perspectivas

Sábado, 22 Setembro 2012

O feminismo radical de Marine Le Pen

La jefa del partido de ultraderecha francés Frente Nacional, Marine Le Pen, propuso prohibir el velo musulmán y la kipá judía en todos los espacios públicos, incluso en la calle, en una entrevista publicada este viernes por el diario Le Monde, en plena polémica suscitada por la divulgación de un video islamófobo y caricaturas de Mahoma.

via La ultraderecha laicista: Marine Le Pen pide prohibir el velo y la kipá incluso en la calle – ReL.

Não estamos em presença de um “partido de extrema-direita”, como se diz por aí. A FN de Marine Le Pen é um partido revolucionário, e por isso, de extrema-esquerda. Aliás, o partido nazi sempre foi considerado, no seu tempo e em toda a Europa da década de 1930, como um partido de esquerda.

A FN (Front Nationale) de Marine Le Pen não é apenas e só contra a imigração massiva: também é contra a manifestação pública das religiões. Ou seja, a FN faz parte do problema da Europa, e não da solução.

Isto demonstra que é extremamente difícil a qualquer partido político, de qualquer país da Europa, sair da respectiva dialéctica hegeliana que subjaz ao processo político endógeno. Para que um partido político possa sair do império da dialéctica, são essencialmente necessárias duas coisas: uma liderança muito forte do ponto de vista intelectual, e um núcleo interno de supervisão ética com forte influência nas decisões do partido.

Marine Le Pen confunde propositadamente “imigração”, por um lado, com “religião”, por outro lado. Eu penso que essa confusão é propositada, porque de outro modo teria que concluir que Marine Le Pen é estúpida.

Quando Marine Le Pen pretende proibir o uso público do véu islâmico ou Hijab — ¡ não confundir com a Burka ou com o Niqab ! — e o Quipá judeu, revela, por um lado, a faceta política paganista da FN, e por outro lado revela o feminismo radical de Marine Le Pen.

Portanto, não estamos em presença de um “partido de extrema-direita”, como se diz por aí. A FN de Marine Le Pen é um partido revolucionário, e por isso, de extrema-esquerda. Aliás, o partido nazi sempre foi considerado, no seu tempo e em toda a Europa da década de 1930, como um partido de esquerda.

Adenda: uma mulher francesa e nativa — de pele branca de marfim, loura natural e de olhos azuis — pode perfeitamente sentir que, por exemplo, a sua adesão ao Islamismo faz todo sentido para si própria. E por isso passaria a usar o Hijab. E também por isso é que não podemos confundir “imigração” com “religião”.

Deixe um comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed para os comentários a este artigo. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Theme: Rubric. Get a free blog at WordPress.com

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 503 outros seguidores