perspectivas

Quarta-feira, 18 Julho 2007

As Sociedades Secretas (4)

Filed under: Maçonaria,Política,Sociedade — O. Braga @ 12:09 pm

mysteres_maconaria.jpg
(Baphomet e o pentagrama)

Vox Populi

Chegados aqui, convém falar em algumas obras literárias da actualidade que nos falam da interacção da maçonaria com a Igreja Católica.
Umberto Eco escreveu “O Nome da Rosa” (transformado em filme), que é uma crítica mordaz à Igreja Católica medieval e à Inquisição. A acção narrada no livro decorre num mosteiro beneditino dos Alpes marítimos italianos, durante no pontificado do Papa João XXII – provavelmente, nos anos 20 do século 14, isto é, poucos anos depois da extinção dos templários.

Na mitologia grega, Cupido ofereceu uma rosa a Harpócrates, o deus do silêncio, para que este não traísse Vénus e não divulgasse as suas aventuras amorosas. A maçonaria medieval debatia as questões sexuais relacionadas com o hermafroditismo e rituais sexuais de iniciação, utilizando uma linguagem simbólica, na qual a “rosa” significava a genitália feminina (tabu). A rosa como símbolo do silêncio, do tabu e do secretismo passou da mitologia grega para o simbolismo maçónico europeu. Não foi por acaso que Umberto Eco escolheu este título para o seu livro (“O Nome da Rosa”), nem foi por acaso que surgiram, por exemplo, as sociedades secretas dos rosacrucianos (Rosas-cruzes). Os rosas-cruzes provavelmente dirão que não, que o seu nome vem de um tal Christian Rosencreutz (traduzido literalmente: cristão cruz de rosas), que na minha opinião é um pseudónimo de um alemão que terá fundado essa sociedade secreta no século 14. Outros rosacrucianos dirão que o nome da organização vem do Egipto antigo e da sua criação por parte de um faraó. Seja. Mas que o nome da rosa é o símbolo do silêncio entre rosacrucianos, não tenho dúvida. Sampaio Bruno, um mação notório, escreveu no seu livro “Os Cavaleiros do Amor, publicado em 1960: “Da Rosa, nada digamos agora…” A Rosa de Sampaio Bruno, não é uma flor ou uma mulher, mas o silêncio do secretismo e a sua razão.

“O Pêndulo de Foucault”

Outro livro de Umberto Eco, “O Pêndulo de Foucault”, fantasia sobre a existência de um gnosticismo com origem no politeísmo oriental que subverteu a Ordem dos Templários, e de um subsequente “complot” maçónico que pretende controlar o mundo. Segundo a crítica do semanário Expresso, “o livro trata do esoterismo, mundo de coisas ocultas dentro de outras já manifestadas. O autor parte de um fantasma ocidental: a extinção dos Templários. No convento de Cristo em Tomar, um dos protagonistas tem a revelação do ‘Plano’.”
Contudo, a história d’ “O Pêndulo de Foulcault” (que eu saiba) não foi adaptada para série televisiva ou cinema, e muito provavelmente não o será; e porquê? Acontece que “O Nome da Rosa” e “O Código da Vinci” criticam a Igreja Católica, e os conteúdos de ambos os livros não hostilizam a maçonaria – pelo contrário, no caso do livro de Dan Brown, até faz a apologia das sociedades secretas maçónicas e da sua herança cultural. Já “O Pêndulo de Foucault” tece uma trama fantasiosa – e imbuída de uma ironia digna de Chesterton – de “denúncia” da existência de uma conspiração maçónica para dominar o mundo. E o filme não surgiu, sabe-se lá porquê…

O “Código da Vinci” e a propaganda maçónica

Mais recentemente, “O Código Da Vinci”, também transformado em filme, é um exemplo da exteriorização do gnosticismo maçónico, quando critica duramente a Igreja Católica e tenta, de uma forma pueril, minar os fundamentos teológicos do cristianismo em geral, através da fantasia da união entre “Maria Madalena” e Jesus Cristo, que terá gerado uma prole que se disseminou pela Europa, e que terá dado origem à dinastia Merovíngia.
Dizem-me que livro “é um romance, e nada mais do que isso”, e que poderei estar a sobrevalorizar uma simples narração ficcionada; pois bem, mas um veneno bem ministrado é sempre aquele que não se sente, que mata lentamente e sem muita dor. Por detrás da fantasia do “Código Da Vinci” existe puro veneno maçónico.

A referência aos Templários é mais do que evidente, e é um dos temas centrais do livro. Segundo “O Código Da Vinci”, na sequência da dissolução da Ordem monástica dos cavaleiros do Templo, surgiu uma sociedade secreta, o “Priorado de Sião”, que se dedicou a prosseguir os objectivos traçados pela Ordem extinta no início do século 14.

Por outro lado, e para além da fantasia do relacionamento sexual entre Jesus Cristo e Maria Madalena, o que está realmente subjacente ao livro de Dan Brown é o “culto da deusa”, essencialmente politeísta; este “culto da deusa” é inerente às religiões politeístas primitivas, em que a mulher é a sacerdotisa e simultaneamente objecto sexual, ocupando um papel de relevância religiosa. O “culto da deusa”, sendo presumivelmente um “culto do feminino”, está na génese do hermafroditismo sacralizado que tanto agrada à maçonaria – que como sabemos, é essencialmente masculina – com os seus rituais de iniciação contendo, em algumas organizações maçónicas (e não só na Idade Média), actos de homossexualidade e até de pedofilia.

Leonardo e o “Código Da Vinci”

Vou perder algum tempo com alguns detalhes sobre o “Código da Vinci”. Como o título do livro indica, a representação pictórica da “Ultima Ceia” de Leonardo da Vinci e a figura assexuada que está sentada à direita de Jesus, constituem o “Leit Motiv”da obra de Dan Brown. Como sabemos, Leonardo da Vinci era homossexual, e para o compreendermos teremos que conhecer alguns factos chave da sua vida.
Leonardo nasceu ilegítimo, filho de um cidadão da localidade italiana de Vinci, notário de profissão, e da sua ligação com uma camponesa analfabeta. Leonardo foi educado pela família do pai, embora na sua ausência, isto é, foi criado sem pai presente, o que marcou profundamente a sua infância – a Psicologia sabe, hoje, a importância da presença do pai e da mãe na educação das crianças, embora não seja politicamente correcto fazer referência a este facto.
Muito cedo, Leonardo foi para Florença, onde sob os auspícios do pintor Verrocchio entrou em contacto com a pintura e escultura da época, mas também com a devassidão moral que caracterizava o mundo artístico de Florença. Mais tarde, passou a ser subsidiado pelo Duque de Milão, o estroina e decadente Sforza, que obrigava a sua própria esposa a participar em bacanais de swing e de sexo bissexual. Com a desgraça política de Sforza, Leonardo entrou ao serviço dos famigerados Bórgias, cujo comportamento sexual promíscuo e a utilização sistemática de venenos nas suas “vendettas” pessoais foram registados pela História. Por fim, Da Vinci passou a ser subsidiado pela família Médici, entre eles o próprio Papa Médici, Leão X, que se divertia a fornicar a sua própria irmã, o mulherio e os invertidos que se aproximassem dos seus aposentos no Vaticano. Tudo gente boa. Com toda esta experiência de vida, não se poderia esperar outra coisa da “orientação sexual” de Leonardo Da Vinci.

Ao contrário do que Dan Brown sugere no seu livro, Leonardo Da Vinci não quis pintar Maria Madalena ao lado de Jesus, mas quis explicitamente sugerir que Jesus Cristo era homossexual e que manteve um relacionamento com o seu “assexuado” apóstolo João. As figuras assexuadas que Da Vinci pintou são um reflexo da sua homossexualidade aculturada – que se entroncou posteriormente no “culto da deusa” e nos valores da “superioridade do hermafroditismo” – e do acto sexual como expressão do religioso (o conceito de “Hieros Gamos”) – e em toda uma derivação gnóstica com raízes na antiguidade que a Alta Maçonaria defende, e de que Leonardo Da Vinci fez parte.

++++++++++

Uma coisa é inegável: Jesus de Nazaré nasceu – viveu e morreu. Os relatos escritos, oficiais ou apócrifos, são tantos e tão eloquentes, que não é possível que alguém com dois dedos de testa coloque em causa a veracidade deste facto. Se é verdade que Jesus viveu, as interpretações da história da Sua vida divergem em alguns pontos; e isto também é um facto. Mas nenhum dos relatos históricos encontrados pode fundamentar o que quer que seja sobre um eventual relacionamento mais íntimo entre Jesus e Maria Madalena (ou quem quer que fosse), e muito menos sobre a existência de filhos entre os dois; simplesmente não existe nada que fundamente a história de Dan Brown sobre o “Hieros Gamos” de Jesus e Madalena, e a única coisa que é credível no seu “romance”, é o facto indesmentível da existência de um projecto de Poder maçónico obscuro e muito peculiar, que evoluiu até hoje.

Tanto o “Sangue Real, Santo Graal”, de Baigent, Leigh e Lincoln, como o “Código Da Vinci” de Dan Brown, e outras obras literárias esotéricas dos finais do século 20, “brincando” vão “levando a água ao moinho”, ao tentarem fazer passar a ideia de que a missão exclusiva dos templários e das sociedades secretas foi o de guardarem o segredo do casamento de Jesus com Maria de Betânia. O que os autores dos dois livros supracitados não referem (nem convém que se fale muito nisso) são as imagens de Baphomet gravadas na pedra e que são bem visíveis numa sala da (única e genuína existente) igreja dos Templários em Tomar. O que faz o Baphomet – um dos símbolos do anticristo – numa igreja templária? E qual a razão para esta obsessão literária recente com Jesus e Maria Madalena?

A minha grande interrogação sobre esta matéria consiste em saber o que é que pode fazer com que uma organização secreta se mantenha praticamente intacta e perdure durante dois milénios, resista ao passar das gerações, se expanda contínua e tentacularmente, sem ser beliscada pelo passar do tempo! Sabemos que os projectos mundanos de Poder político são efémeros; os impérios constroem-se e caem em meia dúzia de séculos. A única resposta que encontro para o fenómeno maçónico é óbvia: existe uma ideologia religiosa no seio da Alta Maçonaria.

(Segue-se: “os Templários” e o “Luciferismo”)

10 comentários »

  1. Só um reparo.
    Não li o livro (há coisas que “risco do mapa”). Creio que ele fala de Maria Madalena — esta nos Evangelhos nunca foi confundida ou igualada a Maria de Betânia (irmã de Marta e de Lázaro, família que Jesus estimava).
    Maria Madalena é descrita como tendo sido liberta de sete demónios — número simbólico que aqui talvez tenha o significado de “muitos”. Está escrito que foi uma das mulheres acompanhantes de Jesus e que esteve presente na sua morte e foi a primeira testemunha da sua ressurreição.
    Também não está escrito que a mulher pecadora que ungiu Jesus (há duas versões) tivesse nome; uma das versões coloca a cena em Betània, em casa dum fariseu, Simão de seu nome.
    Mais importante! Nunca, desde há quase dois milénios, houve reparos sobre ligações de Jesus com mulheres! E ele estava proximamente rodeado de algumas que, ao que parece, até contribuiam para a economia do grupo! Só Deus pode amar e ser amado sem amor carnal.
    Cumprimentos.

    Gostar

    Comentar por me — Quarta-feira, 18 Julho 2007 @ 6:25 pm | Responder

  2. Concordo. Jesus sublimou, e a maioria não compreende isso.

    Gostar

    Comentar por Orlando — Sexta-feira, 20 Julho 2007 @ 12:15 pm | Responder

  3. ”Ao contrário do que Dan Brown sugere no seu livro, Leonardo Da Vinci não quis pintar Maria Madalena ao lado de Jesus, mas quis explicitamente sugerir que Jesus Cristo era homossexual e que manteve um relacionamento com o seu “assexuado” apóstolo João.”

    Caro Orlando,
    É capaz de me explicar esta sua afirmação? Isto é, com que bases é que faz uma tal acusação?

    Um relacionamento quê? Um relacionamento sexual??? Entre Jesus e João??? Acha que da Vinci quis sugerir isto?

    Cumprimentos

    Gostar

    Comentar por Terpsichore E.M. — Terça-feira, 20 Novembro 2007 @ 5:33 pm | Responder

  4. Muitas das figuras que Leonardo pintou eram assexuadas, incluindo a própria Mona Lisa. Leonardo tinha uma fixação na assexualidade, e uma das razões óbvias para que isso acontecesse era a de que Leonardo era homossexual. Portanto, não se trata de uma acusação, mas de uma constatação decorrente de uma dedução lógica e óbvia.

    Gostar

    Comentar por Orlando — Terça-feira, 20 Novembro 2007 @ 6:00 pm | Responder

  5. Boa noite, caro Orlando
    Como é que sabe que Leonardo era homosexual?

    Gostar

    Comentar por Terpsichore E.M. — Terça-feira, 20 Novembro 2007 @ 7:26 pm | Responder

  6. Está nos bons livros de História. Ele sempre gostou dos rapazes novinhos, entre 15 e os 20 anos.

    Gostar

    Comentar por Orlando — Quarta-feira, 21 Novembro 2007 @ 1:00 pm | Responder

  7. Nos bons livros de História? Quais?

    Gostar

    Comentar por Terpsichore E.M. — Quinta-feira, 22 Novembro 2007 @ 12:01 am | Responder

  8. Caro Orlando
    A conversa pode ir um pouco mais rápido… se quiser fazer o favor de dizer logo as suas fontes: quais os bons livros de História, pag e parágrafos. E quais os autores. Obrigada

    Gostar

    Comentar por Terpsichore E.M. — Quinta-feira, 22 Novembro 2007 @ 12:13 am | Responder

  9. Terpsic: tenho tido muito pouco tempo para o blogue. Faça uma pesquisa no google: leonardo da vinci homosexual

    Gostar

    Comentar por Orlando — Sexta-feira, 23 Novembro 2007 @ 5:31 pm | Responder

  10. Meu comentario sobre “O Codigo da Vinci” base-ia-se principalmente no V (simbolo femenino) e no A (que seria V invertida) e que seria o simbolo masculino.
    O quadro da “Ultima Ceia” de Leonardo da Vinci deve ser melhor analisado. Tenho a convição de que Leonardo da Vinci era Maçom. Ele deixa uma marca em seu quadro: vejam o angulo de 90º, que perfazem o braço esquerdo João (Madalena) e braço direito de Jesus. (provavelmente de face a face eu não tenho o original).Um esquadro perfeito (representa equidade, justiça e retidão) E o proprio Jesus a posição Dele é um compasso (simboliza a espiritualidade) corforme são os pricipais simbolos maçonicos.
    Se Dan Brown tivesse observado melhor, não escreviria tamanha barbaridade!

    Gostar

    Comentar por luis polo — Domingo, 15 Novembro 2009 @ 6:13 pm | Responder


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: