perspectivas

Sexta-feira, 29 Junho 2012

O problema da aristocracia portuguesa

Filed under: Portugal — orlando braga @ 3:46 pm
Tags: ,

A aristocracia portuguesa foi destruída pelo marquês de Pombal e nunca mais se reconstituiu. Com a I e a III repúblicas, tendeu-se a considerar que a classe política é a “aristocracia moderna”, mas acontece que a aristocracia não é uma classe, mas antes é uma colecção de indivíduos. Portanto, a classe política não constitui, em si mesma, uma aristocracia.

O aristocrata, enquanto indivíduo, distingue-se da maioria popular em quase todos os graus, mas está unido ao povo através de um patriotismo arreigado e atávico.

A monarquia liberal do século XIX foi completando o processo de destruição da aristocracia iniciado pelo marquês de Pombal, e a república quase acabou com o resto da aristocracia que ainda restava. E esta realidade levanta o enorme problema da reconstituição da aristocracia portuguesa.

Um aristocrata não tem necessariamente que ser rico; não tem que pertencer à classe da alta burguesia.

Os privilégios concedidos pelo rei à aristocracia (a nobreza) poderiam ser retirados a qualquer momento pelo rei se o privilegiado prevaricasse ou traísse a pátria; e foi o que o marquês de Pombal fez, não a um ou dois, mas a toda a aristocracia, e sem uma razão plausível que não fosse a intenção do reforço absolutista do poder político.

Depois do marquês de Pombal, a aristocracia (nobreza) deixou de ter uma função política definida e concreta, e não se criou uma nova aristocracia em sua substituição porque esta substituição não é possível no contexto do movimento revolucionário estrangeirado que descambou na república.

A II república (o Estado Novo de Salazar), criou uma aristocracia composta pelos ricos, ou seja, transformou a classe da alta burguesia em uma espécie de aristocracia; mas cometeu o mesmo erro, porque uma aristocracia não é uma classe social, mas antes é uma série de indivíduos. A aristocracia não coincide nem com a classe política (III república), nem com a classe burguesa alta (II república).

Um país sem uma aristocracia legítima e verdadeira, é um país sem rumo porque é um país desnacionalizado. E é o que tem vindo a acontecer a Portugal desde o marquês de Pombal, de uma forma suave a paulatina. Entrámos numa decadência suave que não é imediatamente perceptível pela geração que a vive: só uma análise global do processo permite identificar essa decadência.

A reconstituição de uma verdadeira aristocracia — que não tem que ser necessariamente uma aristocracia de sangue, com excepção absoluta da família real; mas também não deve ser a exclusão automática da aristocracia de sangue, dependendo de cada caso em concreto — não é possível senão através da reintrodução da monarquia em Portugal. O código genético da república torna impossível essa tarefa, conforme já demonstrado após 100 anos de república. Qualquer que seja o caminho que sigamos na lógica das coisas, vamos dar à monarquia.

About these ads

3 Comentários »

  1. Eu até concordo consigo Orlando, mas uma coisa me faz confusão. Será possível em Portugal, e no momento presente, voltar à monarquia?

    “só uma análise global do processo permite identificar essa decadência”, mas se a maioria desconhece a história, como poderá surgir essa análise global? Eu até que desejo o regresso à monarquia, pois há muito tempo compreendo o que o Orlando acaba de dizer, só que vejo essa tarefa muito difícil (quase impossível). O poder político está demasiado corrompido pelo poder económico e por todos os laços que se criam à volta destes dois elementos. Com um povo subjugado, desconhecedor da sua história, com um exagerado culto personalístico e de imagem (exterior), sem sentido de cidadania e educação no geral, não podemos esperar grandes comedimentos. Não quero generalizar, mas o panorama não é nada animador. Por isto mesmo, tenho dificuldade em ver qualquer regresso à monarquia, a não ser que a república entre em auto-decomposição por via das suas tropelias.

    Comentário por Filipe Crisóstomo (@Skedsen) — Sexta-feira, 29 Junho 2012 @ 5:21 pm | Responder

  2. [...] leitor deixou um comentário no último verbete, como [...]

    Pingback por O problema da aristocracia portuguesa (2) « perspectivas — Sexta-feira, 29 Junho 2012 @ 8:26 pm | Responder

  3. Fantástica a clarividência desta análise…
    Parabenteio-o calorosamente por ela!
    Cumpts

    Comentário por Inspector Jaap — Quarta-feira, 4 Julho 2012 @ 11:56 am | Responder


RSS feed para os comentários a este artigo. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

The Rubric Theme. Get a free blog at WordPress.com

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 497 outros seguidores