perspectivas

Sábado, 10 Maio 2008

O Materialismo Histórico

eoh_hayekO Materialismo Histórico, segundo Marx, é essencialmente baseado no conceito de “consciência de classe”, que segundo os marxistas, surgiu com o proletariado da revolução industrial. Antes do proletariado, segundo Marx, não existia a “consciência de classe”.

Assim, o verdadeiro e único “sujeito da História”, isto é, o verdadeiro protagonista da História, é a “consciência de classe”. Quando o proletariado ganha consciência de si como classe, assume então a responsabilidade de transformar a sociedade capitalista em sociedade sem classes.

Segundo Marx, só o proletariado teria uma “consciência de classe”, e a burguesia não a poderia ter senão como sendo uma “falsa consciência de classe”, porque a burguesia teria a consciência da contradição irresolúvel da sociedade capitalista, mas nada poderia fazer para a eliminar. Portanto, só com o surgimento do proletariado se passou a poder compreender totalmente a História, e passou a ser possível resolver os conflitos históricos.Até aqui, a teoria parece ter alguma lógica, mas a estória não fica por aqui.

Contudo, Marx defendeu a ideia de que a realização da verdadeira “consciência de classe” do proletariado é o desaparecimento, por via dialéctica, do próprio proletariado, isto é, a tarefa do proletariado é acabar com a sua condição de proletariado, levando até ao fim a sua luta de classe.

Quando Marx nega à burguesia a consciência de classe, o que faz é constatar a impossibilidade da burguesia em determinar o curso da História. Para Marx, o curso da História só poderia ser determinado pela “consciência de classe”, e portanto, o proletariado é, por isso, o único protagonista histórico.

Contudo, se a realização plena da “consciência de classe” significa o fim do proletariado, e significa, consequentemente, o fim da própria “consciência de classe”, o conceito de “consciência de classe” que fundamenta o Materialismo Histórico significa o fim da própria História, isto é, a visão histórica do Marxismo assenta na impossibilidade prévia dessa mesma visão histórica!

Estão a ver o problema que Marx nos arranjou? E não é que o neoliberal Hayek fez a mesma borrada, embora com outros argumentos?

Adenda: Sabem porque é que os neoliberais e os neomarxistas da blogosfera têm tantas discussões e tão acaloradas? É para saberem, dos dois tipos em disputa, qual dos “fins da História” é o mais racional.

A ler sobre este assunto: As contradições do marxismo

About these ads

4 Comentários »

  1. Olá
    Tudo bem?
    Gostaria que você me esclarece um pouco melhor o que quis dizer nesse trecho:
    “Contudo, se a realização plena da “consciência de classe” significa o fim do proletariado, e significa, consequentemente, o fim da própria “consciência de classe”, o conceito de “consciência de classe” que fundamenta o Materialismo Histórico significa o fim da própria História, isto é, a visão histórica do Marxismo assenta na impossibilidade prévia dessa mesma visão histórica!”

    A mim não parece que a visão marxista se assenta na impossibilidade prévia dessa visão histórica. Não poderia ser assentada na busca da superação e posterior eliminação dessa visão histórica, uma vez que no “mundo comunista ideal’ não haveriam classes nem divisões de classes, portanto não haveria espaço para a consciência de classe?
    Um abraço
    Thiago

    Comentário por Thiago — Segunda-feira, 23 Junho 2008 @ 6:49 am | Responder

  2. … portanto não haveria espaço para a consciência de classe?

    Não havendo espaço para a consciência de classe a partir do momento em que acontecia o fim do proletariado, a visão histórica marxista — que assenta no conceito e consciência de classe a qual deixou de existir com o fim do proletariado — assenta previamente na ideia do fim da História, o que é um absurdo. Não podemos ter uma visão da História que inclua o seu fim, porque isso seria negar o próprio conceito epistemológico de “História”. Quando uma visão da História assenta na ideia do seu fim, é uma visão histórica acientífica, em que um futuro desejável e hipotético é compulsivamente desenhado para explicar o passado e presente.

    Comentário por O. — Segunda-feira, 23 Junho 2008 @ 2:03 pm | Responder

  3. eu não entendi nada do que vc quiz dizer, preciso de mais informações e em uma linguagem mais fácil de se entender

    Comentário por juliana — Segunda-feira, 22 Novembro 2010 @ 6:18 pm | Responder

  4. Parece lógica a afirmação marxista sobre consciência de classes, mas utópica. Pois a realização plena desse conceito, na minha visão, reproduziria a mesma luta pelas classes sobrepostas, que resultaria em nova forma de domínio. Assim, em efeito cascata as classes se sobrepôem às novas classes, subsequentemente, (Ex.: Revolução Francesa), ou se criam novas classes dominantes, e, paralelamente novas formas de consciência de classe.

    Comentário por Manoel Targino Ponciano — Domingo, 20 Março 2011 @ 2:16 pm | Responder


RSS feed para os comentários a este artigo. TrackBack URI

AVISO: os comentários escritos segundo o AO serão corrigidos para português.

Please log in using one of these methods to post your comment:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Theme: Rubric. Get a free blog at WordPress.com

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 519 outros seguidores