perspectivas

Sexta-feira, 4 Junho 2010

Vão recomeçar as ditaduras na Europa

A Hungria, que depois de ter aderido ao espaço de livre circulação de bens e serviços da União Europeia, tinha indexado a sua moeda (o Forint) ao Euro em uma banda de oscilação de 3%, está na bancarrota.

Budapeste

O novo primeiro-ministro da Hungria, o conservador Viktor Orbán, surgido das eleições recentes, declarou que o seu país está à beira da insolvência, porque o governo anterior socialista — como todos os governos socialistas — martelou as contas públicas. Mas os anúncios de marteladas das contas públicas não devem ficar por aqui: países como a Bulgária, a Roménia, a Eslováquia, a Eslovénia, a república checa, e mesmo a Polónia, poderão dar razão a quem avisou que o alargamento precipitado a leste conduziria a União Europeia “contra a parede”.

Em Outubro de 2008 (portanto, há menos de dois anos), o governo socialista da Hungria pediu um empréstimo internacional de 20 mil milhões de Euros garantido pelo FMI, pela União Europeia e pelo Banco Mundial, para salvar o país da falência. Em menos de dois anos, o governo socialista húngaro “derreteu” os 20 mil milhões de Euros e o país ficou na mesma: na bancarrota. Os socialistas são especialistas em gastar o dinheiro dos outros e em levar à bancarrota tudo em que tocam.

A abertura da Hungria às importações oriundas dos países do directório europeu (eixo franco-alemão) acabou com a incipiente indústria húngara. Em poucos anos, a economia húngara foi desmantelada. A Hungria já pouco produz: compra praticamente tudo feito aos países do eixo franco-alemão. As exportações húngaras baixaram drasticamente, passou a importar também o desemprego do estrangeiro e a dívida externa do país disparou. Para resolver o problema do défice — e em vez de cerrar fileiras e fechar fronteiras —, os socialistas martelaram as contas públicas.

O problema que se coloca agora é que começam a aparecer incêndios em todo o lado, e não há bombeiros suficientes nem logística que valha a tanta tragédia. A União Europeia e o Euro deram nisto. Querendo resgatar a Europa de leste das garras do urso russo, a União Europeia meteu-se por caminhos que conduzirão ao fim do Euro, e provavelmente à desagregação do próprio mercado comum.

Não me admirava nada que a Hungria sofresse, a breve trecho, um golpe-de-estado militar, com a instauração de um governo de salvação nacional. Tudo parece indicar que vai voltar a abrir a época das ditaduras na Europa.

About these ads

Deixe um comentário »

Ainda sem comentários.

RSS feed para os comentários a este artigo. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

The Rubric Theme. Blog em WordPress.com.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 492 outros seguidores