perspectivas

Sábado, 29 Setembro 2012

As tatuagens e a desfiguração do corpo

«Um destes últimos dias – o que, de resto, faço em quase todas as semanas do ano – fui ao supermercado. Que tenha reparado, na ocasião, cruzei-me sucessivamente com três moçoilas, todas elas tatuadas: uma, tinha o desenho de um golfinho no pescoço; outra, de um conjunto de estrelas também no pescoço; outro ainda, por sinal trajada de forma bastante imodesta, de mais um conjunto de estrelas, desta vez abaixo do seu ombro esquerdo, e do que me pareceu ser um sol no respectivo tornozelo direito. Pelo meio, ainda topei um “orc” com um carácter chinês grafado na zona da nuca. Pensei para comigo: isto são pequenos sinais evidentes de uma sociedade em avançado estado de decomposição e em processo de acelerado retorno à barbárie.»

via A Casa de Sarto: Pequenos sinais evidentes.

A tatuagem moderna tem pouco a ver com as culturas dos povos primitivos; trata-se de um fenómeno cultural novo e muitíssimo mais nocivo do que as tatuagens das culturas arcaicas. Enquanto que, nas sociedades primitivas, a tatuagem tinha um valor de ordem, na sociedade actual tem um valor de desordem.

No homem das culturas primitivas — vulgo “bárbaro” — a tatuagem tinha um sentido religioso e comunitário. Podemos discutir se a religião dele era positiva e evoluída, ou não. Mas a verdade é que a tatuagem desempenhava uma função religiosa que ligava o indivíduo à comunidade.

Ora, o que acontece com a função cultural actual da tatuagem é exactamente o contrário da do homem primitivo: é a manifestação de uma anti-religiosidade básica e primária mediante a adoração do feio e da desfiguração do corpo, por um lado, e, por outro lado, é o divórcio do indivíduo em relação à comunidade, por intermédio de uma afirmação radical da identidade individual e da supremacia absoluta do valor da denominada “autonomia do indivíduo”.

A tatuagem revela também o masoquismo prevalecente em uma certa subcultura actual e o mimetismo preconizado por Georg Simmel mediante o conceito de efeito “Trickle-down”. Um certo masoquismo e sado-masoquismo que prevalece em uma certa elite cultural tatuada — por exemplo, as estrelas POP e de cinema imiscuídas na cultura gayzista que é sado-masoquista por sua própria natureza, e na ideologia de neutralidade de género que nega a realidade objectiva da Natureza —, e esses valores negativos são transmitidos por mimetismo cultural através dos me®dia à sociedade em geral.

A assunção da tatuagem, à semelhança por exemplo do “coming-out” gay, é uma espécie de “coming-out” anti-social e, por isso, anti-religioso. Não é possível separar o fenómeno da tatuagem actual, por um lado, dos valores estéticos negativos da moda controlada por criadores homossexuais, a partir da década de 1970, que criaram o modelo da mulher anoréctica que revela a imagem do prazer do pederasta, por outro lado.

Um fenómeno idêntico aconteceu com o consumo de drogas: começou por ser um fenómeno cultural de uma certa elite, passou à sociedade em geral e às classes mais baixas através da moda e mediante o efeito Trickle-down, e hoje é já uma cultura rejeitada tanto pelas elites como pela sociedade.


O significado (o valor do símbolo) não é o mesmo do do homem primitivo. A tatuagem no homem primitivo era um símbolo, e não apenas um signo ou sinal. O símbolo tem um conteúdo, em que é simbolizado o representado, enquanto que os sinais são escolhidos arbitrariamente. O símbolo, para além do significado cultural que o sinal também pode ter, tem um significado espiritual (relativo à experiência humana subjectiva e que adquire uma significação de experiência intersubjectiva e/ou colectiva, e por isso, religiosa) que o sinal não tem. Um sinal só passa a ser um símbolo quando passa a ter um conteúdo com relação a um representado, o que lhe retira a arbitrariedade previamente existente. Um símbolo é eminentemente intersubjectivo, e nunca se muda porque isso resultaria também na dissolução do seu significado intersubjectivo; um sinal pode ser mudado mantendo-se o seu significado anterior.

Portanto, enquanto que para o homem das culturas primitivas, a tatuagem era um símbolo (com respeito à religião e à sua ligação à comunidade), para o homem contemporâneo a tatuagem é apenas um signo ou sinal desprovido de qualquer religiosidade e de qualquer ligação intrínseca à comunidade.

A new television series has shed light on the bizarre Japanese trend for ‘bagel heads’.

via Bagel head trend: Are saline injections Japan's most extreme beauty look yet? | Mail Online.

A tatuagem pretende ser também a negação da uniformidade pós-modernista e a luta contra a homogeneização cultural, mas acaba por redundar numa uniformização e homogeneização formal da cultura, ou seja, mudam os conteúdos mas mantém-se uma forma cultural homogeneizada.

O valor da tatuagem, em relação à sociedade e ao contrário do que acontecia nas sociedades primitivas, é hoje um fenómeno cultural negativo porque se trata de uma auto-mutilação com um conteúdo e valor estritamente individual — na maior parte dos casos inestética, anética e por isso anti-religiosa —, desprovido de simbolismo intersubjectivo social e comunitário. Revela o fenómeno cultural actual da atomização da sociedade e do isolamento do indivíduo face ao Estado, que anuncia um novo tipo de totalitarismo que ameaça.

About these ads

Deixe um comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed para os comentários a este artigo. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

The Rubric Theme. Create a free website or blog at WordPress.com.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 450 outros seguidores