzido em palavras, é a máxima expressão da impotência do Homem perante a sua própria realidade, e traduz a recusa do Homem em reconhecer a sua pequenez perante o Universo: o Homem recusa a realidade, e culpa o Absurdo pelo absurdo. A culpabilização do Absurdo pelo absurdo nasce através das ideias de Heidegger.

De Nietzsche, o Existencialismo foi buscar o niilismo da ética sem hierarquia de valores – e por isso, uma ética absurda – e a negação de toda e qualquer metafísica deísta romântica. Do Marxismo, o Existencialismo foi buscar a essência finita do ser humano e a sua materialidade intrínseca. O Existencialismo do pós-guerra evoluiu mais recentemente dividindo-se em três correntes: a metafísica ontocosmológica, o espiritualismo radical, e o empirismo radical. A decadência do Existencialismo, que decorre actualmente e que transporta consigo a decadência da Europa, leva a uma recuperação das teses românticas do Infinito e do Absoluto nos Estados Unidos e na América Latina, aplicadas numa visão científica e cosmológica.

Martin Heidegger

A fenomenologia de Husserl e o carácter intencional da consciência (“intencionalidade”) está na base do Existencialismo.
Martin Heidegger estudou para padre num seminário e apoiou o partido nazi em 1933, enquanto reitor da universidade de Friburgo, através de um discurso sobre “A Auto-afirmação da Universidade alemã”. Heidegger quis ser padre e acabou nazi, e isto diz alguma coisa sobre a sua personalidade.

Heidegger foi um dos discípulos mais proeminentes de Husserl, e rompeu com o mestre quando transforma a subjectividade transcendental de Husserl numa subjectividade não-transcendental, isto é, material (“cisão existencialista”): o Homem é fruto exclusivo do que é aqui (“Ser-aqui”ou “Dasein”) e do “Aqui” que constitui o seu habitat (“Da”), e nada mais do que isso. Para Heidegger, a consciência não existe como algo isolado do Aqui (mundo). A transcendência, segundo Heidegger, é a capacidade do homem em estar no mundo, liberto de qualquer metafísica; o Homem transcende-se pela sua materialidade exclusiva.

“A transcendência significa o projecto e o esboço de um mundo, mas de tal modo que quem projecta é comandado pelo ente que transcende (mundo) e é antecipadamente modelado por ele.”

Portanto, a transcendência é um acto de liberdade do Homem material, sendo que a liberdade se limita a si própria em todas as direcções possíveis. Quando um ser humano elabora “o projecto e esboço de um mundo seu”, coloca-se a ele próprio nesse mundo e sofre as limitações desse mundo que ele projecta. Transcendemo-nos criando um mundo que nos limita. A “transcendência”, segundo Heidegger, está limitada ao Dasein (materialidade do Estar Aqui).

“A liberdade revela-se como aquilo que torna possível simultaneamente a imposição e a sujeição. Só a liberdade pode conseguir que, para o homem, um mundo exista e se realize como mundo”.

Um homem planeia o seu mundo, mas o seu projecto de mundo subordina-o imediatamente, tornando o homem dependente dele e ambicioso por ele. A liberdade é a vontade de fazer coisas, de mudar e de construir, mas ao fazermos tudo isso, perdemos a liberdade porque passamos a fazer parte do processo de mudança e de construção. A noção de absurdo existencialista começa aqui: somos livres mas não somos livres. E se “somos livres mas não somos livres”, tanto faz termos um projecto de mundo como não o ter, porque não tendo um projecto de mundo, isso constitui em si um projecto de mundo: o projecto de não ter um projecto.

Estou parcialmente de acordo com Heidegger. Um exemplo do que ele diz são os políticos que protagonizam um projecto de mundo (José Sócrates) e são condicionados na sua liberdade pela própria dinâmica de mudança que criaram. Porém, Heidegger não distingue a consequência da liberdade de um Mahatma Ghandi da consequência da liberdade de um Pol-pot; para Heidegger, é absolutamente irrelevante o que um ser humano faz com a sua liberdade, desde que “se transcenda” com um seu projecto de mundo, seja ele activo ou passivo. Aqui, já não concordo. Implicitamente em Heidegger está a ideia de que se uma pessoa mata outra, fá-lo no seu legítimo processo de “transcendência” e no exercício absoluto da sua “liberdade”, e nesta medida, matar ou não matar tem o mesmo valor “transcendental”. O aborto livre é o exercício do conceito de “transcendental” e de “liberdade” de Heidegger; o assassínio é punido por lei, mas pelas ideias de Heidegger, infere-se que se trata de uma convenção social que pode ser legitimamente revogada.

O Mundo de Heidegger é um mundo de “coisas”, e é na ligação do Homem às coisas do mundo que está a sua transcendência. A transcendência do Homem está na sua ligação com os utensílios materiais à sua disposição, e resume-se a isso. O fim último da utilizabilidade das coisas é a satisfação do Homem, e a satisfação implica que as coisas estejam “à mão” do Homem, que possam ser alcançadas pelo Homem; surge daqui o conceito de “espacialidade” de Heidegger. O espaço é um conjunto de determinações de proximidade e de afastamento das coisas baseadas na sua capacidade de utilizabilidade pelo Homem. O espaço existe em função da sua utilizabilidade.

As coisas existem no espaço, o Homem utiliza-as em função da sua proximidade, o Homem planeia em função da sua “espacialidade”, transcendendo-se e exercendo a sua liberdade que se auto-limita, e o Homem tenta compreender as suas auto-limitações através da compreensão das suas possibilidades de transcendência, surgindo a “interpretação” que dá lugar a um “juízo”. Do conceito de “interpretação”, Heidegger desenvolve o desconstrucionismo ideológico que deu lugar ao aparecimento de aberrações filosóficas como a de Derrida. O “juízo” é o valor da utilizabilidade da “coisa” em relação a determinado ser humano, e pode não ser a utilizabilidade da coisa em relação a outro ser humano. Do conceito de “juízo”, Heidegger desenvolve o relativismo.

Segundo Heidegger, é neste processo que vai da compreensão até ao juízo que se baseia a ciência, sendo que a ciência é relativista porque existe sempre a possibilidade do juízo científico ser alterado por um projecto humano. A “interpretação” e o “juízo” fazem de tudo o que utilizável como “coisas corpóreas”, cuja possibilidade de utilização se insere como um possível predicado. A “coisa corpórea” é uma simples presença, que convertida em objecto da ciência se transforma num “tema” possível de investigação e de orientação. Para Heidegger é uma “coisa corpórea” uma pedra como um feto humano, ou mesmo outro ser humano. Não existe uma escala ética na classificação das coisas corpóreas e da sua utilizabilidade pela ciência. Para Heidegger, o cientista pode transcender-se e exercer o seu acto de liberdade planeando o seu mundo, tratando de forma idêntica uma pedra e um feto humano como sendo “coisas corpóreas” utilizáveis.

Na minha opinião, Heidegger é muitíssimo mais perigoso que Marx, e foi em Heidegger que Hayek foi beber muita da sua base filosófica.

Para Heidegger, a Existência é, em si mesma, um Ser comparável a qualquer outro, é ela própria uma “coisa corpórea”, porque a Existência está no mundo como qualquer outra coisa. A Existência é uma “coisa”, como uma pedra é uma “coisa” – exactamente nesta medida, e nada mais do que isto.
Heidegger recusa o idealismo porque como “não existe um sujeito sem mundo”, também não existe “um Eu isolado, sem os outros” (influência marxista). O antropocentrismo de Heidegger é um antropocentrismo materialista desprovido do idealismo de Marx; é um antropocentrismo amorfo.

A substância do Homem não é o espírito, mas antes a existência. Descartes disse que “Penso, logo existo”; Kant disse que “Transcendo-me, logo existo”; Heidegger disse que “Existo, logo existo”. “Eu existo, logo existo”, é o absurdo de Heidegger.

Assim como a relação do Homem com as coisas é de apropriação natural e espontânea em função da sua proximidade, a natureza das relações do Homem com os outros é a “apropriação dos outros”, o tomar conta dos outros. Para Heidegger, o esclavagismo faz parte da ordem natural da existência, e por isso, não existe nenhum mal intrínseco no esclavagismo. “Tomar conta dos outros”, tanto pode ser ajudar os outros como escravizar os outros, e ambas as situações relativas se inserem na ordem natural da existência. O que pode levar um homem pelo primeiro caminho e preterir o segundo, é a sua liberdade e o seu projecto de mundo.

É neste contexto que surge o relativismo contemporâneo. Heidegger é o grande responsável pelo relativismo moral. Através da “interpretação” da linguagem, Heidegger conclui que a “coisa é assim porque assim se diz”, e se dissermos a coisa de outra forma, a coisa passa a ser outra coisa. E como a coisa pode ser diferente para cada uma das “coisas que são os seres humanos”, a coisa só é o que é para cada um deles, e portanto, não existe um conceito válido e comum de coisa para todos eles. E é válida a exaltação do assassínio em massa por parte da “existência anónima”, como a exaltação da paz, porque a “análise existencial” não se pronuncia sobre juízos de valor.

Através do conceito de “existência anónima” do ser humano, Heidegger intui o conceito de “dejecção”, isto é, a queda do ser humano ao nível da matéria inerte; o Homem é um dejecto, uma defecação; o Homem é merda.

A “dejecção”, segundo Heidegger, não se trata do resultado de um pecado original nem algo que o progresso da humanidade possa eliminar: faz parte essencial do ser humano, isto é, o Homem é uma merda por natureza, sempre foi e será. E como o Homem é uma merda, não existe mal intrínseco em colocar os outros homens ainda mais na merda do que já estão. Para Heidegger, trata-se de uma simples dialéctica escatológica.

Se juntarmos todas as peças do puzzle ideológico referenciadas neste texto, chegamos ao relativismo moral europeu contemporâneo e à ideia interiorizada pelas pessoas de que a Vida Humana nada vale – ou de que vale tudo, até arrancar olhos.

(a continuar)

Sobre Nietzsche ler: “O profeta do anticristo”

4 comentários »

  1. É bom que haja alguém com a lucidez e conhecimento suficientes para desmascarar todo este teatro montado para baixar o Homem à condição de inerte. Nem sequer lhes chega que seja uma besta, tem que ser mesmo merda…

    Gostar

    Comentar por Henrique — Sábado, 1 Dezembro 2007 @ 6:47 am | Responder

  2. Absurdas são as coisas que li nessa crítica.
    Negar a existência e a conformidade humana é negar a própria liberdade.
    Estar alienado a idéias subjetivas ou qualquer outra forma de “sub-realidade”, é exatamente um absurdo.

    Péssima essa crítica sobre Nietzsche.
    Qualquer bem informado sabe que Nietzsche não apelava ao niilismo.
    Dizer que os escritos de Nietzsche são niilista, é mais que provar que você não entendeu nada do que ele escreveu.

    Teria mil razões para criticar essa sua crítica, mas seria perda de tempo.

    Favor, reveja seus conceitos.

    Gostar

    Comentar por Rafael — Quarta-feira, 2 Abril 2008 @ 11:58 am | Responder

  3. Com o respeito possível, vem um tipo destes (comentador acima) dizer que Nietzsche não apelava ao niilismo. Por favor ler a Wikipedia : Nietzschean nihilism. Grande besta, na forma gratuita como critica sem saber a ponta-de-um-corno daquilo que diz e sem fundamentar a crítica.

    Sobre Nietzsche ler: “O profeta do anticristo”

    Gostar

    Comentar por Orlando — Quarta-feira, 2 Abril 2008 @ 1:11 pm | Responder

  4. concordo plenamemte o penssamento acima ?

    Gostar

    Comentar por o existencialismo — Quinta-feira, 30 Abril 2009 @ 12:39 am | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: