perspectivas

Terça-feira, 19 Junho 2012

A religião sacrificial pós-moderna, René Girard [e Fernando Pessoa]

“The contemporary West resembles nothing so much as an archaic society in the full panic of social breakdown, searching desperately for the scapegoats whose immolation will induce the gods to intervene. Whether it is the black-clad “Antifas” in Northern Europe who violently stifle free speech or the “hoody”-wearing vigilantes who have consigned a hapless Florida man to the hell of liberal non-process – the defining agents of the age resemble the implacable crowds of archaic narrative.”

via The Apocalypse of Modernity | The Brussels Journal.

As ideias de Nietzsche reflectem, em todos os seus aspectos, o pós-modernismo — incluindo a loucura em que se afundou, tanto Nietzsche como o homem pós-moderno.

Se o pós-modernismo pudesse ser personificado em uma hipostasia, seria certamente em Nietzsche. Nietzsche está para o pós-moderno — com mais ou menos consciência da sua realidade individual —, como Jesus Cristo estava para os primeiros cristãos, o que nos dá uma síntese da actual religião que transmite a aparência ilusória de que é uma ausência da religião. A [ilusão aparente da] ausência de religião é, em si mesma, uma forma de religião, mas desta vez é uma religião das massas atomizadas, e sem critério racional, que não seja a lei do mais forte que nos trouxe Charles Darwin.

O século XIX foi tenebroso. E no século XX, pessoas inteligentes, como por exemplo Fernando Pessoa, cometeram erros crassos de raciocínio porque se fiaram nas verdades ditadas pelas ideias do século XIX. Fernando Pessoa certamente que leu Nietzsche e Darwin, embora nunca os tivesse referido nos seus escritos. E conhecendo minimamente Fernando Pessoa, exactamente porque não os ter referido é sinal de que os tinha em alta consideração. Embora Fernando Pessoa tenha tido alguns raciocínios brilhantes, grande parte das conclusões a que chegou estão erradas — como nos prova, agora, a constatação irrefutável e empírica do que é o pós-modernismo.

O texto em epígrafe diz respeito a uma curta análise das ideias de René Girard acerca da pós-modernidade e, portanto, acerca das ideias de Nietzsche. Vale a pena ler.

A nova religião, que Nietzsche anunciou, é a da substituição de Cristo por Baco [ou Dionísio], o deus pagão greco-romano [que também foi parcialmente defendido, a espaços e conforme os dias, por Fernando Pessoa, quando se referia à “pureza do paganismo”], e reflecte uma inversão do conceito de aristocracia. Para o cristão, o aristocrata é aquele que se coloca ao lado da vítima injustamente condenada à morte; para Nietzsche e para as massas modernas e pós-modernas, o aristocrata é aquele que mata a vítima, afirmando a sua superioridade decorrente da lei do mais forte segundo Darwin. Satanás não é uma personagem: antes é um símbolo desse espírito das massas adequado à selecção natural — Satanás é aquilo a que as Escrituras chamam de “Legião”.

Por exemplo, o fenómeno da liberalização do aborto e a sua aceitação pelas massas, é corroborante, consciente ou inconsciente, desta nova religião pagã e sacrificial, que se orienta pela linha doutrinal de Darwin a Nietzsche, segundo a qual a vítima tem que, ou deve ser morta porque é fraca. E o novo aristocrata é aquele que não só apoia a morte da vítima, como cria as condições para que a vítima seja morta pelas massas ou Legião.

Para que se tenha uma ideia da influência de Darwin, Herbert Spencer e Nietzsche em Fernando Pessoa, transcrevo um breve trecho deste último:

“Todo o organismo é superior na proporção em que a sua unidade essencial é interpretada e realizada por funções diferenciadas. [até aqui, tudo bem]

Quanto mais elevado é um organismo na escala dos seres vivos, mais diferenciados são os órgãos que o compõem, e maior a interdependência das suas funções.” [errado!]

Aqui, Fernando Pessoa valoriza a superioridade do organismo, não qualitativamente [uma qualidade intrínseca ao ser do organismo], mas quantitativamente — à laia de Darwin, Nietzsche e Spencer. Ou melhor: a qualidade do organismo, segundo Fernando Pessoa, advém necessariamente da quantidade da putativa diferenciação dos órgãos que compõem o tal organismo superior. Ora, uma análise da ciência actual à complexidade extrema da célula eucariótica — e mesmo uma complexidade quase absoluta, como no caso do flagelo ou do cílio — por exemplo, mostra que Fernando Pessoa está errado, assim como estão errados Darwin e Spencer e, por inerência, o próprio Nietzsche. Defender, hoje, esta ideia é assumir uma posição, pelo menos, a-científica.

O utilitarismo, que caracteriza a modernidade e principalmente a pós-modernidade, não é a preocupação com o bem-estar da maioria: antes, é a procura do bode-expiatório inconsciente da Legião ou das massas.

E esse bode-expiatório é a vítima inocente, seleccionada arbitrariamente pela Legião. A escolha arbitrária da vítima corresponde à necessidade inconsciente de tentar resolver o problema da polarização dos contrários [da Metaxia, segundo Eric Voegelin] que caracteriza e delimita a existência humana (por exemplo, o bem e o mal); é uma tentativa de fuga à realidade, através do desejo de pacificação, mediante um ritual sacrificial, das forças contrárias que o ser humano se apercebe estarem presentes na sua realidade. O niilismo é mesmo isto: a tentativa [ilusória e delirante] de anulação das diferenças entre o bem e o mal.

A Revelação Bíblica denuncia esse mecanismo de bode-expiatório sacrificial e inconsciente, explicando-o. A Paixão de Jesus Cristo é exactamente a denúncia e a neutralização desse bode-expiatório, na medida em que o próprio Cristo se oferece à morte como vítima arbitrária e inocente.

About these ads

Deixe um comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed para os comentários a este artigo. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

The Rubric Theme. Create a free website or blog at WordPress.com.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 497 outros seguidores