perspectivas

Segunda-feira, 23 Julho 2012

Sociopatia e psicopatia: para quem faz a confusão entre os dois termos

Filed under: cultura — orlando braga @ 9:04 am

A sociopatia não é muito diferente de psicopatia. A sociopatia é um desequilíbrio patológico que se manifesta num comportamento anti-social e impulsivo ou agressivo.

Um psicopata só não transparece como sendo sociopata se ele for isolado da sociedade, ou se a sua psicopatia for sublimada ou obnubilada pela militância em uma organização política conceituada.

Adenda: a ler, sobre este assunto: Psicopatia, sociopatia e epigenética

About these ads

8 Comentários »

  1. Olá, Orlando Braga!

    Segundo a Psicóloga Ana Beatriz (vide youtube), sociopatia é um termo ultrapassado, o qual carrega a idéia que teria fruto na sociedade. Segunda a mesma, na psiquiatria moderna, sabe-se que a sociedade por si não é capaz de gerar um ser perverso. Seria o mesmo que dizer que não existe sociopatia e apenas psicopatia. Psicopatia e ”sociopatia” é o mesmo transtorno.

    Abraço!

    Comentário por Bernardo de Lima — Terça-feira, 24 Julho 2012 @ 12:36 am | Responder

    • Você está a fazer confusão. Sociopatia não significa necessariamente [repito: necessariamente] que a perversidade vem da, ou tem origem, na sociedade. Antes, significa que a perversidade existente se manifesta contra a sociedade.

      http://www.priberam.pt/dlpo/default.aspx?pal=sociopatia

      “A sociopatia é o desequilíbrio patológico que se manifesta num comportamento anti-social e impulsivo ou agressivo.”

      Comentário por O. Braga — Terça-feira, 24 Julho 2012 @ 12:43 am | Responder

    • “Segunda a mesma, na psiquiatria moderna, sabe-se que a sociedade por si não é capaz de gerar um ser perverso.”

      Isso é treta. Só contaram pr’a Você!

      A relação do indivíduo com a sociedade é dinâmica. Afirmar que “a sociedade por si não é capaz de gerar um ser perverso” significa dizer que essa relação é estática.

      Comentário por O. Braga — Terça-feira, 24 Julho 2012 @ 12:45 am | Responder

  2. Então, Orlando, eu não sou o entendido de psiquiatria, mas o que vi dito por esta que citei também vi em alguns outros lugares: havia antigamente a distinção entre o transtorno correspondente a psicopatia e outro correspondente a sociopatia. Com os avanços da psiquiatria verificou-se que estes dois transtornos são apenas um: psicopatia. Ou transtorno de personalidade anti-social.
    “A sociedade por si não é capaz de gerar um ser perverso” que disse não quer dizer que inexiste uma relação entre a sociedade e as pessoas. E sim que para o transtorno de personalidade anti-social a sociedade é apenas uma das variáveis a serem consideradas, e não a única, ou principal, que era na sociopatia. Segundo vi este seria um avanço da psiquiatria que acabou com termo ‘sociopatia’ tecnicamente, e diluiria ele dentro do termo psicopatia. (dei uma olhada rápida agora: http://mundoestranho.abril.com.br/materia/qual-a-diferenca-entre-psicopata-e-sociopata) .
    Até onde sei sociopatia é um termo da psiquiatria.

    Abraço, adoro seu blog!

    Comentário por Bernardo de Lima — Terça-feira, 24 Julho 2012 @ 2:55 am | Responder

  3. “Com os avanços da psiquiatria verificou-se que estes dois transtornos são apenas um: psicopatia.”

    Mas isso foi o que eu afirmei no postal.! Pf leia novamente o que eu escrevi.

    O problema que eu levanto é o da definição de “sociopatia”. Repare bem: os dicionários, por princípio, não estão errados.

    Segundo os dicionários — todos os que eu consultei — a sociopatia não significa que a patologia do indivíduo tenha origem exclusiva na sociedade, e seria absurdo que tivesse, porque a relação do indivíduo com a sociedade é dinâmica.

    Nós não devemos acreditar acriticamente nas ciências sociais ou humanas, principalmente não devemos acreditar na psicologia. Vou escrever um outro postal sobre este assunto.

    Comentário por O. Braga — Terça-feira, 24 Julho 2012 @ 9:00 am | Responder

  4. Você está utilizando o termo dicionarizado de forma fetichista. Sociopatia antes de tudo é um termo da psiquiatria. Os dicionários estão sim ultrapassados em relação a isto. Tu que fizeste uma confusão dos diabos.

    Comentário por Bernardo de Lima — Terça-feira, 24 Julho 2012 @ 6:51 pm | Responder

    • Bom, já vi que você decidiu que, do alto da sua sapiência, os dicionários estão errados. Então, e em função da sua autoridade de direito que decretou a invalidade dos dicionários, terei que humildemente seguir outro caminho de raciocínio.

      (1)

      Vamos ver a definição de sociopatia segundo a insuspeita e politicamente correcta Wikipédia:

      http://en.wikipedia.org/wiki/Sociopathy

      “Sociopathy is the result of social conditioning which leads to a lack of natural human values. It refers strictly to a social condition where a person knows, yet has been socially conditioned to disregard, the intrinsic human values which are believed to be universal.”

      Para podermos interpretar “sociedade”, temos que saber o que é sociedade. Desde logo, sabemos o que a sociedade não é: a sociedade não se reduz ao presente. Não podemos dizer: “no tempo do meu avô, não existia a sociedade”.

      Portanto, a sociedade é um conceito que tem uma continuidade histórica. E dentro deste contexto, aconselho a leitura deste postal:

      http://espectivas.wordpress.com/2012/07/24/psicopatia-sociopatia-e-epigenetica/

      E na medida em que a sociedade tem uma continuidade histórica, e na medida em que a epigenética não é uma invenção da psicologia, o seu argumento da mudança de significado — ou da semântica operada pela Psicologia — do termo “sociopatia” [quando você diz que sociopatia é um termo da psiquiatria e, portanto, os dicionários fetichistas estão errados], torna-se inválido, porque a sociedade não é apenas aquela sociedade em que você vive.

      (2)

      Ainda, a ler:

      “According to Lykken (1995), sociopaths are created by ineffective parenting and inadequate socialization during childhood and adolescence. Lykken continues by stating that there are four types of sociopaths.”

      http://www.deviantcrimes.com/sociopathy.htm

      Mesmo que os dicionários estejam todos errados, a sua proposição: “Segundo a psicologia / psiquiatria modernas, a sociedade não é capaz, por si só, de gerar um indivíduo perverso”; está errada.

      (3)

      O seu tipo de argumentação, no seu último comentário, é do tipo Card Stacking :

      http://www.fallacyfiles.org/onesided.html

      — a falácia do malandro (típico brasileiro), que ignora a contra-evidência apresentada, faz arbitrariamente um juízo psicológico do adversário e entra pela falácia ad Hominem [“você é fetichista dicionarizado”] , e usa linguagem de sabedoria unilateral que não admite qualquer contraditório.

      Você não comenta mais aqui.

      Comentário por O. Braga — Terça-feira, 24 Julho 2012 @ 7:24 pm | Responder


RSS feed para os comentários a este artigo. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Theme: Rubric. Get a free blog at WordPress.com

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 503 outros seguidores